Abrir menu principal

Desciclopédia β

Street Fighter V

Virtualgame.jpg Street Fighter V é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Sagat solta um Tiger Robocop.

Street Fighter V é apenas o Super Street Fighter IV com leves modificações e atualizações só que lançado para PlayStation 4, porque criatividade a Capcom já não tem desde o Street Fighter Alpha, então precisa ficar nessa reciclagem infinita de seus títulos. Como nem todo mundo é imbecil, as pessoas em geral perceberam essa gambiarra feita pela Capcom e o jogo teve uma recepção bem negativa, sendo comprado e apreciado apenas por punheteiros porque todas personagens do jogo usam um fio-dental atochado no rabo. Mesmo que o Street Fighter V tivesse sido lançado como jogo inacabado, foi mesmo assim eleito o melhor jogo de luta de 2016, por falta de concorrentes mesmo.

Títi Fáiter Cinco
Street Fighter V.png

Capa do jogo que revoltou as feministas

Informações
Desenvolvedor Capcom
Publicador Capcom
Ano 2016
Gênero Luta de rua
Plataformas PlayStation 4, PC
Avaliação Indefinido
Idade para jogar Livre

Cquote1.png Unable to login the game server Cquote2.png
Servidor do jogo sobre jogador comum tentando jogar com alguém online
Cquote1.png Nada irá me impedir! Irei dominar o mundo! Cquote2.png
M. Bison sobre o onésimo plano de dominação mundial feito por ele
Cquote1.png Pervertidos como você merecem é uma surra! Não gostou, o choro é livre! Cquote2.png
Juri sobre Vega fazendo gracinha com a Cammy, durante o modo história
Cquote1.png Como assim a profecia foi feita por aquele mendigo, e não a minha marionete? Cquote2.png
Helen sobre Ryu ser o cara que mata o Bison, e não Charlie Nash

Como o jogo foi claramente lançado às pressas para ser lançado junto com o PlayStation 4, o Street Fighter V é um jogo inacabado e bugado. Os fãs da série nem reclamaram, pois sabem que em breve eles lançam o Super Street Fighter V, depois o Ultra Street Fighter V e depois o Hyper Super Street Fighter V: Arcade Version e assim por diante para corrigir esses bugs malditos. Mas um problema desse lançamento às pressas foi o fato da Capcom não ter construído um servidor para seu jogo, tornando praticamente impossível concluir alguma briga online, sendo que em 75% das vezes a luta nem começa pois a conexão de um dos jogadores cai.

Índice

JogabilidadeEditar

 
Não é um jogo de Dead or Alive.

Street Fighter V é a mesma coisa do Street Fighter IV em termos de jogabilidade. É lutinha de 1 contra 1, você dá socos, pontapés, vai enchendo a barrinha de POW e dá o especial de porrada. Se for noob o adversário defende ou desvia do especial, mas se você for bom, aí aplica um K.O..

A única novidade na jogabilidade é a introdução da barra V, que serve basicamente apenas para os personagens darem os golpes de sempre, só que com mais brilho e glamour, ou seja, na prática Street Fighter V continua a mesma coisa desoriginal de sempre.

EnredoEditar

O jogo até tentou trazer uma história, mas ela é tão clichê, tão repetitiva e os personagens da franquia ficam fazendo tanto as mesmas coisas de sempre que dá até vergonha de escrever o enredo do jogo como se fosse algo sério ou algo de mais. A história é basicamente a porra da Shadaloo causando alguma treta nova, e os heróis precisam impedir que Hugo Chavez (M. Bison no ocidente e Vega no oriente) conquiste o mundo com os seus planos malignos.

