Abrir menu principal

Desciclopédia β

Nuvola apps atlantik.png Coloque mais dados aqui. The Corrs merece!

Aqui poderiam estar mais dados relevantes ao invés dessa merda.
Esclareça os fatos, melhore a redação e assim salve uma alma do purgatório.
Seja útil uma vez na vida e contribua para este artigo ou seção melhorar: edite-a

21892694.jpg EIRINN GO BRACH!

Este artigo é irlandês. Ele mora no fim do Arco-Íris, resistiu aos vikings e aguenta chuva o ano inteiro. O autor é um católico fanático que fala galês misturado com inglês e bebe cerveja até desmaiar.

The Corrs
The Corrs.jpg
Teste de masculinidade: Você consegue ver algum homem nessa foto? Se você é macho mesmo, deve estar imaginando o que está por debaixo da roupa delas, ou já foi ao banheiro tomar um "banho demorado". Se você conseguiu enxergar, tem alguma coisa errada com você.
Origem {{{origem}}}
País Irlanda Flag of Ireland.png
Período 1990 - atualmente
Gênero(s) Bruxaria celta
Gravadora(s) {{{gravadora}}}
Integrante(s) Andrea Corr
Caroline Corr
Sharon Corr
Desconhecido Corr
Ex-integrante(s) {{{exintegrantes}}}
Site oficial {{{site}}}

Cquote1.png Você quis dizer: Josie e as Gatinhas Cquote2.png
Google sobre The Corrs
Cquote1.png Não sei quem é Andrea. Se for a vocalista, eu com certeza chamo para sair. Se for a violinista ou a baterista, talvez. Se for o tal de guitarrista que dizem que existe, nem olhe para a minha cara. Cquote2.png
Ali G sobre Andrea Corr
The Corrs é uma grupo pagão irlandês formado por três irmãs irlandesas (eu sei o que a sua mente poluída está pensando). Dizem que tem um irmão e que toca guitarra na banda, mas até agora nunca foi visto (exceto pelas mulheres e gays, ou seja, ninguém).

Índice

HistóriaEditar

Nascidas da raiz de uma árvore mágica, num convento pagão irlandês, as três irmãs foram obrigadas a aprender a tocar piano, violino e punheta para o coral da igreja de bruxaria maçônica em Dublin. Com o tempo, aprenderam a enfeitiçar os homens com suas músicas de bruxaria celta (claro que se você é homem, provavelmente não conseguiu ler essa parte). Logo, a fama dos poderes hipnóticos das três irmãs chegou aos ouvidos da feiticeira iluminati Celine Dion, que as sequestrou, obrigando-as a compor e a tocar a maior lavagem cerebral já vista na história da música: o solo de flauta de My heart Will Go On (a música do Titanic) para concretizar o seu plano de dominação mundial e escravização em massa. Entretanto, o plano não funcionou porque todas as pessoas que foram assistir ao filme, e se interessaram por ele a ponto de não dormir até o momento da música tema enfeitiçada tocar, ou eram viadinhos enrustidos ou gordas virgens de 13 anos (ambos os casos tinham tesão no Leonardo Di Caprio) e portanto imunes aos encantos das irmãs. Como forma de castigo pelo seu fracasso, as Corrs, que são a reencarnação das Nornas, condenaram Celine a viver eternamente no esquecimento e a ser uma sombra do seu próprio passado de fama e sucesso.

Carreira InternacionalEditar

Ao sugar toda a essência de vida e fama de sua raptora e dividi-las entre si, as irmãs Corr puderam alavancar o seu trabalho e divulgar a sua música profana por toda a face da Terra. Entretanto, elas não queriam a dominação global e usaram a sua magia musical com o objetivo mais nobre que se pode ter: enfeitiçar quantas criaturas pudessem para conseguir sexo fácil e selvagem em uma escala mundial (o Tinder ainda não existia na época). Infelizmente Celine Dion estava no fim de carreira e as irmãs só conseguiram absorver a sua decadência. Por esse motivo, quase ninguém as conhece e o artigo na Desciclopedia sobre a banda só foi produzido quase trinta anos após o surgimento da banda (e provavelmente ninguém irá lê-lo). Apesar da falta de notoriedade, The Corrs, juntamente com The Cranberries, Bono Vox e trevos de quatro folhas são a única contribuição da Irlanda para a cultura mundial, pois esse povo é bêbado demais para produzir algo além de comas alcoólicos e conflitos separatistas.

