Super Mario All-Stars

Virtualgame.jpg Super Mario All-Stars é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, alguém está exterminando uns Helghast


Cquote1.svg Minha chance de economizar! Cquote2.svg
Pobre sobre comprar o Super Mario All-Stars

Super Mario: Coleção de 4 lixos em 1
Super Mario All Stars.jpg

Mario tirando o coelho da cartola

Informações
Desenvolvedor Nãointendo
Publicador Nãointendo
Ano 1993
Gênero Plataforma/Nostalgia
Plataformas Super Nintendo
Avaliação ??
Idade para jogar 2 anos

Super Mario All-Stars (tiveram que pedir licença à Converse para se usar esse nome) é uma coletânea de jogos daquele encanador bigodudo que possui um incrível fetiche por armários. Lançado em 1993 foi uma brilhante ideia de Shigeru Miyamoto para trazer jogos velhos para os donos de SNES.

DesenvolvimentoEditar

As pessoas chamam Shigeru Miyamoto de gênio visionário, mas existe motivo para isso, porque na época que a indústria dos games ainda engatinhava, em 1993, ele já tinha em mente todas as táticas abusivas de surrupiar o dinheiro de fãs de games. Ele foi a primeira mente a inventar a "remasterização" de jogos ao sugerir que os jogos antigos de Mario do Nintendinho fossem trazidos para o SNES. O objetivo desse remaster era privilegiar todos os saudosistas do Nintendinho ao trazer jogos antigos pelo preço de jogos novos. Com essa tática, Miyamoto trouxe vastos lucros para a Nintendo porque a empresa não precisou nem gerar gastos com a produção do game.

Nessa época de 1993, esses jogos de "4 em 1" eram tudo coisa de pobre, pois o pai fodido na hora de comprar o presentinho do filho acreditava que estava fazendo um bom negócio, afinal eram 4 jogos ao preço de 1 (mais uma sacada genial de Miyamoto) e isso resultou em vastas vendas desse remaster. Super Mario All-Stars alcançou enorme sucesso, vendeu que nem água, poderia ser o jogo mais vendido do encanador se coletânea contasse na contabilização. O game era vendido a 20 dólares, preço que na época lá nos Estados Unidos não paga nem o fast-food, o que justifica o sucesso.

JogabilidadeEditar

A jogabilidade é a mesma do Super Mario World, mas com as fases dos toscos jogos anteriores, não espere nada de original. Em todos os quatro jogos você deve percorrer a tela da esquerda para a direita até encontrar uma bandeira ou mastro de pole dance qualquer, pisando em inimigos cômicos, desviando da água, de baguetes de fogo, peixes míopes, e matar dragões para ouvir que "a princesa está em outro castelo".

JogosEditar

 
Um raríssimo cartucho de Super Mario All-Stars. Antigamente ele custava 20 19,99 dólares. Hoje você pode baixá-lo na Internet em 19,99 segundos.

A coletânea é composta de quatro games (as vezes cinco) que você provavelmente nunca tenha tocado, mas que seu avô jogava e se divertia com eles todas as tardes. São eles:

  • Super Mario Bros. - O bom e velho crássico do "tam-tam-tam/tam-tam-tam/tãm", também conhecido como aquele em que a princesa está em outro castelo. Algumas modificações cruciais foram feitas: o céu não é mais azul-cheguei; o Mario não é mais quadrado e nem ruivo; o Bowser, a Peach e o Toad fizeram cirurgia plástica e agora estão 10 minutos mais jovens; e o erro do mundo negativo foi eliminado. Sabem que eu prefiro o do NES?
  • Super Mario Bros.: The Lost Levels - Foi lançado oficialmente apenas no Japão e destinado ao público geek, pois se lançassem nos EUA seria um fracasso. Nele o Luigi está mais alto e magro que Mario, além disso é possível salvar o jogo e o cogumelo venenoso agora tem rosto. E daí? Agora os jogadoes ocidentais poderiam ter acesso a esse jogo.
  • Doki Doki Panic - As vezes chamado erroneamente de "Super Mario Bros. 2", é aquele jogo em que o jogador deve embarcar em uma vívida aventura cujo objetivo é a coleta de nabos, cenouras e mandiocas. As novidades consistem nos inícios de fases que agora estão coloridos, e também pode-se trocar de personagem entre fases, tanto faz. E a Peach agora levanta o vestido para voar, mostrando a calcinha. Como se sabe, a Nintendo participou apenas na hora de assinar e empacotar o game.
  • Super Mario Bros. 3 - O jogo de maior sucesso entre o público furry, onde Mario deve se vestir de guaxinim, sapo e demais animais escrotos. Não mudou nada, permanece entediante como sempre foi, mas é o melhorzinho jogo da coletânea.
  • Super Mario World - Em algumas versões eles colocaram a versão mais atual (daquela época) do melhor jogo de todos os tempos (segundo apenas os nintendistas), onde se podia fazer masoquismo com o seu Yoshi, explorando diversos mundos e dando porrada no Bowser no final. Nas versões do All-Star que possuíam esse quinto jogo era cobrado o dobro do preço do All-Stars original.

Lançamento para WiiEditar

Usando a desculpa de que estaria ocorrendo o aniversário de 25 anos do Mario, a Nintendo relançou Super Mario All-Stars para o Nintendo Wii com jogabilidade adaptada para o vibrador oficial da Nintendo junto com um CD de musiquinhas da série que qualquer um pode escutar no Youtube. Porém como os jogos do Wii sempre custam os olhos da cara, o remake fez sucesso apenas entre hipsters ricos e precisou receber a tarja de "Player's Choice" 8 anos depois para alguém comprar aquele negócio antigo.

"Continuação"Editar

Em 2020, a Nintendo anunciou o Super Mario 3D All-Stars, que prometia ser uma espécie de nova versão do jogo do Fraco Não-Entendo, para Não-Entendo Mudança e contendo "remakes" dos jogos Super Mario 64, Super Mario Sunshine e Super Mario Galaxy. Lançado ainda em 2020, o jogo logo mostrou não se passar de republicações dos jogos citados anteriormente, sem nada de novo. Propaganda enganosa? SIM!