Sex and the City

Loirastupidaaaa.jpg Hello, Honey! Este artigo é fashion!!

Este artigo é algo que eu e minhas amigas pink adoramos! Se você for nerd ou pobre, tipo, é melhor passar longe daqui, e se vier aqui pra arranjar confusão, nós vamos chamar a galerinha popular para humilhar você!


Alerta de spoiler: O artigo pode conter alguns spoilers, tais como o fato de que

Carrie Bradshaw dá o golpe do baú em Mr. Big no final.

Então leia por sua conta e risco, e não se esqueça de dar uma de Pattinson.


O Putedo e a Cidade

Sex-in-the-citydragqueens.jpg

Gênero Putaria, Romance brega e Drama de gente rica
Quem criou Um viado qualquer chamado Darren Star
Onde passa HBO
Faixa etária Qualquer que seja a idade da Tua mãe

Cquote1.svg Você quis dizer: Patricinhas na Cidade Cquote2.svg
Google sobre Sex and the City
Cquote1.svg Minha série favorita!!! Cquote2.svg
Tua mãe, Patricinhas, Gays da Década de 1990, etc. sobre Sex and the City
Cquote1.svg Minha fonte de inspiração! Cquote2.svg
Margarida Rebelo Pinto sobre Sex and the City
Cquote1.svg Eu fiz a versão pobre. Cquote2.svg
Lena Dunham sobre Girls Sex and the City
Cquote1.svg Como é que Carrie, só escrevendo uma coluna semanal num jornal aleatório, tem grana pra financiar seu estilo de vida de luxo!? Cquote2.svg
Qualquer um sobre Sex and the City
Cquote1.svg A série se chama "Sexo e a Cidade". Cquote2.svg
Eu sobre citação acima e profissão duvidosa da protagonista
Cquote1.svg Nunca vi. Cquote2.svg
Stevie Wonder sobre Sex and the City


Sex and the City (ou O Putedo e a Cidade em português, para você que é burro) foi uma influente série de televisão estadunidense dos finais da Década de 1990 e inícios da Década de 2000, que iniciou a modinha das séries focadas na "mulherada moderna": que é como quem diz nas piriguetes com carreiras de sucesso inexplicáveis, obcecadas por moda e futilidades, com melhores amigos gays e feministas tão independentes e senhoras de si próprias que sua vida inteira gira em torno de relações amorosas e caçar homem rico.

A única coisa conhecida dessa série é Sarah Jessica Parker (que ficou famosa por causa dessa bosta), já que o resto caiu no esquecimento.

Para manter a grana a entrar, foram produzidas duas inutilidades de filmes-sequela à série e que não vêm acrescentar nada: Sex and the City (2008) e Sex and the City 2 (2010), e ainda uma série prequela sobre a adolescência da protagonista irritante e sua chegada a Nova Iorque, The Carrie Diaries (2013 - 2014) que foi um fracasso.

Onde se Passa?Editar

Nova Iorque. E você sempre será relembrado em todos os episódios que essa porra se passa em Nova Iorque e o quanto a irritante protagonista Carrie (que veio lá do Acre dos Estados Fudidos) adora, ama de paixão, essa cidade, que é a melhor do mundo para caçar homem rico.

Personagens PrincipaisEditar

Carrie BradshawEditar

A protagonista Carrie se tornou um ícone de moda brega usando bostas como essa.

É a protagonista e narradora dessa porra. Trabalha como colunista de terceira categoria num jornal medíocre qualquer onde publica uma coluna semanal que só mulheres desocupadas como ela leem e onde fala sobre homens, moda e outras parvoíces, mas por algum motivo tem grana para financiar seu estilo de vida de luxo que incluí roupa de grife, um apartamento na zona cara de Nova Iorque e bares da moda. Tá, na real quem financia seu estilo de vida luxuoso (claramente acima das suas possibilidades) são os caras trouxas que se deixam enganar por ela, geralmente ricos e com negócios obscuros, especialmente Mr. Big (a quem ela eventualmente consegue dar o golpe do baú), um designer de mobiliário chamado Aidan (que aparentemente também é rico), um artista milionário russo chamado Aleksandr Petrovsky e outros que caíram no esquecimento (porque foram embora rápido eram pobres). Todas as patricinhas desse mundo ambicionam ser ela, daí a popularidade dessa personagem bosta.

