Abrir menu principal

Desciclopédia β

The Legend of Zelda: The Wind Waker

Virtualgame.jpg The Legend of Zelda: The Wind Waker é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, uns metroids chupam a Samus.


The Legend of Zelda: Wind Walker
Zelda Wind Waker capa.png

Capa

Informações
Desenvolvedor Não-intendo
Publicador Não-intendo
Ano 2002
Gênero Destruição de um clássico aclamado
Plataformas Gamecube/Emulador
Avaliação 10 (para os emos)
Idade para jogar 6+, se você for emo

Cquote1.png Você quis dizer: Desenhos que até uma criança de 5 anos poderia fazer Cquote2.png
Google sobre The Legend of Zelda: The Wind Waker
Cquote1.png Legal essa camisa azul com desenho de lagosta. Cquote2.png
Estilista sobre The Legend of Zelda: Wind Waker

The Legend of Zelda: Wind Waker é um jogo infanto-juvenil da série The Legend of Zelda, uma obra prima que ganhou diversos prêmios, especialmente aquele de ser o jogo mais odiado de toda a série. Em 2002, no auge da gripe aviária, muitos designers da Nintendo ficaram bastante doentes e incapacitados de trabalhar adequadamente, então Shigeru Miyamoto fez uma parceria com o criador do desenho Meninas Super Poderosas para ser o designer desse novo jogo do Zelda, dando a desculpa que estava tentando ser inovador, mas claramente só procurando arruinar toda uma franquia.

O que definitivamente mais chamou atenção foram os gráficos totalmente em cel shitting, a mesma técnica utilizada para desenhar as Meninas Super Poderosas, dessa forma as explosões ficam parecendo tufos de algodão doce e a água fica parecendo papel-alumínio, pois Shigeru Miyamoto tentou compensar a história ruim e jogabilidade fácil com um gráfico tosco, o que ficou bem evidente quando deu a declaração: "Se este jogo vai ser uma merda mesmo, ele precisa ir até o fim!". No final o gráfico ficou bom, só que apenas para emos, gurias retardadas e garotinhos de 9 anos.

Quanto à banda favorita de Shigeru Miyamoto, ela se recusou a tocar nesse Zelda tosco para crianças menores de 8 anos, então foi preciso reciclar as músicas antigas dos outros Zeldas, e assim continuar a mesma coisa de sempre...

Índice

DesenvolvimentoEditar

   
Prefeito de Townsville jogando The Legend of Zelda: Wind Waker

Tudo começou quando Shigeru Myiamoto resolveu ir no banheiro soltar um barro... Depois que ele acabou e olhou aquele merda toda logo pensou "Preciso fazer um novo Zelda". Foi assim que houve inspiração para tal jogo e por isso Myiamoto procurou ferrenhamente destruir a franquia de fazer, indo cagar a história do Link, pois agora ele é um surfista com cérebro faltando que tem uma irmã que é uma guria retardada e uma avó que gosta de vestir o neto de duende para os outros habitantes da ilha riam dele. Também modificaram por completo a história da princesa Zelda, pois parece que todos se cansaram da clássica Zelda patricinha raptada, então a partir de agora ela é uma pirata que anda num navio escroto e que gosta de roubar bombas de uma única e exclusiva loja de bombas. No jogo você tem que salvar sua irmã e a Zelda (pra variar), Ganondorf ainda quer dominar o mundo sem nenhum motivo aparente - isto mostra a criativa da Nintendo, eles mudam a história dos personagens mas o objetivo sempre é o mesmo. Afinal os fãs não gostam de objetivos novos, eles querem algo que estão familiarizados.

PersonagensEditar

  • Link - Cansado de viver em florestas, ele se muda para o Hawaii e vira um surfista que não faz porra nenhuma da vida, tanto que na introdução do jogo está na pura vadiagem. Acaba que ele resolve se vestir de duende para salvar sua irmã e depois salvar o mundo. A parte de vestir-se de duende não fica claro o porque, deve ser só para ficar mais fashion!
  • Tetra/Zelda - Cansada de viver em castelos medievais e ser sequestrada por vilões, ela foge com uns piratas a procura de algo a mais... Mas de nada adiantou ser pirata já que ela é capturada pelo Ganondorf do mesmo jeito e Link tem que salvá-la novamente.
  • Barco - O jogo não se contentou em apenas com um enredo sem o menor sentido. O jogo fez questão de não fazer coerência alguma em tudo, e esse barco é a prova disso! Um barco a vela de madeira com uma cabeça de leão chinês que fala, o King of Red Lions. Ele aparece misteriosamente, uma desculpa por não terem achado um lugar para colocá-lo na história, mas afinal ele não se encaixaria em lugar nenhum. Não satisfeita a Nintendo, no final do jogo, ainda transforma o barco no rei de Hyrule (então o pai da Tetra é um barco de madeira).
  • Ganondorf - Continua insistindo em seu plano escroto de dominar o mundo, a única diferença é que agora com os gráficos novos ele ficou parecendo um emo precisando de uma plástica de nariz.

JogabilidadeEditar

 
Eis nosso grande herói mostrando toda a sua coragem numa performance de alto nível de capacidade física e inteligência.

Igual a todo Zelda de console, só que agora para você gastar mais dinheiro já que eles te obrigam a comprar um Game Boy Advance e um cabo pra ligar ao Gamecube para você ter 100% acesso ao jogo. Como o público-alvo são crianças de 5 a 9 anos de idade, o jogo não foca em dificuldade, o que desencorajaria o seu público, então de longe é o Zelda mais fácil de todos os tempos, existem até caldeirões de quick travel dentro das dungeons, só um idiota não supera esse jogo e os inimigos retardados.

Esse Zelda é um simulador de vadiagem, portanto quanto mais vagabundo, desocupado e desempregado for o Link, maior será seu status e as recompensas. Para manter o status de vagabundagem bem alto é necessário navegar nos oceanos por horas, fazendo absolutamente porra nenhuma, navegando e navegando pelas Ilhas Marshall. O mar é gigantesco, tão grande que leva aproximadamente 60 horas para navegá-lo de cima a baixo, garantindo muitas horas de vadiagem ao Link.

Quanto à rotina no jogo, a jogabilidade não mudou muito em relação aos títulos anteriores, você basicamente entra em algumas dungeons, mata monstros com sua espada de papel, resolve enigmas usando os objetos que você obteve e finalmente derrota o chefe final, batendo em um olho ou alguma outra parte do corpo que esteja reluzindo em vermelho ou amarelo até morrer. Este tipo de jogabilidade é usada em absolutamente todos os jogos Zelda e é tão comum que até sua mãe e seu cão poderiam descrevê-lo. De novo em termos de luta é que agora o cenário fica completamente poluído repleto de armas secundárias deixadas pelos inimigos, como peixeiras, lanças, facões, palitos de dente e uma grande variedade de itens que são sempr epiores que a sua espadinha padrão. Estão ali pra fazer número.