PersonagensEditar

Novos personagensEditar

 
Uma personagem nova que agradou muito!
  • Necalli - Personagem incluído para satisfazer o projeto de inclusão social da Capcom em seus jogos, este é um rastafári maconheiro que não toma banho e por isso tem seus dreads exalando um perfume mortal de catinga, atacando os outros só com o seu cabelo fedorento. Além de tudo o cara é um doido iludido, pois diz pra todo mundo que é um emissário dos deuses que tem a missão de devorar os lutadores e absorver a força deles (tipo o Ogre de Tekken, saca?), ou qualquer merda dessas.
  • Rashid - Mais um personagem implementado através do bonito projeto de inclusão social da Capcom (apesar de ter sido copiado do Shaheen de Tekken 7 - perceberam o padrão?), este é um árabe do Talibã que só deseja ser aceito pela sociedade ocidental e que explodir os outros apenas faz parte de sua religião que merece ser respeitada e tolerada. Usa um scouter de Dragon Ball Z para ser mais acessível pra galera jovem.
  • Laura - É a Irmã mais velha do Sean Matsuda ,continuando com a ideia de inclusão social de classes marginalizadas da sociedade, Street Fighter V também incluiu como personagem jogável uma ex-atriz pornô, cujo nome artístico era Christy Mack, mas que agora precisa se redimir de seu passado obsceno com o novo nome de Laura. Como perder os hábitos de ser uma prostituta não é fácil os seus golpes consistem em mostrar os peitos e a bunda - mantendo a associação com Tekken, imagine a Christie como jiujiteira ao invés de capoeirista, e copiando os golpes do Blanka na cara dura.
  • F.A.N.G - Como no jogo anterior introduziram Rufus através da cota para obesos, a série Street Fighter continuou sua saga a favor da inclusão social e criou também um personagem desnutrido com anorexia, o FANG, um vilão merda (o que é até apropriado, já que ele gosta de ser o "número dois") que é metido a lutador de kung fu e ninguém faz questão de escolher.
  • Helen Kolin - Mais uma personagem incluída através do sistema de cotas, mas não cotas para russos pois já tem o Zangief, mas a cota para personagens femininas sem decotes absurdos ou calcinha aparecendo. É uma loira que veste um casaco e uma saia que pelo menos passa da metade da coxa, tornando-a a personagem feminina mais vestida do jogo já que excluíram a Rose. No gameplay é meramente uma Kula Diamond sem pirulitos. Quem é nerd o suficiente pra conhecer os fiapos de história de SF vai lembrar que a puta pessoal do Gill tinha o mesmo nome. Pois bem: é a própria, mostrada aqui antes de arrumar emprego com o loirão dois-tons.
  • Ed - A Capcom, já sem ideias para atender as demandas das cotas, coloca um emo, que tem uma própria organização e foi promovido de figurante a personagem jogável. Mas claro que não iam deixar aquele garoto magrelo que vimos na história lutar assim, então ele teve que tomar anabolizantes para poder se apresentar ao cast do jogo. O gameplay dele é uma mistura de Balrog com Bison, e os especiais dele não requerem Qcf + P e similares.
  • Abigail - Precisando de um personagem as pressas, a Capcom decide promover um chefão de Final Fight a personagem do jogo. Para suas questões de cotas, ele foi incluído na categoria "Personagens enormes que não usam agarrão", já que o que mais tem em jogo de luta é isso. Aliás, enorme é a primeira palavra pra descrever esse cidadão: perto dele, até o Zangief parece um anão bombado.
  • Menat - Mais uma vez, alguém posto no jogo devido a cotas. A jovem caiu na categoria "Moreninha africana" (se bem que o Egito é culturalmente mais árabe do que africano, embora essa garota não seja nem uma coisa nem outra, e sim uma moça vestida de Cleópatra) já que a Elena não está no jogo e a Capcom está com bastante falta de criatividade. No gameplay, ela é traiçoeira, jogando sua bola de cristal de um lado pro outro, esperando que você encoste na orbe pra levar dano (igual à Viola em Soul Calibur V - sim, a Capcom anda mesmo roubando as ideias da Namco).
  • Zeku - Outro personagem promovido de fundo de história de Final Fight a jogável (ele era o mestre do Gay, digo, do Guy), este ninja de meia-idade entra na categoria de "Personagens velhos que tem força de jovens". O gameplay dele se resume em cortar o oponente, se transformar, dar rasteira, se transformar de novo e assim por diante. Em mais um esforço de promoção cruzada da Capcom para jogos que os fãs adoram, mas a empresa só lembra a cada passagem do Cometa Halley próximo à Terra, quando este senhor se transforma, ele vira o Strider Hiryu.
  • Falke - Como sabemos, a Capcom guarda ressentimentos sobre uma certa empresa pirata de jogos, então como segunda parte de sua vingança (a primeira foi bem bolada na forma do Dan Hibiki), ela juntou Billy Kane e Mature num personagem só, colocou os poderezinhos do Bison pra dizer que tem alguma relação com a história. Tal como seu "irmão caçula" Ed, os golpes dela requerem comandos simples, que não envolvem meia lua e similares.
  • G - A Capcom, já perdendo os limites da noção, mistura o Tio Sam com o Abraham Lincoln, dá os poderes de magma e terra pra esse cidadão, e o inclui em uma cópia mal feita do YouTube chamada FooTube. Ele é o "presidente do mundo" (embora eu não me lembre de ter votado nele pra isso), e quer unir os humanos na Terra para ajudar a todos (meio louco, mas tudo bem). A escolha do nome também é nítida falta de criatividade, sem contar que já existia o Q em Street Fighter III.
  • Lucia - Capcom quis superar a si mesma em trazer a galera de Final Fight pra Street Fighter (o recorde havia sido no Alpha 3 Upper, com dois personagens), e pegou uma qualquer do terceiro jogo, que ninguém conhece. Lucia, com seu uniforme de policial, tem mais cara de personagem de KOF do que de Street Fighter, embora esse não seja o ponto. No gameplay ela é só um clone do Fei Long mesmo, incluindo chutes flamejantes e o resto todo.