Claro que além da lista de idiotas a financiar, também existe o melhor amigo gay (cuja modinha se iniciou com essa série), um cara careca com xiliques e muito fâshõn chamado Stanford Blatch, que, lá está, também é rico e vem de famílias aristocráticas, porque Carrie não se relaciona com pobre, só com gente que possa lhe dar grana melhorar sua vida financeira.

Afiliada a Carrie estão as outras três co-protagonistas, suas melhores amigas: Charlotte, Samantha e Miranda que só estão ali pra aturar seus dramas e que funcionam como aquela trupe de pattys do Ensino médio mas em versão adulta, ainda que com preocupações quase iguais como homens, moda e dinheiro.

Charlotte YorkEditar

Charlotte tendo um dos seus habituais ataques de histerismo.

É a princesa sonsa boazinha do grupo que, como todos os "amigos" de Carrie, vem de família rica e aristocrática que lhe comprou a carreira como gestora numa galeria de arte qualquer na zona chique de Nova Iorque. Era um menina com boas notas, a mais popular, rainha de todos os bailes da escolinha, presidente da associação de estudantes, capitã da equipa de corrida, líder de torcida, modelo... Charlotte é tão perfeita que é aquele gênero de mulher que non ecziste!

Ao contrário das outras pattys suas amigas, Charlotte quer casar e ter filhos à força toda, o que faz com que se tenha tornado numa daquelas mulheres solteironas encalhadas que fazem de tudo pra caçar homem (como ataques de histeria e dar gritos estridentes que, geralmente, têm o efeito oposto). Mas como é rica, ainda se pode dar ao luxo de ser esquisita e ter padrões, portanto não é qualquer um que serve tem de ser rico, claro e só namora banqueiros, homens de negócio, advogados, etc. Segundo os roteiristas, isso faz dela uma "romântica optimista" e não uma gold-digger.

Charlotte está tão desesperada por casar que até finge ser homem pra caçar gays ricos. Ou não.

Eventualmente, consegue caçar casar com um cara aristocrático mas que sofre de impotência sexual chamado Trey MacDougal como se algum cara rico tivesse esse nome. Enquanto planeia o casamento de luxo, também ela conhece e adquire o seu "melhor amigo gay" chamado Anthony Marentino outra bicha louca. Mas afinal o sexo vale para ela e acaba traindo o cara impotente com o Ricardão jardineiro sexy e pedem o divórcio. Durante o processo, começa transando com seu advogado judeu e rico, Harry Goldenblatt, e está tão desesperada por se casar que se converte ao Judaísmo só pra dar o golpe no cara. Como Charlotte não pode engravidar, o casal acaba adoptando uma menina vinda da China porque rico branco adora ir comprar bebé à China ou a África, chamada Lily.

Samantha JonesEditar

A expressão facial orgásmica habitual de Samantha.

A mulher cafa da série, sendo a puta-mor ninfomaníaca do grupo, que troca de homem como quem troca de cueca. É uma verdadeira feminista: que no início da série diz estar cansada do amor e de relacionamentos amorosos e que agora vai transar "que nem homem" porque são todos iguais, odeia homem e outro papo de mulher feminista, que, no fundo, é a desculpa de todas as vadias quando não deixam a vagabundice. Ela é o clássico caso de "todos comem mas ninguém assume", vivendo colecionando casos de sexo casual com caras (e mulheres) aleatórios porque a boa vadia corta prós dois lados mas nem por isso pega DST, só câncer da mama nas últimas temporadas para continuar sendo uma fonte de inspiração para as feministas mulheres desocupadas que assistem isso.

Samantha e seu estilo de puta "sexy".

É a mais velha do quarteto, mas acredita ainda ser jovem e é um claro exemplo daquelas quarentonas que não aceitam que o tempo delas já passou, e por isso se veste e comporta que nem uma cocota guria de 20 anos de idade, com roupa "sexy" e atitude vulgar a combinar. Por alguma razão, tem uma carreira de relações públicas de sucesso, apesar de aparentar ser uma puta de luxo daquelas acompanhantes que os homens de negócio levam prós jantares da empresa e vão terminar a noite num hotel de 5 estrelas. Para cimentar seu estatuto como quarentona desesperada por ser jovem outra vez e que não aceita a passagem do tempo, acaba namorando com um cara com idade pra ser seu filho, um aspirante a ator chamado Smith Jerrod.