Se tem alguma inovação é a possibilidade de conectar seu GBA no GameCube para interagir com o Tingle ... obviamente apenas os fanboys mais degenerados da série ousaram usar esse mecanismo.

Se navegar ou conversar com o Tingle não são da sua preferência, então você vai apreciar a missão onde você deve assumir seu lado paparazzi e fotografar cada um dos personagens do jogo, preferencialmente durante atos obscenos. Tenha em mente que sua câmera antiquada tem espaço para apenas três fotos enquanto há uns 300 personagens a serem fotografados, então divirta-se tentando fotografar todos. Essas fotografias são convertidas em estátuas por um cara que tem muito tempo livre e não irá cobrar nada por seus serviços.

ItensEditar

  • Espada - Algo que não poderia faltar no Zelda. A diferença é que em Wind Waker, devido ao fato de ser um jogo para emos, a espada é feita de papel. Mas não subestime, cortes de papel são terríveis.
  • Escudo - Zelda sem escudo é a mesma coisa que Zelda Link sem aquela roupinha verde.
  • Bomba - Depois do sucesso que foi o Bomberman, a Nintendo não deixou faltar bombas nos jogos da série The Legend of Zelda. Mesmo que não faça nenhuma coerência com a história e com a época.
  • Maquina fotográfica - Isso sim é o exemplo de jogabilidade. O problema é que a Nintendo ignorou a época em que o Link vive, onde não há sinais de tecnologia do século XX, mas ninguém se importa mesmo.
  • Wind Waker - Uma varinha de mágica para enfiar no cu de um orquestra e que dá nome ao jogo, serve para a mesma coisa que uma ocarina, apenas que a Nintendo resolveu mudar só para tentar parecer mais original.
  • Arco e Flecha - Todo Zelda tem, e não poderia ser diferente em Wind Waker, dá pra passar macumba nas flechas e atirar flechas mágicas caos necessário.
  • Hookshot - Uma bosta que serve pra grudar no alvo, não serve pra nada, mas quem liga?
  • Deku Leaf - Uma enorme folha de maconha multiuso, em combate serve para soltar uma rajada de vento com cheiro de maconha que atordoa os inimigos. Mas seu principal uso é ser cheirada pelo próprio Link, que fica alto e consegue assim planar.

EnredoEditar

Outset IslandEditar

 
Link esfregando as partes íntimas de um porco na cabeça enquanto um pobre menino catarrento observa essa depravação.

O jogo começa com Link ali fazendo o que sabe fazer de melhor, vadiar e vagabundear. O jogo é um simulador de vagabundagem, então Link está dormindo no meio da rua como se fosse um mendigo. Ele acaba sendo acordado por Aryll, que apesar do nome de Pokémon é só sua irmãzinha chata pra caralho, que apareceu ali para lembrar que hoje é o aniversário de Link, já que ele é tão burro que não poderia se lembrar sozinho e por isso Link deve ir falar com sua avó, a quem o cria com leite ovomaltine com pera cortadinha, afinal Link é um especialista em vagabundo, então é óbvio que ainda moraria com a avó e não teria emprego. A família vive numa casa de madeira ridiculamente pequena, como quase todas as outras.

O aniversário é um lixo, afinal Link está se dedicando para ser o mais vagabundo possível, explorando a boa vontade de sua avó, que fala sem parar e depois entrega o presente de aniversário para o neto: Umas cuecas, meias e uma fantasia de duende. Além disso Link ainda ganha um cupom de desconto grátis nas aulas de espada da ilha, ele é realmente um netinho muito bem mimado pela vovó.

O curso de como vandalizar, ministrado por um ex-black-bloc, está localizado bem próximo à casa da avó do Link (uma que tem um velhinho gagá sentado no segundo andar), o mestre do local é o Orca (não é uma baleia apesar do nome) e é ele quem ensinará os movimentos imprescindíveis para Link, como rolar (Link é tão burro e vagabundo que precisam ensiná-lo até a rolar), mas só ensinou isso para que Link role contra a parede e derrube alguns vasos para ouvir uma série de palavrões vinda do segundo andar. O objetivo desse treinamento na verdade era sacanear o velho do andar de cima.

É ali que Link aprende a usar a espada, seguindo as instruções do velho. O velhote guarda uma prateleira em que há uma espécie de pulseira (Emo's Crest), mas Orca só revelará para o que aquela porra serve somente se você conseguir 18655567 delas... Outro desocupado que Link vai encher o saco é um velho cabeçudo chamado Sturgeon, quando um barulho derruba todos os vasos das prateleira, deixando ele muito puto, mas já ensinando Link como melhor irritar as pessoas de bem nesse jogo, quebrando seus vasos sempre que surgir a oportunidades. Os papéis pendurados na parede são somente tutoriais sobre o básico do jogo, tudo um bando de inutilidade que você sabe mesmo sem ler o manual.

Então Link se encontra com a irmãzinha Aryll, e como presente de aniversário ela deixará com Link o seu bem mais precioso. Puta merda, o bem mais preciso da garota é uma luneta, isso mesmo uma luneta! Mas como Link está fazendo curso de vagabundo, ele até que curte o novo item e decide praticar um pouco de voyeurismo, olhando de longe a intimidade dos demais habitantes de sua ilha natal, até o momento em que Link olha para o céu e avista uma galinha alada gigante, voando e carregando uma prostituta em sua pata, que mais tarde usaria como refeição, mas logo a galinha toma um Head Shot certeiro de tiro de canhão e deixa a puta cair na floresta. Aryll, que nunca viu uma puta de verdade na vida, fica curiosa, e incentiva Link a ir resgatar essa misteriosa moça, recomendando também que Link precisa de algo para descer o pau nos bichos hostis que vivem na floresta onde a indefesa puta caiu, por isso Link vai comprar uma espadinha chulé do Orca, após aprender todas as inúteis técnicas iniciais (o jogo tem uma certa mania de te tratar como um n00b imbecil de 7 anos de idade e fica prolongando esse prólogo-tutorial).

Agora Link parte para salvar a Zelda, sim a puta vestida de pirata era a Zelda, toma esse spoiler na cara vacilão! É que na boate onde ela estava trabalhando era dia de stripper temático, mas aí apareceu aquela galinha voadora e a raptou (a Zelda sempre teve fetiche sobre essas coisas de ser sequestrada). Link sobe a montanha e entra numa floresta para descer o pau numa ninhada de gelatinas sabor raspadinha de limão siciliano, se você morrer para esses bichinhos inúteis é porque você é muito ruim e deve parar de jogar esse jogo imediatamente, você não vai conseguir mais fazer nada nele!

Mas quando Link resgata a Zelda, aquela galinha louca gigante reaparece e sequestra é a sua irmã. Como Link nesse jogo está fazendo curso de vagabundo e não de heroísmo, ele fica todo deprimido com o o ocorrido e decide pular de um penhasco para se matar. Mas a Zelda segura o paspalhão e não o deixa se matar assim tão lamentavelmente, e diz que pode ajudar.

