Abrir menu principal

Desciclopédia β

Superman (série de jogos)

Fantastico!

Este artigo é pra lá de SUPER!
Este artigo fala de algo SUPER, alguém de sobrenome SUPER ou qualquer outra coisa de nível SUPERior.
Nem pense em vandalizar, senão você irá levar uma SUPER SURRA!!

Superome
Megowgsh-176x192 superman.png
Imagem meramente ilustrativa
Gênero Super-heróis
Desenvolvedor DC Comics
Publicador Quem estiver interessado em pagar para a DC
Plataforma de origem Atari 2600
Primeiro lançamento Superman (1979)
Último lançamento Superman Returns (2006)

Superman é o mais famoso super-herói da DC Comics, conhecido aqui na terra da banana como Super-Homem. Porém, este artigo não é sobre o personagem, e sim sobre seus jogos de videogame.

InícioEditar

Considerado um dos personagens fictícios mais famosos de todos os tempos e tendo sua imagem licenciada para a venda de inúmeras bugigangas inúteis, é lógico que não demoraria para que fossem lançados jogos temáticos estrelados pelo Superman. E realmente não demorou: já em 1979, pegando embalo na estreia cinematográfica do herói, a única empresa fabricante de videogames na época lançou o primeiro jogo do mesmo. Com gráficos e jogabilidade mais precários que o sistema de saúde público brasileiro, o joguinho para Atari 2600 conseguiu fazer sucesso, mas apenas porque era impossível produzir algo com uma qualidade melhor naquele tempo, então não existia concorrência e nem opções de comparação.

O segundo jogo foi lançado somente em 1985, pela softhouse desconhecida First Star Software, que inacreditavelmente continua na ativa até hoje. Ao contrário do primeiro jogo, que tinha a história mais clichê e politicamente correta possível, com Superman precisando salvar Lois Lane enquanto enfrenta Lex Luthor e as kryptonitas, este aqui trazia a novidade de poder escolher Darkseid ao invés de Superman como personagem jogável. Ou seja, o jogador tinha a opção de assumir o papel de vilão ao invés de simplesmente encarnar o herói chatonildo. Em termos de gráficos e jogabilidade, porém, continuava a mesma bosta de antes.

Ao longo da década de 1980, mais uma porrada de jogos protagonizados pelo Superman foi lançada, pelas mais diversas empresas. Todo mundo queria tirar uma lasquinha do herói, e a DC estava feliz da vida de tanto que lucrava. A maioria dos jogos oitentistas tinha diferenças mínimas de um para outro e praticamente nenhuma história. Aliás, o próprio Superman era totalmente dispensável para os jogos, podendo ser tranquilamente substituído por qualquer outro personagem aleatório.

ConsagraçãoEditar

Superman finalmente ganhou um jogo prestável e fiel aos quadrinhos em 1994, graças a uma parceria entre a Blizzard e a Sunsoft, que se esforçaram em adaptar o arco de histórias A Morte do Superman e assim fizeram um beat'em up bem legalzinho, que trazia vários outros personagens de apoio além do próprio Superman. Tudo indicava que os jogos seguintes iriam pelo mesmo caminho e ficariam cada vez melhores, mas aconteceu justamente o contrário.

Ao longos dos anos, a franquia novamente foi toda cagada e Superman consagrou-se como um dos maiores fracassos da história dos videogames. Embora seja muito difícil escolher apenas um em meio a tanta porcaria, o jogo Superman 64 é considerado o pior de todos, talvez por ter sido inspirado no desenho animado horroroso produzido por Bruce Timm. Graças a esse lixo produzido para o Nintendo 64, todos os jogos do Superman lançados passaram a ser considerados amaldiçoados, e antes mesmo de saírem oficialmente já recebiam uma enxurrada de críticas dignas de artigo da Desciclopédia.

Desde 2006, não saiu mais nenhum jogo solo do Superman, já que nenhuma produtora quer mais enfiar a mão nesse vespeiro. Porém, o super-herói continua sendo um dos personagens mais populares do mundo, então ele também continua sendo aproveitado em crossovers gamísticos envolvendo todo o resto de heróis do universo da DC Comics, principalmente a Liga da Justiça. A pedido da própria DC, ele já foi até enfiado em franquias nada a ver como Lego e Mortal Kombat, pois a editora recusa-se a aceitar que sua criação de maior sucesso não consegue obter o mesmo êxito nos videogames.

Ver tambémEditar