Personagens manjadosEditar

  • Ryu - Você acha mesmo que ele ficaria de fora? Na história, começou apanhando pro Necalli e pro Ken, pra depois bater no Necalli e matar o Bison de uma vez por todas.
  • Ken - Surge dessa vez com um visual mais moderno, pro povo parar de chamar ele de "Ryu loiro".
 
Escolha à vontade. Só não se esqueça de pagar e depois fechar a porta do banheiro.
  • Chun-Li - Desde 1991 garantindo a punheta dos jogadores, e ela não vai parar tão cedo - em especial com a quantidade de looks que a Capcom deu pra ela, com o objetivo de atender a todo tipo de tara (sim, a funkeira ruiva-tingida na imagem ao lado também é ela).
  • Cammy - Com todo o fanservice que a Capcom colocou no jogo, seria de se surpreender que não lembrassem da loirinha que há 25 anos divide com a Chun-Li as atenções dos fapadores de plantão (mais detalhes abaixo).
  • Charlie Nash - Ué, mas ele não tinha morrido? Sim, por isso ele volta do mundo dos mortos puto da vida e a fim de dar o cacete da vida do Bison (estamos falando de porrada mesmo). A Capcom fez um puta marketing em cima do cara, mostrando ele como fodão que larga Genocide Cutter, pra no final morrer de forma tosca apenas pra enfraquecer o Bison.
  • M. Bison - O chefão fodão da história, como não poderia deixar de ser, volta com seus planos para dominar o mundo, e descer o sarrafo em todos os lutadores, agora mais apelão do que nunca (claro que ele não tem um Psycho Crusher que varre a tela que nem Street Fighter Alpha 3, mas os golpes novos dele compensam). Foi o chefão fodão da história, matando vários figurantes e dando um pau nos heróis. Morreu pra um Hadouken do Ryu, mas não sem antes dar uma risada diabólica fodona.
  • Vega - Continua praticamente a mesma biba de sempre. Quis ficar de gracinha com a Cammy na história e levou um monte de chute da Juri na cara por causa disso.
  • Birdie - Desenterrado do Street Fighter 1 e da série Street Fighter Alpha, o grandalhão punk volta mais sujo e muito mais gordo, como parte da inclusão social da Capcom.
  • Karin Kanzuki - Ganhou da Capcom uma roupa mais fashion e umas roteiradas; segundo a história do jogo, é ela quem comanda os heróis ao ataque à Shadaloo. Isso mesmo, uma patricinha é capaz de ter um major da Força Aérea Americana, uma agente da Interpol, uma agente do Serviço Secreto Britânico, um mestre de ioga, e os maiores lutadores do mundo sob seu comando. Se isso não é uma tremenda roteirada da Capcom, não sabemos o que é.
  • Rainbow Mika - Para alegria do pessoal que se acabou na mão com ela no SFA3, ela está de volta, em toda sua glória. Mais detalhes abaixo.
  • Zangief - O fortão que luta com ursos no frio siberiano. Só entrou porque o E. Honda é mais inútil.
  • Dhalsim - Retorna mais velho, com uma barba branca de respeito, e com golpes ainda mais esquisitos, se retorcendo mais do que massinha amoeba.

Da primeira onda de DLC pago, temos:

  • Alex - Vindo direto do Street Fighter III, aqui é mostrado como ele conheceu os outros personagens, entre eles...
  • Guile - O fera da Força Aérea, o cara do cabelo antigravitacional, o herói americano... Ele é tudo isso e continua a mesma coisa de sempre no jogo.
  • Ibuki - A Capcom viu que colocar ela só de ninja não atraía público (especialmente com uma roupa folgada daquelas), então a redesenhou como uma colegial ninja, o que até seria uma ideia boa, se não fosse o risco de levar uma kunai na cara por olhar a calcinha dela.
  • Balrog - Como de costume, entrou no jogo através da cota para negros - ou melhor, afrodescendentes.
  • Juri Han - A revelação do Street Fighter IV está de volta para quebrar alguns pescoços com sua pernas bem torneadas amparadas por um bumbum maravilhoso.
  • Urien - Não se preocupem, ele não luta só de tanguinha dessa vez. Mas há um código pra fazer isso, se você é uma pessoa sem pudores.