Conversando com Zelda (vulgo Tetra), ela diz que Link não pode ir com ela no navio pois já tem macho demais lá e ela não vai dar conta de mais um, mas logo um carteiro papagaio louco aparece e intervém a favor de Link, explicando que ele tem pênis de duende, pequeno e com ejaculação precoce, e que portanto não será incômodo para Tetra, que aceita dar uma carona a Link se ele arrumar um escudo, mesmo que seja um feito de papelão (o que foi o caso), pois o mimado do Link, que explora a avó até não poder mais, também pediu para ela comprar um escudo no eBay, enganando-a que seria para servir de bandeja para levar seu Toddynho. E assim Link fala com Tetra e parte rumo à Forsaken Emo Fortress, nome de uma fortaleza de emos abandonados, onde vivem os sequestradores de Aryll.

Fortaleza para Emos abandonadaEditar

 
Link prestes a começar a participar dos Jogos Mortais.

Embarcado no navio de Tetra, como a pirata parece estar perdida e navegando em círculos, Link decide explorar um pouco para matar o tédio, quando encontra Jigsaw (vulgo, Niko) que vai propor um desafio mortal, fazendo Link passar por um fosse usando umas cordas para chegar ao outro lado antes do tempo acabar, se o tempo acabar um gás venenoso de alcachofra sufocará Link garantindo-o uma morte agonizante, mas se chegar ao outro lado em tempo, Jigsaw deixará o duende pegar o tesouro no baú, a Spoils Bag (Bolsa de Espólios) e o antídoto para o gás venenoso.

Então finalmente Tetra chega à fortaleza, atirando Link para dentro do local com um tiro de canhão, após entregar para ele uma pedra de crack mágica, a Pirate’s Drugs, que permite comunicação à distância via chapação. O que Link não contava é que ele ele seria facilmente capturado e estuprado por homens fortes e brutos com uma pica de 2 metros, mas com certa facilidade Link consegue fugir da cela porque foi arquitetada por baianos, e assim ele foge daqueles homens parrudos e picudos. Como eles são meio retardados, não identificarão Link se ele se cobrir com o barril do Chaves, assim o herói vai escapando de ser estuprado enquanto avança naquele castelo repleto de emos. Se a música mudar e o guarda levantar a saia e ficar olhando para os lados procurando por algo, basta ficar parado e esperar até ele virar de costas (uiii!) novamente.

Quando Link já está lá no alto desse lugar, Tetra liga novamente para o celular do Link, comentando sobre os monstros nos holofotes e que deve exterminá-los. Porque sim. Então ele sobe, bate em emos e mais emos, sobe onde um monte de escadas para bater em mais emos. E assim por diante enquanto não enjoar. Quando enjoar de bater em emos o Link decide brincar de Metal Gear Solid e se esconde em barris para fingir que está num jogo de stealth, mas é assim que Link finda por encontrar a sua irmã aprisionada, que está totalmente grogue e traumatizada após ter sido estuprada por emos, que queriam provar sua masculinidade abusando dela, achando ser a Zelda. Para piorar a galinha louca gigante reaparece e impede o resgate, levando Link até um homem vestido em preto e logo depois atirando-o no meio do mar.

Windfall IslandEditar

 
Link na porta da FEBEM de Windfall Island, precisando conter os ânimos de alguns menores infratores.

Após ser salvo pelo King of Red Lions (uma jangada falante) que esteve te observando desde sua entrada em Forsaken Emo Fortress, Link descobrirá que está na lendária ilha de Tuvalu Ulterior, e que o tal homem de preto se chama Ganondorf e que na verdade ele não é um metaleiro e sim um emo megalomaníaco. O barco também oferece oferece ajuda em troca de sair do tédio (afinal ele é um barco), mas para isso Link precisa antes encontrar uma cortina na ilha, afinal uma jangada não pode navegar nos mares sem algo improvisado como vela.

Link então descobre que está na capital de Tuvalu, Funafuti o vilarejo de Windfall, onde logo é abordado por homem estranho que vem correndo para falar sobre sua filha que foi sequestrada e está presa junto com Aryll em Forsaken Emo Fortress. Bem, não há nada que Link possa fazer, já que ele é um inútil que nem Aryll conseguiu resgatar... Mas como ele está focado em encontrar alguma cortina ou pano de mesa para usar de vela, Link primeiro visita a crackolândia da ilha, uma loja de drogas ilícitas, mas como não tem nem um latinha e nem dinheiro, não consegue comprar nada ali. A próxima porta (a vermelha) também não tem nada, serve apenas para Link quebrar os vasos e se deleitar com o seu vandalismo.

Link rouba compra seu pano de mesa é com um esquimó (ficando atrás do balcão, não do lado dele, pois ele é homofóbico e não gosta de viados perto demais), mas antes de ir embora decide passar no Juizados da Infância e Juventude, facilmente reconhecido pela placa pichada, onde encontra a delegada do local que vai pedir o favor de Link caçar e apreender, na base da porrada, os 400 adolescentes infratores espalhados pela ilha, tudo para no final ganhar um "obrigado". Saindo da Fundação CASA, Link é abordado por um delinquente juvenil que diz que o aniversário da professora da FEBEM e está perto, e que deseja entregar a ela o melhor presente possível, avisando que ela adora um brinquedo sexual denominado "gag ball" (ou Joy Pendants - bolotas do prazer, em português). O garoto também avisa que viu algo brilhante no topo de uma árvore outro dia, mas que deve ter sido efeito da maconha que ele fumou. Mas Link decide sair pela cidade dando pancadas nas árvores para provar o quanto retardado ele é, até que em certo momento uma gag ball cai de um galho, provavelmente alguém escondeu ali após uma diversão noturna. Esse é oficialmente o primeiro Joy Pendant (gag ball) e agora Link precisará juntar 266451 desses para saciar a libido da professora da FEBEM.

Percebendo que se deixasse, Link ficaria só de vagabundagem naquela ilha, logo o King of the Red Lions chama atenção do herói e decide passar uma quest para ele. Encontrar três plugs-anais sagrados, Din's Pearl, Farore's Pearl e Nayru's Pearl, para assim abrir o maior puteiro secreto do mundo. Com o incentivo correto, Link topa a proposta, esquecendo-se completamente que sua irmãzinha está sendo estuprada por emos noite e dia, e partindo para essa nova aventura.

Ilha do dragão com o cu preso na montanhaEditar

 
Alguns Rito tentando entender como eles podem voar com aquelas asas de papel.

Após algumas 30 horas velejando, Link chegará no primeiro destino de sua épica aventura, a Ilha do Dragão com o Cu Preso na Montanha (ou Dragon’s Ass Roasted Island). É lá que mora o dragão Valoo que possui o que Link procura, a Din’s Pearl, um plug-anal mágico meticulosamente anatomicamente desenvolvido para invadir orifícios anais com a maior suavidade possível, estimulando as pregas e agradando o usuário. Mas é justamente por ser macho demais que Valoo tem medo que usem esse negócio nele, então ele como tático decidiu sentar e nunca mais se levantar, assim jamais estaria vulnerável e jamais seria pego de surpresa.