Miranda HobbesEditar

Miranda: a baranga do grupo.

É a sapatona obcecada pela carreira do grupo. Tal como Samantha, é uma feminista que odeia homens e pinto e não tem paciência para relacionamentos nem moda, preferindo concentrar suas atenções na sua carreira como advogada de prestígio. Veio de Harvard como aluna de sucesso e vive para o trabalho, fazendo muita grana, mas, ao contrário de Carrie, não o gasta em sapatos de grife, sendo a mais baranga e mal-vestida do grupo, mas que por alguma razão talvez falta de melhor tem muito homem atrás dela. É que além de feia, ainda tem uma personalidade escrota a acompanhar, frequentemente sendo arrogante e trouxa especialmente para o sexo oposto. No fundo, Miranda é a maior fantasia feminina de todas as essas personagens, para fazer a mulherada acreditar que mesmo tratando os homens como bosta, eles ainda vão querer pegar elas. Ou não.

Miranda demonstrando que é uma mulher cheia de classe.

Como suas amigas não a querem ver encalhada, sempre se estão intrometendo e combinando encontros pra ela, mas Miranda dá o fora em todos os caras, porque sempre encontra defeitos neles. Quem acaba dando o golpe nela é um empregado de mesa pobre chamado Steve Brady, de quem ela engravida depois de uma noite de sexo. Depois de muita bosta sem interesse (inclusive um negão gostoso demasiado bombado para alguma vez prestar atenção a uma baranga como Miranda), Steve lá tem de pedir casamento porque Miranda não consegue fazer aborto e não quer pagar pensão de alimentos pró garoto. Como o casal tem pouca grana, tem de se mudar pra Brooklyn (na altura um bairro podre de Nova Iorque, agora um lugar da moda cheio de hipsters), deixando Miranda com xiliques e sentimento de inferioridade face às suas três amigas da zelite.

Outros PersonagensEditar

  • Mr. Big: Homem de negócios obscuros que nunca se sabem bem quais são, é o cara em quem Carrie acaba dando o golpe do baú depois de andar a fazer cu-doce durante seis temporadas. Seu nome verdadeiro é John James Preston, mas isso não interessa nada;
  • Steve Brady: O trouxa que acaba casando e chifrando Miranda porque a engravidou;
  • Stanford Blatch: O melhor amigo gay de Carrie. É só isso que precisa saber sobre esse personagem;
  • Trey MacDougal: O trouxa impotente vindo da aristocracia que casou com Charlotte;
  • Aidan Shaw: O designer de mobiliário, que por alguma razão negócios obscuros é rico e vira namorado de Carrie. Acaba deixando-a por uma mulher decente;
  • Harry Goldenblatt: O advogado de Charlotte que é judeu e, portanto, rico, e em quem ela consegue dar definitivamente o golpe;
  • Smith Jerrod: Jovem de 20 e tal anos que trabalha como empregado de mesa mas é aspirante a ator. Pega carona nos contatos de Samantha (com quem começa namorando) e consegue vingar em Hollywood;
  • Anthony Marentino: O melhor amigo gay de Charlotte;
  • Madga: A empregada da limpeza de Miranda, que só ali está pra lhe substituir o vibrador por estátuas de santos;
  • Richard Wright: O cara com quem Samantha quase tinha um relacionamento sério mas era da idade dela velho demais;
  • Bunny MacDougal: A mãe obcecada de Trey, que vive infernizando a paz alheia de Charlotte;
  • Aleksander Pretrovsky: Artista russo que, por sinal, é milionário e que pega Carrie;
  • Marcus Adant: O namorado do melhor amigo gay de Carrie que não faz porra nenhuma;
  • Natasha Naginsky: A modelo de 20 e tal anos por quem Big troca Carrie;
  • Skipper Johnston: Um namorado aleatório de Miranda que desaparece da série sem deixar rasto;
  • Dr. Robert Leeds: Um negão gostoso e bombado que, por alguma razão desconhecida, decide pegar a trouxa Miranda;
  • Enid Mead: A cafetona ligação de Carrie à revista Vogue;

AfiliadosEditar