Abrir menu principal

Desciclopédia β

Teatro dos Vampiros

Vampire-picture-hot.jpg Este artigo é vampiresco!

Teatro dos Vampiros não gosta de alho, dorme de dia num caixão, sabe virar moguerço e tá de olho na tua jugular! Se você vandalizar, Willian Waack vai chupar seu sangue!

Retardado.jpg GEISAAAAAAAA, algum usuário bateu a cabeça!

Agora tá na Desciclopédia escrevendo merda sem sentido!
Traz a arma de choque!

Mongol.jpg


O que acontece quando você vai pro teatro dos vampiros.

Teatro dos Vampiros é uma música do Legião Urbana que é uma fantasia, um devaneio, um sonho de uma noite de verão do Renato Russo, haja vista que a porra da música não tem nada a ver com vampiros. Nem com teatros. Nem com nada a ver com nada. Na boa, nem esse artigo tem a ver com nada. Talvez nem com a música. Alguém me ajude, estou ficando doido.

História e interpretaçãoEditar

Essa música retrata a história de dois grandes amigos (Capitão Nascimento e Rambo) enquanto estavam no curso de formação para Soldados Universais Invencíveis (SUNI). Foi um momento de emisse terrível do Capitão, em que ele se revelou por completo (não leve isso por trás, por favor!).

OBS: Sim, o Nascimento teve um momento de emisse, isso não o faz menos caveira. Atire a primeira pedra quem nunca fez isso (eu).

OBS²: Se depois disso duvidares da masculinidade do Nascimento, você é um homem morto!

Vamos lá:

Sempre precisei de um pouco de atenção ♪

(Nascimento, jovem novato no curso cheio de incertezas)

Acho que não sei quem sou, só sei do que não gosto ♪

(Nascimento, em dúvida sobre si mesmo afirmando para Rambo que não gosta de traficante, bandido, fanfarrão e etc)

E destes dias tão estranhos, fica a poeira se escondendo pelos cantos ♪

(Critica franca de Nascimento as condições do ambiente de treino, culpa dos estagiários).

Esse é o nosso mundo: O que é demais nunca é o bastante ♪

(Rambo decide desabafar e critica os produtores de cinema que não se cansam de pedir pra ele gravar a maldita continuação depois do Rambo I, II, III, IV, V, VI, VII, Rambo no Rio de Janeiro, Rambo ensina a cozinhar, Rambo e Pelé, Rambo dá dinheiro pra caralho, etc.)

E a primeira vez é sempre a última chance. Ninguém vê onde chegamos: Os assassinos estão livres, nós não estamos ♪

(Rambo lembrando-se de Van Damme em crise por falta de mulheres nos filmes dele)

Vamos sair - mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão procurando emprego ♪

(Enquanto isso Rambo fica em Camboja fumando ópio e rindo deles)

Voltamos a viver como há dez anos atrás
E a cada hora que passa
Envelhecemos dez semanas

(PQP, mas que conversa longa)

Vamos lá, tudo bem
Eu só quero se divertir ♪

(Nascimento resigna-se e tenta ver tudo como normal)

Esquecer e nessa noite ter um lugar legal pra ir ♪

(coisa que se você estiver lendo isso agora nunca arranja, nem nos sábados)

Já entregamos o alvo e a artilharia ♪

(desistiu do curso e foi pro Bofe, ops, BOTE)

Comparamos nossas vidas Esperamos que um dia Nossas vidas possam se encontrar ♪

(O resto da música não vou detalhar porque essa conversa está me deixando emo demais, eeeeeeemo demais, eeeeeeeeeeeemo demais...)


  Esse artigo é sobre a filosofia Renato Russiana!
E deve estar cheia de coisas que nem os outros membros da Legião Urbana conseguiam entender...
Faroeste Caboclo - Há Tempos - Metal Contra as Nuvens - Teatro dos Vampiros - Pais e Filhos - Tempo Perdido - "Índios" - Geração Coca-Cola - Eduardo e Mônica