Além disso, o barco de Link também entrega a Wind Waker (Vibrador dos Ventos) uma espécie de consolo vibratório que serve para Link compor as mais viadas músicas possíveis. Essas músicas são aprendidas ao acessar alguns grafite especiais, como aquele inicial em que Link já aprende a sua primeira música a Wind’s Requiem, que serve para desafiar a meteorologia e controlar a direção dos ventos.

Estando Link já ali, ele decide começar a fazer o que sabe fazer de melhor: Vandalizar e aterrorizar, então começa a explodir todas as pedras que avista e matar insetos Volte para onde está o barco e use as bombas para se matar ou destruir as pedras pelo caminho até um dos habitantes da ilha decidir ir repreender Link, e seu nome é Quill, um integrante da raça Rito, espécie de furry metade desenho animado metade pássaro, que sofrem bullying por terem vaginas em seus narizes. O príncipe dessa raça é o mais complexado com essa condição, sendo muito tímido devido ao seu nariz, por isso Link aceita ajuda o príncipe Komali, e assim Link ganhará sua bolsa super fashion, a Delivery Bag (Bolsa de Entrega). É ali que Link encontra sua primeira miguxinhas que o ajudará nas suas vadiagens, a menina-pássaro Medli, que confunde Link com um carteiro e pede que ele entregue um convite de orgia para o príncipe Komali.

Ao receber a carta, Komali não se vê muito disposto a participar de putarias, até porque ele está preocupado com o dragão Valoo, que se recusa a dar o cu e sentou-se no topo da ilha para nunca mais levantar dali. Medli, que pelo visto está muito na seca, até pede um pouco de sexo para Link, mas como ela é feia, Link faz é segurar a menina e arremessá-la longe, literalmente. É claro que ela fica com raiva e arremessa uma garrafa em Link, mas que poderá ser útil e ele acaba pegando o item pra si.

Link decide encher a garrafa com o mijo e utilizar sua própria ureia em uma das plantas secas perto da entrada daquela área, o que vai criar uma grande abominação da botânica, flores que fazem bombas brotar infinitamente, algo que não deveria existir, não há biologia que explique isso, mas o que importa é que agora Link pode explodir uma pedra e ter acesso ao primeiro dungeon do jogo.

Caverna do dragão do cu assado (Dragon Roasted Cavern)Editar

 
Uma das provas de que o líquido existente na caverna não é lava, mas sim suco de tamarindo, é a incapacidade de torrar essa mera escadinha de madeira.

  The floor is lava! tamarindo juice  
Alguém tentando alertar Link em Dragon Roost Cavern

Essa caverna sinistra está repleta de suco de tamarindo fervente, o que pode ser facilmente confundido com lava. Mas dá para saber que não é lava quando Link não consegue acender seus bastões de madeira encostando-os no lago de suco de tamarindo, ou ao perceber que esse suco petrifica se você jogar água gelada em cima, ou ainda ao observar que jatos desse suco expelidos da parede não torram uma escada de madeira, três reações visíveis que nunca aconteceriam se fosse realmente lava aquilo. Mas mesmo assim, Link tem alergia a suco de tamarindo e não pode nadar na substância, seria menos letal se fosse lava.

Não bastasse ter que ficar atirando vasos com água pra petrificar as lagoas de suco de tamarindo, Link ainda precisa a todo momento bater em grupos de chuchus mutantes, facilmente confundíveis com gelatinas sabor morango.

Em determinado momento Link recebe uma ligação do Ibama, que pede para que Link pare com esse genocídio de animais silvestres, e que evite de matar pacaranas bandidas (espécie de rato que só existe no Acre), sendo melhor alimentá-las caso possível. Mas na prática Link continua os maus tratos e não vai ter dó de nenhum animal silvestre, pois mal recebeu a ligação, já avista um abutre e bate no bicho sem dó nem piedade, só para pegar uma chave em seu ninho.

Tudo que Link queria fazer era só vagabundear, mas precisa no final das contas passar um aperto danado para resgatar a tal Medli que foi presa por um grupo de crackudos maltrapilhos doidos por uma pedra, que ao avistar Link já partem para o suicídio. Uma vez libertada, Medli entrega ao Link a Grappling Hook, uma versão piorada do Hookshot. Ela revela que o dragão Valoo na verdade não está com medo de dar o cu, ele está sentado e raivoso porque tem uma lombriga abusando de uma hemorroida que o dragão contraiu, e cabe a Link achar uma Hipoglós escondida na dungeon para sanar o aperto do dragão. No caminho para achar a chave do chefe, Link deve cortar as cordas de várias pontes feitas de uma madeira não inflamável para cair e depois mandar seu vídeo para as vídeo-cacetadas do Faustão e assim ganhar como prêmio um baú feito de madeira também não inflamável, pois ele está rodeado de fogo e se mantém eternamente íntegro guardando a chave do chefão.

O chefão é o Gohma, afinal não pensaram num nome, então usaram o nome do primeiro chefe de Ocarina of Time, um bicho feio que come com o rabo, mas não o rabo dele que não pode tirar para comer, mas o rabo do Valoo mesmo. Esse cretino é a causa de todos os males da ilha, pois está 24 horas do dia comendo o rabo do dragão, e na maior surdida, através de um buraco na caverna. Esse monstro não passa de uma aberração que surgiu após a proliferação de micróbios na produção de suco de limão que parece tamarindo e que tem gosto de groselha anti-higiênicos, até que um dia tal suco foi bebido por Valoo, o que gerou essa lombriga colossal que agora ataca o rabo do pobre dragão. Como se trata de uma lombriga, o chefão não tem cérebro e é bem fácil de se derrotar, Link apenas usa a sua Grappling Hook no rabo de Valoo, torturando o cu dod ragão ainda mais enquanto se balança pelo cenário e golpeia o olho do cu de Gohma, para o monstro ver como aquela sensação é ruim, até ele desistir, morrer e deixar o Valoo em paz.

Depois de tudo isso Komali entrega à Link a Din's Pearl, o primeiro dentre os três plug anais necessários para o prosseguimento da aventura, em agradecimento por finalmente ter acalmado Valoo ao brincar corretamente com o rabo do dragão.

Com tudo resolvido, antes de Link ir embora ele ainda encontra um peixe drogado no LSD, o Fishman, que está tão maluco que fuma um pincel, totalmente louco cheirado nas tintas. Mas ele se demonstra útil, pois é o responsável por desenhar as cartas náuticas de Link com os formatos das ilhas em que visita, mas como ele é drogado, será muito comum pintar ilhas em formato de números de dados e até pirocas.

Rave na Floresta (Forest Haven)Editar

 
Link usando uma folha de maconha para conseguir viajar planar pelos ares.

