Teorema do ganho e da perda

Addition Table.svg Este artigo é relacionado à matemática.

Caso não entenda nada, desista logo e integre tudo para Deus, pois dele tudo deriva.

2qjx1rl.gif "Não, cê é burro cara, que loucura..."

Este artigo é sobre algo ou alguém burro ou completamente imbecil.

E acredita na imparcialidade jornalística da Rede Globo.


Exemplo de alguém que ganhou, mas perdeu.

O teorema do ganho e da perda é um dos teoremas mais bem elaborados feitos pela matemática árabe naturalizada brasileira e vencedora do Nobel Dilmah Russiff. Em sua formulação, o teorema foi de tamanha suma importância que até hoje define situações reais da vida, em especial dos brasileiros, que costumeiramente até quando ganham algo perdem rapidinho.

O teorema ficou tão marcante que pode ser encontrado em sites de coletâneas de frases de filósofos importantíssimos, mostrando o quão impactante essa revelação foi para a sociedade.

Em que consiste o raciocínio ilógico?Editar

Apesar de ser baseado numa premissa de achismo (ou de não-achismo, já que na realidade a postulante informa que "não acha" e não que acha), o raciocínio é bem determinativo. Baseia-se nos seguintes pontos: Em primeiro lugar, deve se observar que quem ganhar ou quem perder, a seguir realizar uma dupla negação do raciocínio que originalmente já era um raciocínio de tese e antítese binária dicotômica ou coisa parecida ("NEM quem ganhar ou quem perder"), aposteriori afirmar a conclusão da dupla negação com uma constatação de que no final nenhum vai ganhar ou perder, e pra finalizar, concluir que todos vão perder. Embora vá frontalmente contra tudo informado anteriormente, não estamos ante uma premissa falsa, um paradoxo ou um argumentum ad ignorantiam, e sim uma premissa real, verdadeira e inquestionável, plenamente aplicável em situações como essa:

>Diogo não estuda nada e João estuda pra burro pra prova;
>Diogo cola a prova inteira de João e sai feliz: se João terminou a prova, logo ele sabia tudo e ele pode passar sem estudar nada;
>Diogo tira zero na prova. Motivo: João também tirou zero porque é burro e não entendera nada do que tinha estudado.

Conclusão: Quem entregou logo a prova e quem não entregou, nem quem entregou ou não entregou vai ganhar ou perder ponto. Vai todo mundo reprovar.

Vídeo dessa descoberta impressionanteEditar

Também há nesse vídeo um outro teorema genial de algum (infelizmente) anônimo, esse senhor também merecia um Nobel, de literatura nesse caso...

v d e h
Mitologia Política Brasileira, suas lendas, seres e outros negócios fantásticos
31 de junho31 de novembro30% de 100 igual a 3,5300 de BrasíliaAbraço BolivianoAerococaAerotrem do Levy FidelixAmeaça ComunistaAmigo dono do triplexAnões do OrçamentoBalbúrdiaBarão HomofóbicoBoi bombeiroBolinha de papel que atingiu o José SerraBolsolulaCarlos Magno e os 12 Cavaleiros da Távola RedondaCasa da DindaCercadinho do AlvoradaCloroquinaComércio sem viés ideológicoCristofobiaDemônio que possuiu Temer no discurso de posseDieta do Supremo Tribunal FederalDólares de cuecaEstocagem de ventoFiat ElbaFigura oculta de um cachorroForças ocultasFraquejadaGabinete do ódioGolden ShowerGuardiões do CrivellaHelicocaHistórico de atletaHonoris quaseImpunidade do PSDBJesus na goiabeiraKit gayMarajásMenos com menos igual a 10MosquitaMulher sapiensNióbioNuvem LulaPato da FIESPPavão MisteriosoPolítico honestoPolítico work-alcoólicoPrincípio da meta aberta dobradaPrivatização de cu de curiosoProfecia da vitória do Cabo Daciolo no primeiro turnoPTinderPTSDBRepública de CuritibaSanguessugas do CongressoSaudação à mandiocaSexualidade do azul e do rosaTeorema do ganho e da perdaURSALValeriodutoVaza-JatoZelite