A segunda onda de DLC pago foi dedicada a personagens novos e irrelevantes, mas trouxe um favorito da galera:

  • Akuma - O demônio, o fodão, agora com uma barba que parece uma juba de leão (ih, rimou!).

Na terceira onda, temos:

  • Sakura Kasugano - Ela cresceu e largou o uniforme da escola, mas continua pagando calcinha.
  • Blanka - Orgulho do Brasil no SF, o fera da Amazônia retorna pra mostrar pra Laura quem foi o primeiro brasileiro a dar choque e sair rolando por aí.
  • Cody Travers - Terminada a sua pena, Cody saiu da cadeia, e se lançou a política. Como o pessoal de Metro City ainda o lembra como o "salvador da cidade" durante Final Fight, ele foi eleito como prefeito. Mas como ele acha a vida pacata um puta tédio, decide sair por aí descendo o sarrafo em todo mundo pra descontrair.
  • Sagat - Voltou pra mostrar ao Bisonho como se faz um chefão de verdade. Ele também tem um tigre de estimação, e por algum motivo não revelado, é atormentado pelo Satélite no Cu Satsui no Hado.

A quarta onda mal foi anunciada, e somente um personagem foi revelado até agora apenas 4 personagens foram apresentados no momento:

  • Kage - Ryu Negão consegui uma forma separada do Ryu normal, e a Capcom, pra fingir que é um personagem "novo", deu a ele o nome de Kagão Kage. Continua a mesma coisa de sempre, com Hadouken de fogo, teleporte, Apaga-luz e outras coisas do tipo.
  • E. Honda - A Capcom decidiu dar bola pra meia dúzia de gato pingado que é fã do lutador de sumô e decidiu fechar o roster dos 12 originais. Volta promovido na hierarquia, mas não ainda no posto mais alto, de Yokozuna.
  • Poison - Volta de cabelo cortado, e visual mais desleixado, punk rock, e vulgar, pra ver se os desavisados ainda caem na velha armadilha. O travecão está cada vez mais bombado e com ainda mais silicone. Também lança uns molotov no chão em uma das barras V, e (milagre) não está acompanhada do brutamontes viciado em batatas.

Buceta da Cammy e bunda da R. MikaEditar

Durante a produção do jogo e o lançamento da sua versão delta (porque a versão gama foi lançada como definitiva em 2016, com alguns conteúdos em dowload para corrigir os bugs do jogo para uma versão beta, para quem sabe um dia realmente lançarem um jogo acabado) vários personagens foram exibidos para os fãs darem uma conferida. Dentre os personagens exibidos três chamaram muito a atenção. Em primeiro a Chun-Li com suas roupas que deixam suas coxas de fora claramente demonstrando que ela sucumbiu ao vício de esteroides para cavalos. Em segundo a Cammy em cuja uma das cenas de introdução a câmera focaliza a sua buceta sendo dividida pelo maiô indecente que ela veste. E em terceiro a R. Mika em cuja em uma das poses de vitória mostra a bunda enorme e dá uns tapas como que convidando os punheteiros.

Obviamente as feministas do mundo inteiro se irritaram com tais exibições de promiscuidade das mulheres do jogo alegando que pré-adolescentes punheteiros não poderiam ser expostos a mulheres virtuais feitas de polígono em poses tão sexuais. A Capcom decidiu então remover as focalizações na buceta da Cammy e na bunda da R. Mika, e só não encolheu as coxas da Chun-Li e nem colocou blusas no Ryu, porque respectivamente vício em bomba de cavalo e homens bombados sem camisa estabelecendo padrões de beleza masculinos não parecem ser importantes ou dignos de protestos. Tal atitude revoltou os nerds onanistas que é o público-alvo principal da franquia, impactando diretamente nas poucas vendas do jogo.

Quanto à Laura Matsuda, embora ela se vista constantemente como prostituta e a câmera não pare de focalizar os seus peitões, nenhuma feminista reclama dela porque a Laura é uma ex-atriz pornô procurando a redenção. O mesmo vale para a Elena (que por sinal nem está nesse jogo), cuja fralda que veste não é relação com algum fetiche, mas sim os trajes de sua cultura natal.