Link parte em busca de seu segundo plug anal, indo visitar uma rave na floresta (Forest Haven), afinal, qual não seria o lugar mais propício de encontrar brinquedos sexuais sagrados senão numa rave na floresta? É lá que está a Farore's Pearl (Pérola dos Farofeiros).

A entrada para a rave, porém, não é tão simples como aparenta, assim que Link chega na ilha, até porque o local está repleto de uma infestação desgraçada de Deku Baba (babá de cu), que possuem esse nome justamente por adorarem comer o cuzinho de duendes desavisados, como o Link, são plantas carnívoras muito malignas que não poupam esforço para estragar com a rave na floresta. Geralmente quando morrem as Deu o Ku Baba deixam uma Deku Baba Seed (caroço de azeitona) e Link as utiliza para plantar suas próprias vinhas estupradores.

É então que Link encontra o idealizador da rave na floresta, a Great Noku Tree, e ao vê-lo vai compreender o motivo de não estar havendo nenhuma festa na rave, afinal a árvore que seria o principal DJ está com vergonha de aparecer por estar com um monte de acne no rosto, e com formato de gelatina de chuchu sabores limão e morango. Ainda bem que Link está ali para passar um pouco de Minancora (golpes de espada mesmo) para livrar a árvore do problema. Assim os Koroks aparecerão, nome pelo qual são conhecidos uma raça de pequenos brinquedos sexuais mágicos que foram moldados em pedaços de galho e que agora ganharam vida. Cada korok, para disfarçar sua natureza nada pudica, usam uma folha de figueira como máscara, e nas horas vagas atuam como banda de rave.

Aquela pequena família de músicos da floresta vão dizer que não podem começar a rave, pois um dos integrantes da banda, o Makar, se deixou levar pelo sucesso e estrelismo e sucumbiu ao mundo das drogas, indo cair dentro de Forbidden Woods (Maconha Proibida) e cabe a Link resgatá-lo das drogas e trazê-lo para uma clínica de reabilitação antes que ele sofra uma overdose. Para isso Link precisará da Noku Leaf, uma folha que permite ao herói ficar tão chapado que ele passa a achar que ele chega a achar que pode planar com ela, sem contar que é capaz de soltar bufas de cheiro de maconha que atordoam inimigos não acostumados à droga (inimigos maconheiros não sofrem efeito com o golpe dessa folha). É justamente utilizando essa folha que Link consegue chegar na crackolândia que fica nos arredores da rave na floresta.

Forbidden WoodsEditar

 
Para libertar seu amigo da influência das drogas e do ópio, Link precisa exterminar o mal pela raiz (literalmente), matando uma papoula gigante.

A Forbidden Woods é uma divisão da rave na floresta que o Ibama criou em cooperação com o PROERD e PF para evitar que as raves se tornassem paraísos de tóxicos alucinógenos. Com a influência maléfica de Ganondorf, o local foi dominado por narcotraficantes e acabou por se tornar uma grande crackolândia e ambiente nada amistoso, repleto de punks que tentarão assaltar Link, assim que avistado, para arrumar ruppes para manterem seu vício na pedra.

Logo de cara nessa dungeon o jogador é apresentado ao fato de como esse jogo é para crianças, assim os inimigos são uns chuchu alucinógenos, o mapa já está logo ali, e carregando uma noz gigante das árvores somos nozes é possível agredir uma vagina que cobre a passagem. Puzzles que até uma criança de 5 anos consegue solucionar.

Link precisa progredir usando bastante a sua Noku Leaf, precisando cheirá-la constantemente para não surtar nesse local que não faz o menor sentido, precisando conter também a abstinência dos bichos que ali vivem, soprando maconha em cima deles sempre que os avistar. O local é infestado de chuchus, gelatinas sabor limão, Baba Noku e carrapichos que vão grudar nas pregas anais de Link e impedir que o mesmo se mova com fluidez e naturalidade enquanto não se livrar deles. Toda sala é a mesma coisa, entrar em plantas para ser cuspido e lembrar da vida de Deku em Majora's Mask, matar mais chuchus e Baba Noku, soprar maconha em mecanismos construídos por alguém drogado, e assim sucessivamente.

Como o local foi vetado pela PF (por isso o nome "Floresta da Erva Proibida") justamente pelo excesso de substâncias ilícitas, Link logo começa a ficar chapado e ver alucinações ao permanecer muito tempo ali, vendo troncos e galhos que se mexem e formam plataformas, ou vinhas cheias de espinhos brotando do chão formando labirintos, mas eventualmente encontra uma mariposa drogada que além de peidar fogo ela caga carrapicho e solta purpurina, é claro que Link contraria as normas do Ibama e assassina o animal em trocar de adquirir o seu precioso bumerangue.

De agora em diante Link passa a usar o seu novo bumerangue OP pra vandalizar de tudo, isso mesmo pra tudo, inclusive cortando cipós azuis que farão uma flor alucinógena despencar e abrir acesso às partes mais baixas dessa boca-de-fumo, um local alagado com rejeito da Samarco, e onde também existem tentáculos estupradores.

O chefão final é uma papoula alucinógena gigante chamada Kalle Demos e atual dona da boca-de-fumo. O bichão acaba por comer Makar e ao grudar no teto expandirá um monte de tentáculos. Nesse momento Link precisa demonstrar toda sua perícia em utilizar seu bumerangue teleguiado para ir fatiando todos tentáculos dessa flor alucinógena, enquanto tenta não ficar doidão e ter muito cuidado para não sofrer uma hemorragia anal ou ser estuprado pelos tentáculos. Mas quando todos tentáculos são cortados, a planta cai no chão e se abre como uma vagina, dando a Link a chance de usar sua espada para golpear o clitoris do monstro. Precisando assim repetir o processo algumas vezes até a flor atingir um orgasmo, explodir e morrer. Se Link precisar de drogas basta cortar as plantas de maconha perto das paredes da sala para achar alguns produtos ilícitos e corações.

Após conversar com Makar, que por sorte não sucumbiu à alguma overdose, Link o convence entrar numa clínica de reabilitação e regressar para seus amigos, assim revisitando a Great Noku Tree, que estará comendo farofa com frango, e em agradecimento por ter resgatado seu filho (Makar) do mundo das drogas, entrega a Link a Farore’s Pearl (Pérola do Farofeiro). Agora com todos os DJs e MCs reunidos, a tão falada rave na floresta finalmente começa, mas com Link não tinha convite, precisa ir embora da ilha a procura da terceira pérola.

A Última PérolaEditar

 
Link encantado com o tamanho do plug anal de Nayru. Mal recebeu já guardou no próprio cu.

Hora de partir para a próxima ilha que se encontra marcada gozada na Sea Chart de Link, onde deve se encontrar com Jabun para obter o último plug anal sagrado. Só que assim que Link chegar na Greatfish Island (Ilha da Fixa Boa), Link descobre que os produtores estavam com preguiça de criarem uma terceira dungeons e preferiram criar uma quest safada, pois Link vê que a ilha foi completamente destruída e que Ganondorf deixou uma espécie de maldição na ilha de modo que ali nunc avai parar de chover e nunca será dia. Logo seu velho amigo Rito aparece voando e dirá a Link: "Olha a fixa! Olhou porque é bixa!" Então Link dá uma porrada nele e pede para que ele fale algo útil, então vai revelar que o peixão Jabun conseguiu escapar da ilha, e que foi se refugiar em Outset Island.

