Abrir menu principal

Desciclopédia β

The Legend of Zelda (Game & Watch)

Virtualgame.jpg The Legend of Zelda (Game & Watch) é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, o Mario joga um casco verde em seu kart.


Zeldinha das antiguíssimas
The Legend of Zelda Watch.jpg

Relogio do Zelda

Informações
Desenvolvedor Sanic?
Publicador Sanic?
Ano 1989
Gênero Zelda pra relógio
Plataformas Game & Watch
Avaliação Indefinido
Idade para jogar Livre para pessoas sem miopia

The Legend of Zelda para Game & Watch é um relógio de brinquedo, desenvolvido pela Nelsonic (Matel da PQP), criado como uma ideia da Nintendo, que na época, 1989, ainda estava tentando compreender o seu mercado e como os nerds (gamers) eram pessoas sem senso do ridículo. As crianças da época poderiam então levar esse minigame para escola, como se fosse um relógio, e sua função principal era identificá-las como pessoas retardadas, facilitando o trabalho dos Bully em identificar esses nerds e alicar-lhes uma surra, na vã tentativa de curá-los de sua nerdice em ter um relógio do Zelda que exibe um minigame altamente escroto.

JogabilidadeEditar

 
Jogador tentando enxergar alguma coisa e apertar os botões.

O primeiro passo para conseguir jogar essa porra é conseguir enxergar a micro-telinha do relógio, se tiver um microscópio à sua disposição, melhor. O segundo passo e ler todos hentais da Princesa Zelda disponíveis (é essa a participação indireta dela no jogo, aliás) para assim emagrecer os seus dedos e assim conseguir apertar os pequeníssimos botões desse reloginho de plástico fuleiro. Vencido esses dis passos, aí sim o jogador pode apreciar da máxima jogabilidade de um relógio de pulso que serve de minigame genérico. Com uma tela de cima, controlando Link, o jogador deve manter a rotina desse duende sanguinário e continuar sua sina de assassinar os monstros recorrentes da série, como um Backyardigan chamado Aquamentus, um Pokémon chamado Keese e um testículo gigante chamado Iron Balls.

Obviamente, por dispor de apenas 8 bytes de memória graças à uma super bateria íon-lítio, o jogo é estupidamente repetitivo e serve apenas para definir quem tem demência mental para os que não tem (e não compram essa porra). São quatro dungeons com quatro salas cada, o arquiteto era preguiçoso, mas metódico, em cada um desses labirintos Link deve adquirir o bumerangue para castrar a Iron Balls, depois achar as bombas para garantir uma morte horrível ao Aquamentus, o chefão de cada sala.

Após coletar os quatro pedaços de Triforce, o jogo reseta, e você se fudeu, que não tem final, não tem nada.

EnredoEditar

Este spin-off é considerado por muitos como o jogo de Zelda com o enredo mais criativo e original de toda a série. Como nada é dito, é tudo muito especulativo e interpretativo, mas é bem claro que a história gira em torno de um Link que foi preso no Feitiço do Tempo, e deve agora ficar eternamente num looping desgraçado de reunir quatro pedaços da Triforce, invadindo as mesmas dungeons, matando os mesmos furries, fazendo as mesmas coisas, para quando finalmente reunir todos fragmentos, voltar para a estaca zero.

Como essa história foi considerada traumática e pesada demais, jamais veio a ser aproveitada em qualquer jogo da série principal.