Abrir menu principal

Desciclopédia β

Arband.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

Symphony X
SymphonyX.jpg
Uma banda de peso.
Origem Disney
País Naziland
Período 1994-
Gênero(s) Boring Progressive Neverending Crazy Symphonic Virjinyty Metal
Gravadora(s) Barulho Records
Integrante(s) Michael Romeo
Russell Allen
Jasão Rola
Michael Pinella
Michael LePond
Ex-integrante(s) Ignorados
Site oficial {{{site}}}

Symphony X é uma banda de peso, particularmente devido ao tamanho do guitarrista e do vocalista, que ao formarem a banda tiveram que convidar músicos bem mais magros para as demais funções, com o risco dos palcos desabarem.

A combinação de diferentes estilos inferiores como música clássica, egípcia, grega, e metal pesado resultou num amontoado de canções aleatórias, cujos temas têm sido incessantemente copiados de grandes obras literárias, devido à falta de criatividade dos membros. Diz a lenda que até Fantasia da Disney já entrou no jogo.

Índice

HistóriaEditar

Hoje em dia o Symphony X é considerado uma banda de Boring Progressive Neverending Crazy Symphonic Power Rangers Metal, formado em Nova Jérsei em miados felinos de 1994 com o objetivo de superar outra banda do mesmo estilo, o Teatro dos Sonhos (Dream Theater para os íntimos ou Drym Fithy para o povão), e que na época de conservatório vivia tirando notas melhores. Além disso, a banda possuía uma peça chave para a realização dos sonhos do Symphony X: Um baterista chamado Michael. Com Mike Portnoy na bateria (também poderia ser o Mike Terrana, mas todos tinham muito medo dele) e talvez Michael Jackson nos vocais, a banda seria composta apenas por integrantes chamados Michael, compondo assim o Michael Five (Há uma homenagem a esta utopia no nome de um dos álbuns da banda, o V).

FormaçãoEditar

Na formação da banda estão Michael Romeo (em português Michel Romeu) nas inúmeras guitarras, Russell Allen (Russian Alien) se esguelando nos vocais, Jason Rullo (Jasão Rola) na Bateria, Michael Pinella (Michel Panela) nos teclados (para ele Keyboards) e Michael LePond (Michel LeBonde) tocando baixo.

DiscografiaEditar

A discografia da Banda também já é um clássico, no sentido de que tem muita música clássica enfiada no meio. Recentemente o Governo Americano tem utilizado algumas das pequenas músicas de seus álbuns (12min no mínimo) para fazer com que alguns sequestradores liberem suas vítimas. São estes os Albúns:


Symphony X (Sinfonia da Xuxa) (1994)

The Damnation Game (Esse é aquele que tem o desenho feio na capa) (1995)

The Divine Wings of Tragedy (Que fala da história de Lúcifer e criação do Inferno) (1997)

Twilight in Olympus (Fala da Grécia, e como seus deuses são sensuais) (1998)

V: The New Mythology Suite (É o disco número 5, só tá em romanos porque tá em romanos!) (2000)

The Odyssey (Em homenagem à mais longa música da banda, com +- meia hora de duração) (2002)

Paradise Lost (Esse eles copiaram da Bíblia... Ou foi daquela banda que tem esse mesmo nome?) (2007)

Iconoclast (Esse álbum fala da época em que as maquinas ficaram bruxonas) (2011)

Underworld (Em colaboração com Nuclear Blast , Romeo se abstêm de toda virgindade e musicas classicas para criar um álbum que pessoas normais curtam, se baseando no inferno dantesco)

Álbum de Carnaval

O FuturoEditar

Depois de ficarem enrolando uns 3 ano pra lançar o ultimo álbum (Iconoclast), Russel Allen com suas frescuras abriu outra banda, Adrenaline Mob, onde está fazendo shows e esqueceu de fazer um novo álbum a 4 anos, deixando seus amigos Michael Romeo engordando e comendo gatinhos, Jasão Rola tendo problemas de coração, e Pinella coçando saco no seu teclado (keyboard para ele).