Agora Link tem um novo problema, Jabun está a salvo, mas está selado dentro de uma caverna e para entrarmos lá precisará de bostas, isso mesmo, fezes. Pior que isso só mesmo o fato dos piratas também estarem sabendo o paradeiro de Jabun e estarem tentando entrar na caverna. Mas como Link tem um pouco de bosta isso afastará os piratas dele.

Lin então decide visitar a Windfall Island, para chegando lá subir umas paredes e flagrar os piratas de Tetra roubando o lanche de um pobre vendedor. Tetra diz aos piratas para andarem rápido e partirem logo, mas eles querem evitar a fadiga e pedirão para passar a noite na ilha fazendo uma orgia secreta. Tetra de início recusa, mas ela avista Link e decide partir só ao amanhecer.

Bom, agora temos tempo de sobra, já que com a maldição do Ganon não vai amanhecer nunca... Então dá pra fazer mil side-quests se você quiser, que o dia seguinte nunca virá e os piratas de Tetra continuarão lá, esperando esse amanhecer.

Curiosamente o burro do Mako não consegue lembrar a senha da orgia secreta e pergunta para o outro pirata, que lhe responde alguma viadagem (a senha varia da opção sexual do jogador, mas já que você é um emo a senha será alguma viadagem) então Link precisa copiar a senha (ou então se foda) e seguir em direção ao local onde tem um cemitério com apenas um morto só para assim ter acesso ao barco e a porta da orgia secreta.

Uma vez na orgia, Link se encontra com o seu velho amigo pirata. Dessa vez seu desafio é pular de corda em corda antes que a porta se feche para sempre e você morra por falta de comida. Mas se conseguir chegar do outro lado, abrindo o baú lá estão as bombas, mas quanto à orgia secreta, Link não vê nada, porque é secreta, mas todos sabem que a Zelda sempre foi uma biscate e não criaria uma tripulação só de machos pra nada.

Agora com essas bombas Link consegue desobstruir a passagem em Outset Island e se encontrar com um bagre gigante e obeso chamado Jabun, que entrega a Link o último plug anal que faltava, a Nayru's Pearl. Saindo da caverna, o barco dirá que a maldição de Ganondorf foi quebrada e marcará os locais que Link deve ir enfiar as pérolas no cu das estátuas sagradas.

Tower of Oh My GodEditar

 
E mais uma vez Link precisa derrotar o Bongo Bongo.

Seguindo para as três ilhas marcadas em seu Sea Chart, Link perceberá que em cada uma delas haverá uma estátua das três putas sagradas da série The Legend of Zelda, Din, Farore e Nayru. Link então nem precisa de dicas e enfia os plugs-anais no cu de cada uma das estátuas, e assim uma piroca gigantesca se erguerá do fundo do mar, extremamente exitada com a atitude de Link.

Uma vez dentro da Tower of Oh My God Link perceberá que estará dentro da próstata daquele falo gigantesco, e que por isso o nível de porra sobe e desce como maré, precisando assim usaar esse sobe e desce para ir tendo acesso aos lugares. Bem como repara também a existência de dezenas de estátuas em formato de pênis gordo com um oco no meio, o local é realmente repleto de exemplos de libertinagem.

É lá dentro, que pela primeira vez, Link tem contato com algumas gelatinas sabor mamão, que abençoadas por Lobei tem a capacidade de disparar choques elétricos. Além disso, é um pega e tira de estátuas de pica que não para mais, sempre depositando-as sobre círculos brilhantes, tirando e pondo estátuas em buracos no chão, sempre com carinho é claro, pra não machucar.

Os puzzles tem sempre conotações sexuais, como por exemplo num momento em que Link precisa criar uma trilha de caixas de revistas de sacanagem de modo que possa chegar até o outro lado com seu bastão totalmente ereto para poder acender as duas tochas, abrir um baú e adquirir um dildo, que serve como chave.

Na segunda fase da dungeon, quando o barco não consegue mais acompanhar Link, o mesmo deve então carregar estátuas de pênis murchos pra lá e pra cá, quando aprende, inclusive, a música Command Melody (Melodia da Facção Criminal, ta ligado?) que serve para, assim que tocada, chamar os manos do seu bonde e fazê-los obedecer a Link, convencidos de que o duende é o líder da facção.

Como Link agora é líder de uma facção, precisa provar o seu valor acabando com outros bondes que querem invadir a sua área, precisando exterminar muitos manos rivais. Para matá-los é preciso chamar o bonde inteiro, todos boaldos de AK-47, até o colete a prova de balas do inimigo arrebentar, deixando-o totalmente vulnerável e aí implantar uma bomba e se proteger dos CTs para eles não defusarem.

Outro item útil adquirido no local é o arco e flecha, com o qual agora Link pode flechar símbolos da maçonaria espalhados pelo palácio (um losango com um olho no meio), enquanto mata um fantasma com uma macumba foderosa e atira em mais olhos para ir subindo a Tower of Oh My God. Eventualmente Link precisa matar estátuas, mas como elas são objetos inanimados, não é possível matá-las, mas é possível humilhá-las com golpe de espada no cu piscante (literalmente). E assim Link vai subindo e progredindo na torre, tocando a porra da música do Comando a todo santo momento para ver se seus comparsas ajudam em algo de útil, até assim eventualmente chegar ao seu topo da torre e enfrentar o chefe.

Como tudo da Nintendo, o chefe local é reciclado, uma mistura de um subchefe de Super Mario 64 com a Master Hand de Super Smash Bros. e um pouquinho do Bongo Bongo nome Gohdan. Esse é o segundo chefe mais difícil do jogo (só aquela aranha fantoche do final consegue ser mais filha da puta), e para vencê-lo é necessário ter uma coordenação motora de criança de 10 anos de idade para evitar cair fora da plataforma e ser eletrocutado. Como sempre, sem esperar muita criatividade, o que é preciso fazer é atirar flechas nas mãos da criatura e depois mais flechas em seus olhos, para depois jogar bombas na boca do bicho. Como é um jogo pra criança, o chefão ainda faz o favor de cagar flechas (pelo pescoço, já que não possui cu), assim garantindo um estoque infinito de flechas. Uma vez derrotado, Link pode subir ao topo da torre, usar a Grappling Hook no sino para tocá-lo e fazer a torre gozar, abrindo passagem para a nova localidade.

Hyrule e a Master SwordEditar

 
Prestes a sodomizar o traseiro de dois coitados desprevenidos, Link estreia o uso de sua Master Sword em grande estilo.

