KOF: Maximum Impact

Virtualgame.jpg KOF: Maximum Impact é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, uns metroids chupam a Samus.


Cquote1.svg Não tem o Rugal, esse jogo é um lixo Cquote2.svg
Fã incondicional de The King of Fighters
Cquote1.svg Essa bosta não é KOF. Pode chamar de qualquer outra coisa esse game aí Cquote2.svg
Kofeiro sobre KOF: Maximum Impact

KOF Cof Cof Impacto Mínimo
KOF Maximum Impact cover.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Fazendo Nariz
Publicador SNK
Ano 2004
Gênero porradaria
Plataformas PlayStation 2
Avaliação A mesma nota de sempre
Idade para jogar Livre

KOF: Maximum Impact é o vigésimo quarto jogo da famosa série[carece de fontes] The King of Fighters e o primeiro que é oficialmente chamado de "KOF" e não de "Tequingui" como o habitual. É também o vigésimo quinto jogo da série que não possui história interessante, apenas a velha porrada de sempre numa jogabilidade truncada e esquisita.

A grande novidade deste título é o visual inteiramente em 3D, todavia, tudo continua a mesma bosta, Terry continua um retardado, Iori e Kyo continuam os mesmos viados, ninguém ainda escolhe o Maxima, a Yuri Sakazaki continua cada vez mais tentando copiar a Sakura do Street, o Rock Howard continua um playsson, a Athena Asamiya trocou de roupa de novo e a Mai Shiranui continua a mesma putona vadia sem sutiã de sempre.

DesenvolvimentoEditar

 
Mai Shiranui precisando derrotar uma vadia novata (Lien Neuville) para manter o posto de putona máxima da série The King of Fighters.

Da mesma forma que a Capcom arriscou com o seu Street Fighter EX, em 2004 a SNK decidiu arriscar também lançando a sua versão de jogo de luta em 3D sem qualquer preparo ou esmero. O jogo foi lançado às pressas para servir de tampão emergencial sobre a inexistência do The King of Fighters 2004, e essa pressa em criar um jogo de qualquer jeito explica ele ser altamente bugado, travado, porco e tosco. O produto final provou-se tão vergonhoso que a SNK passou os créditos dessa porcaria para outra empresa aleatória qualquer, a Noise Factory, eximindo-se de estar fazendo essa porcaria.

JogabilidadeEditar

Se Bloody Roar é tosco, KOF: Maximum Impact conseguiu a façanha de ser ainda pior, o jogo tenta ser um Tekken com especiais de Virtua Fighter e termina sendo apenas um jogo altamente escroto. Jogar KOF: Maximum Impact é um verdadeiro teste de paciência e resistência ao jogador, afinal todos personagens parecem que tomaram sonífero e estão letárgicos. Se caem no chão então, ficam 2 minutos dormindo antes de conseguir levantar pra prosseguir a luta.

EnredoEditar

Alba Meira e Soiree Meira são os irmãos protagonistas dessa história paralela que continua Fatal Fury e Art of Fighting. Um vilão genérico qualquer mataram o pai adotivo desses dois irmãos e o último pedido do velho moribundo foi desejar que seus filhos deixassem de ser viados como quase todo personagem da SNK e procurassem ser mais macho, de preferência indo comer alguma gostosa. É assim que Alba e Soiree se aproximam de uma ex-atriz pornô e prostituta de luxo chamada Lien a quem tentam comer. Mas o cafetão da mulher, um velho chamado Hyena, diz que só vai ceder as outas de Southtown para quem vencer o novo torneio de luta.

PersonagensEditar

Como o jogo precisou ser desenvolvido às pressas, foi possível concluir o design de apenas 20 personagens, sendo a maioria velhos conhecidos. Todo personagem vem com uma roupa clássica e uma versão seminua (exceto a Mai Shiranui que possui uma versão clássica seminua e a versão alternativa vestida).

ConhecidosEditar

  • Kyo Kusanagi - Quase não tem mais seus velhos golpes pirotécnicos.
  • Iori Yagami - Poucos de seus golpes soltam a clássica purpurina roxa, mas ele continua gritando igual um viadão ativo.
  • Leona Heidern - Trouxe ataques que cortam especiais.
  • Terry Bogard - Trouxe golpes que destroem as leis da física e algumas cidades.
  • K' - Playboyzinho de merda, só que mais legal.
  • Maxima - Amigo de infância do K', e Space Marine Terminator nas horas vagas.
  • Seth - Negão que era apelão só de Striker, está nesse jogo de Zangief.
  • Mai Shiranui - Talvez o único motivo real desse jogo precisar existir, para comprovar que já era possível fazer uma Mai gostosa em 3D.
  • Rock Howard - Foi incluído no jogo por nepotismo.
  • Ryo Sakazaki - Continua um retardado genérico.
  • Yuri Sakazaki - Continua atacando com a bunda e sonha ser a Sakura do Street Fighter (apesar de ter surgido antes).
  • Ralf Jones - Que até hoje não comeu a Leona.
  • Clark Still - Ainda Bate uma pra Leona.
  • Athena Asamiya - Finalmente se livrou do retardado do Kensou.

EstreantesEditar

  • Alba Meira - Só um playsson sem graça que solta ataques de vento.
  • Soiree Meira - outro playsson, mas com ataques de raios (que original SNK).
  • Chae Lim - Versão alternativa do Kim após castração para melhor utilização da técnica Ai Meu Saco.
  • Mignon Beart - Outra patricinha mimada, porque não bastava a Athena.
  • Lien Neville - Uma nova puta com carisma similar a porta que para chamar alguma atenção precisa apelar para seus 800 ml de silicone em cada seio e cada nádega. Mente por aí dizendo que trabalha para CIA, mas é óbvio que ela é só uma ex-atriz pornô. Como o criador do jogo é viado, fez questão de tornar Lien a pior personagem do jogo (se ela fosse uma boa lutadora disputaria pau-a-pau com Mai).
  • Duke Só mais um manezão sem carisma, considerado o mais fácil dentre todos os chefes de The King of Fighters.

RecepçãoEditar

O jogo foi altamente odiado pelos fãs e aceito por muitos kofeiros como o pior KOF de todos os tempos junto até mesmo de King of Fighters R-1. O argumento é que o jogo era qualquer coisa menos KOF, pois tinha nenhum mínimo traço de coisas que kofeiros gostam, que são pelo menos mais de 50 personagens genéricos, muito desbalanceamento e possibilidades de combos infinitos. Os gráficos do jogo são outra cagada mal lavada que desagradou, parecendo jogo antigo de PS1.

O fracasso do jogo foi tanto que ele foi retirado de linha e prontamente substituído por KOF: Maximum Impact 2.