Lista (limitadíssima) de pessoas e seres mitológicos seduzidos pelas CorrEditar

  Por favor, alguém arrume este pobre artigo segundo as diretrizes estabelecidas no livro de estilo antes que alguém infarte lendo esse artigo mal formatado...
AVISO: NÃO REMOVA ISSO ANTES DE TER CERTEZA ABSOLUTA QUE O ARTIGO JÁ FOI COMPLETAMENTE "WIKIFICADO", SENÃO VOCÊ PODERÁ SOFRER AS CONSEQUÊNCIAS!
Dica: não sabe como wikificar um artigo? Então leia AGORA o nosso Tutorial Wiki! Ou peça ajuda para os usuários mais experientes...

Bono VoxEditar

Conterrâneo Celta das Corrs e líder da banda U2, foi enfeitiçado com daltonismo e/ou esquizofernia e passou a ver estrelas azuis. Fez uma música sobre isso e a apresentou com as irmãs em um estádio cheio de irlandeses bêbados. Ninguém se importou com isso, pois só foram lá para ver o jogo dos Celtics.

Alejandro SanzEditar

Após uma noite de orgia com as irmãs, esse cantor latino dos anos 90 com o qual ninguém se importa ou se lembra, homenageou o ménage com uma canção de título Una Noche.

Jayme MonjardimEditar

O diretor de novelas globais de gosto duvidoso e qualidade questionável fez questão de enfiar as músicas da banda em suas trilhas sonoras patéticas, sempre como temas de personagens irrelevantes como:

Long NightEditar

Tema de Nalva em Senhora do Destino;

BreathlessEditar

Tema de Bionda em Uga Uga;

No good for meEditar

Tema de locação (sim isso existe) de Páginas da Vida, música que passava quando a novela mostrava cenas de pós adolescentes maconheiros em barcos em Amsterdã.

Luciana Andrade ou a loirinha que traiu o RougeEditar

Sem criatividade para compor suas próprias músicas (assim como o resto do grupo), Luciana plagiou a música Runaway, do primeiro álbum da banda. Entretanto o produtor Rick Bonadio se recusou a usá-la como single, porque ela tinha a capacidade de ser muito pior do que as outras músicas do álbum. Revoltada, Lu deixou o grupo, decretando assim a sua falência.

FanaticorrsEditar

O único fã clube da banda, por mais incrível que possa parecer, é brasileiro (igual a praticamente tudo que não presta). É basicamente composto de uma ou duas dúzias de um tipo bem específico de nerd que se assemelham a otakus que, ao invés de cultuar animes e mangás, se acham os especialistas em música clássica por sentirem prazer em pegar na vara do violino. Cultuam Sebastian Bach, embora nunca tenham ouvido uma peça completa dele e pensam que são melhores que os outros por saberem a diferença ente rapisódia e serenata.

IntegrantesEditar

 
Andrea prestes a comer o microfone.

Andrea CorrEditar

  Dom dom dom, dom dom dom A novinha é experiente já nasceu com esse dom.  
MC Pedrinho sobre Andrea Corr
A vocalista da banda. Contribui utilizando seus talentos orais e demonstra suas habilidades colocando todo tipo de instrumento na boca, soprando e fazendo sua mágica.

Sharon CorrEditar

  Mulher de amigo meu pra mim é violino: Eu viro a cara e meto a vara  
Caju & Castanha sobre Sharon Corr
A violinista da banda: Pega na vara para tocar o seu instrumento. Extremamente rápida e ágil, consegue tirar até leite de pedra com as mãos.

Caroline CorrEditar

  Rainha do tamborzão, rainha do tamborzão, rainha do tamborzão, olha só o que ela faz com o tambor  
MC Koringa sobre Caroline Corr
A percussionista da banda: toca como ninguém.

CríticasEditar

  Nossa, sobre a música delas... como elas são bonitas! Só faltava um guitarrista. Nota 10!  
Crítico macho da Rolling Stone
  Tão ruim quanto a Britney Spears.  
Crítico gay (Simon Cowell)
  A banda só vende porque as irmãs são bonitas.  
Crítica de uma mulher com inveja