Agora que os deuses reconheceram Link como um punheteiro herói, seu verdadeiro desafio começará... Descendo Vinte Mil Léguas Submarinas no fundo do oceano, eis que os zeldamaníacos tem um orgasmo ao descobrirem que ali está Hyrule submersa e congelada no tempo. Nada faz muito sentido, afinal o rei daquela porra ainda é um barco.

É ali que Link retira a Master Sword do pedestal e descongela aproximadamente uns 30 malandros que estavam fazendo baderna no palácio. Descobre que eles foram congelados por uma magia da Princesa Zelda, que na oportunidade queria dar uma orgia no castelo, mas ao perceber que uns 30 negões apareceram, ficou com medo e precisou congelar o tempo e criar um dilúvio para impedir uma catástrofe com os seus buracos. Mas agora Link os descongelou todos, então antes de sair do palácio, precisa matar um por um aquele bando de pervertido, talvez o combate demore, mas descobrindo que o ponto fraco de cada um é o cu, afinal são machões e se sentem vulneráveis se forem golpeados nessas partes, aí os combates ficam mais fáceis.

Retorno à Fortaleza para Emos AbandonadaEditar

Após sair do local com sua espadinha nova, Link recorda-se que sua irmã está agora presa e sendo estuprada por emos, então decide ir resgatá-la numa segunda tentativa. Mas chegando lá, Link percebe que as coisas estão diferentes e não avista mais nenhum emo, que foram exterminados por alguém, mistério solucionado quando Link encontra um metaleiro que não está afim de conversa, como exterminador de emos já decide matar logo Link ao confundi-lo com um (com toda razão). Ele é um dos seguidores do Metal e tem como poder soltar Hadoukens mágicos, que podem ser rebatidos com a Master Sword, momento quando ele cai de quatro no chão. As vezes ele tenta uma revanche se teleportando atrás de Link, que precisa preservar seu traseiro e usar um contra-ataque para acertá-lo. Uma vez derrotado esse metaleiro, Link adquire uma arma mística, o SkullMetal Hammer que serve para achatar pedaços de piquetes.

Uma parte muito perigosa é essa em que Link invade o alojamento dos emos onde há várias camas, pois na cama vale de tudo, mas o objetivo é procurar por mafagafo localizados nos holofote para neutralizá-los sem dó nem piedade.

 
Link precisando enfrentar um metaleiro.

Como Link matou todos metaleiros do local, e acabou se tornando um ao adquirir a SkullMetal Hammer, ele decide encerrar o seu trabalho, matando todos os últimos emos ali encontrados até finalmente entrar na área do cárcere e reencontrar a sua irmã que está sendo retida como escrava sexual junto de outras duas damas ali sequestradas. Todas as três estavam ali, raptadas, por terem sido confundidas como sendo a Princesa Zelda, afinal o que Ganondorf mais gosta de fazer é sequestrar loiras para sodomizá-las. Tetra aparecerá com os seus machos e levará todas as três garotas, agora com experiência garantida, para a prostituição. Momento em que a Galinha Louca Gigante retornará e a sala começará a se encher de água. A idiota da galinha construiu seu ninho em cima de uma privada gigante e agora a entupiu.

A Helmaroc King é o nome dessa galinha gigante, mas absolutamente descerebrada, porque a imbecil para acertar Link mete o bico no chão com tudo, e ainda toma machadada na cara. Graças a Link essa galinha é finalmente morta e as meninas loiras ao redor do mundo agora podem dormir em paz, que nenhuma galinha gigante virá raptá-las mais ao confundi-las com a puta da Zelda, essa sim que ama ser sequestrada.

Ganondorf se revelará como sendo Dado Dolabella e dirá que Link traiu o movimento punk, véio quando tirou a Master Sword do pedestal e depois adquiriu o SkullMetal Hammer, que metaleiros não deveriam se misturar com punks. Incrivelmente a Master Sword não terá efeito contra Ganondorf pois a espadinha está sem o poder do Deus Metal de banir o mal (pagode, forró, axé e os demais gostos musicais de Ganondorf, aquele puta tiozão do churrasco). Zelda Tetra reaparecerá e tentará salvar Link de morrer barganhando com o vilão, dizendo que o mesmo poderia raptá-la e abusá-la sexualmente como bem quiser, mas como Ganondorf não sabia que justamente aquela ali era a Zelda de verdade, confundindo-a com uma tomboy sem sex appeal, ele recusa a proposta. Nesse momento ambos acabam resgatados pelos Rito e pelo dragão Valoo que não tem mais o cu preso na montanha (atual nome dele) que inclusive dá uma de piromaníaco e taca fogo na fortaleza.

Link e Tetra então visitam o Castelo de Hyrule submerso até a sala onde encontraram a Master Sword, para encontrar ali ninguém menos que Daphyrdkjrfykfyksnes Nohanyfkdddtkrtdksen II de Hyrule, o rei de Hyrule (que também é o seu barco, por isso é mais cômodo chamá-lo de "King of the Red Lions"). Ele é quem conta a história de que Hyrule foi selada no fundo do oceano numa tentativa fracassada de criarem um parque aquático temático. O rei de Hyrule ainda completa o pedaço da Triforce de Tetra e ela se transforma numa biscate, a Princesa Zelda.

Agora Link precisa voltar à superfície e tentar descobrir o que aconteceu com os dois grandes metaleiros (os Sages) para entender porque a Master Sword perdeu seu poder de matar funkeiros.

Earth TempleEditar

 
Medli e Link se aventurando juntos no Earth Temple.

Para conseguir entrar no Earth Temple Link precisa de ajuda da Medli, a menina-pássaro da Ilha do Dragão com o Cu Preso na Montanha, por isso antes é necessário ir buscá-la, mas a mesma está tendo sua primeira menstruação, e como não tem nenhuma figura materna para explicá-la o que está havendo com o seu corpo na puberdade, ela se encontra trancafiada no próprio quarto. Mas se Link tocar a música para a menina-pássaro, ela irá desmaiar nos seus braços e vai acordar no barco, quando percebe que foi estuprada possui um fantasma de peixe dentro da alma dela, que na verdade é uma guardiã do metal.

Agora Link pode abrir a maldita porta do Earth Temple e começar a dungeon, um local que está infestado de fantasmas obesos do exército do capeta que carregam lampiões e estão na seca há milênios, então tentarão enrabar Link assim que o avistam. Como são gays, não tentam atacar Medli em nenhum momento.

se você achava que o Link era o único personagem jogável do jogo você é muito trouxa logo descobre que pode também jogar com a menina-pássaro, mas como ela ainda está na puberdade, não sabe voar, mas apenas planar, então não espere muita utilidade dela, exceto quando aparece uma sala cheia de monstros que não a atacam. Link precisa explorar o templo sinistro para descobrir as cifras de uma boa música de metal, chamada de "Metal God Lyric", introdução Enter Sandman do Metallica.

Link precisa da menina-pássaro para avua sendo necessário enfiar o dedo no cu dela para que ela consiga impulso para voar longe. Além disso ela também é útil porque possui uma harpa feita de espelho para refletir a luz porque o templo é repleto de baús invisíveis que só aparecem se você tacar luz em cima. Nem perca tempo tentando entender a lógica disso.

O subchefe é o Stalfos, mais uma criatura reaproveitada de Zeldas anteriores, um esqueletão que apesar da ausência de músculos e ligamentos possui a anatomia necessária para carregar um tacape gigante. Mas não é imune a ataques da Al-Qaeda, então umas explosões com bomba são o bastante para inutilizá-lo. É com ele que Link adquire o escudo-espelho, útil somente para este templo.

A chave do chefão está em um labirinto do terror cheio dos famosos ReDead, que em Wind Waker mais parecem um híbrido de chupá-cabra, zumbi e ET, e só podem ser atacados se forem pegos de surpreso, porque se avistam Link dão um gritinho histérico de vocalista de banda de power metal e Link se borra nas calças perante tamanha qualidade vocal, ficando paralisado enquanto o ReDead vai se movendo devagarinho até te estuprar morde a cabeça do Link, porque como esse jogo é para crianças, ele não pode te enrabar como os ReDead de Ocarina of Time fazem.

Assim Link vai progredindo e gradativamente aprendendo a cifra completa de sua música de metal, e avançando no templo, sempre pegando Medli pela bunda e arremessando-a longe, até chegar no chefe, um fantasma gigante e obeso chamado Jalhalla. Para matar esse bicho é necessário usar o escudo-espelho para refletir luz e fazer cócegas no bichão, que depois deve ser carregado e arremessado contra uma parede de espetos. Uma vez exorcizado esse fantasma, Link e Medli então aprendem a cifra inteira de sua música de metal e conseguem invocar o fantasma da Laputa, uma antiga Zora tocadora de bandolim, e assim despertarem a metade do poder da Master Sword.

Wind TempleEditar

 
Makar ensinando Link como se planta maconha.

A Master Sword ainda não está com o seu poder completo de conseguir matar funkeiros, então Link decide visitar o segundo templo para aprender mais uma cifra de alguma música lendária do Deus Metal, dessa vez a Metal Bucetation. O local é também conhecido como "Templo da Bufa", ou "Templo do Peido" porque toda sala dessa dungeon tem uma bufa constante soprando de algum lugar e o objetivo final é ligar uma bufa gigante na sala central para conseguir voar até o último andar.

Para conseguir atravessar o Wind Temple Link pede ajuda à Makar, aquele ex-maconheiro anão que foi ajudado no começo do jogo, e ambos assim começam a explorar o local. Como Link está perto do final do jogo, há vários inimigos e puzzles nessa fase que requerem o uso de todos os itens. Já o seu amiguinho, Makar, é um completo inútil e serve apenas para arremessar um cocozinho num monte de terra e fazer uma pica de madeira surgir ali.

O subchefe local é o Wizzrobe, um flamenguista fanático que tem o poder de convocar toda a torcida do Flamengo para tentar violentar Link, o que inclui uma grande variedade de mulambos e travecos, todos raivosos doidos para acabar com a raça do Link, mas uma vez derrotado esse urubu maluco, Link ganha o Hookshot, e agora pode grudar nas árvores.

O chefe final é o Molgera, uma minhoca gigante que possui um clitoris no lugar da língua e devido a isso sofre muito bullying e não possui o melhor humor. Apesar do tamanho, é só mais um chefe fácil, uns tiros do clitoris (que fica dentro de sua boca) e uns golpes de espada são o bastante para realizar a autópsia e remoção desse clitoris, mas Molgera fica tão frustrado que se transforma em areia e explode. E assim Link desperta o poder total da Master Sword, que ganha um brilho e o poder de exterminar funkeiros.

Formando a TriforceEditar

Agora vem a parte disparadamente mais chata do jogo. Incapazes de criar mais dungeons, pois criatividade tem limites, os produtores do jogo pensaram como seria possível prolongar as horas de gameplay do jogo e pensaram "por que não punir o jogador com a chatíssima missão de precisar visitar oito lugares inóspitos com o barco para reunir os fragmentos perdidos da Triforce?" e assim foi feito, agora Link precisa achar 8 mapinhas do tesouro, depois decifrá-los e depois navegar até o local, um processo que leva umas 10 horas da maior tediosidade possível, até Link finalmente remontar a Triforce.

Torre do GanondorfEditar

Com todos os itens reunidos, a Master Sword restaurada, os pedaços da Triforce colados com super bonder e todas as cifras das principais músicas de metal aprendidas, agora Link parte para a missão final, descendo de novo em Hyrule, podendo agora visitar a ponte do castelo e usar a Master Sword, agora com o poder de banir o funk, para quebrar uma barreira acústica e assim começar seu caminho rumo ao Ganondorf, o funkeiro de proibidão ostentação que é a causa de todos os males no mundo.

 
E no final de tudo, para humilhar o grande vilão, Link termina com um face rape em Ganondorf.

No caminho, só para garantir umas horinhas a mais de gameplay, Link deve enfrentar de novo quatro chefes reciclados, com a única diferença que há um filtro cinza na tela. Depois disso ainda precisa atravessar um labirinto repleto de metaleiros raivosos que odeiam o Link por ser mais ã de rock progressivo e música clássica, estes que devem ser exterminados.

No final ainda precisa enfrentar um fantoche gigante, inimigo que primeiro tem o formato de um porco obeso, mas que é simples de vencer graças ao bumerangue teleguiado do Link. Depois o bicho vira uma aranha e tenta matar Link com golpes de bunda, e por fim a minhoca mais chata do mundo.

Só após vencer esse porra que então Link pode subir ao topo do castelo afim de exterminar o MC Catra, forma que Ganondorf assumiu para a luta final. Com a Master Sword regenerada, agora Link tem o poder de exterminar funkeiros, e como seu objetivo é trazer paz para o mundo, ele decide exterminar o funk pela raiz. A Princesa Zelda se intromete na batalha, mas dando tiros de flecha é no Link, afinal todos sabem que na real ela sempre foi a biscate do Ganon, mas é aproveitando-se disso que Link usa seu escudo para refletir a flechada e acertar no Ganon, que surpreso, acaba tomando um golpe de espada no narigão e se petrificando.

Hyrule é afundada, e Link e Zelda, desprezando pressão oceânica sobre eles, boiam até a superfície, convenientemente resgatados por um navio. E que bom que o jogo acabou, e o funk foi exterminado.

RecepçãoEditar

O jogo tornou-se rapidamente odiado pelos fãs e amado pelos emos, esse jogo acabou rapidamente espalhado pelo mundo e odiado por onde quer que passasse.

Com o sucesso de vendas para os emos apenas, Shigeru teve a brilhante ideia de botar 2 jogos de Nintendo 64 para Gamecube de brinde. Assim os nerds viciados em jogos tiveram que comprar para ter esses jogos na sua coleção apesar de nunca jogarem esses jogos mesmo e terem zerado 363456 de vezes no Nintendo 64.