Abrir menu principal

Desciclopédia β

The National

Indiemo.jpg Let's see any iranian film?

Este é um artigo INDIE!

E bota duas gotas de vodka no chá pra pagar de bêbado.

Undersk.jpg
Passarinho.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

The National
AT 1f1b9j2g7c9f8.jpg
Olha os nacionais vivos... E querendo morrer
Origem vai saber
País EUA
Período 1999 - atualmente
Gênero(s) rock sonífero, som suicida, indiestranho
Gravadora(s) Gravadora Cometa
Integrante(s) Brice Desenha;Mete Beringela; Bryan Devendo; Aaron Desenha; Scott Devendo e Padma Novaalguma
Ex-integrante(s) {{{exintegrantes}}}
Site oficial {{{site}}}


Cquote1.png Orra, meu, olha os caras estourados no... Pera, ele tá tentando estourar a cabeça! Cquote2.png
Faustão sobre Matt
Cquote1.png E até os nacionais a gente traz de fora... Cquote2.png
você tentando fazer piada sobre The National
Cquote1.png Estamos numa fase melhor, se matar é pra gente doida Cquote2.png
Matt Beninger sobre suicídio
Cquote1.png Eu disse a mesma coisa antes de morrer! Cquote2.png
Kurt Cobain sobre o comentário acima
Cquote1.png Quem? Cquote2.png
pessoas normais sobre The National
Cquote1.png Nem eu sei Cquote2.png
Eu sobre o comentário acima
Cquote1.png Tenho más lembranças com essa música Cquote2.png
Casa Stark sobre The Rains of Castamere

The National acha que é uma banda de indie rock e acha que veio dos Estados Unidos, mas aqui não é Wikipedia, parça, aqui a verdade aparece.

Índice

A OrigemEditar

A banda surgiu em 1998, quando os irmãos Beringela conheceram os irmãos devendo — desta vez não com letras maiúsculas, porque eles estavam devendo mesmo — no Zimbábue tocando um sanfona, o outro uma viola. Acontece que dias antes os Devendo tinham sido assaltados naquela mesma rua, mesmo assim tocavam lá. E ali os Beringela decidiram assaltar os músicos. Quando chegaram com seus porretes asaaltar os coitados, Scott Devendo disse "pode me matar, tô a fim memo" e não foi morto, pois todos ali nutriam a mesma vontade.

Ao invés de assaltá-los, os Beringela começaram a compor com os outros ali na rua mesmo, quando surgiram dois policiais que caçavam os Beringela há tempos: os irmãos Desenha. Ali, decidiram prender todo mundo, mas Aaron perguntou pelas músicas deles e gostou, então fugiram do seu país para se tornarem ilegais nos EUA em 1999, quando fundaram oficialmente a banda. O nome The National surgiu enquanto eles passavam pelo Brasil e perguntavam a nacionalidade do povo daqui, pois não sabiam onde estavam e falavam um inglês terrível, dizendo your national, the national, where am I?

A separação dos BeringelaEditar

 
Os irmãos Beringela no Zimbábue

Matt sempre foi super envolvido na causa musical, mas seu irmão Tom não gostava muito disso e tocava mal e decidiu sair da banda e iniciar a carreira que sempre quis: a de ator pornô. Por conta do tamanho diminuto de seu membro, Tom não podia atuar, mas fez uma faculdade após terminar o supletivo e se tornou diretor de filmes pornô muito conhecido, até dirigiu um filme dos nacionais no qual rolava uma suruba gay.

O violinoEditar

Mesmo com a banda formada, nome escolhido e instrumentos roubados em suas mãos, Matt sentia que faltava algo: o violino. Precisava do violino pra dar um ar triste às canções, e foi isso que achou ao conhecer Padma, um violonista tão ruim que quem o escuta fica imediatamente triste. Contratou o rapaz a preço de banana: meteu a banana no cu dele e pronto, Padma é um nacional.

A FamaEditar

Não se deve chamar os nacionais de "famosos", mas no círculo indiegena eles são bem conhecidos como "a Lana Del Rey do rock", pois suas letras são melosas e suicidas, quando dão sorte de não serem paranóicas. Quando saiu o terceiro disco deles, os alternativos começaram todos a gostar dos nacionais porque virou modinha.

Tendo fama, os integrantes da banda finalmente conseguiram seus green cards para viver legalmente nos Estados Unidos e alguns até se casaram com americanas peitudas, e ficaram um pouco menos melancólicos por conta disso. Mas, mesmo felizes, o povo gosta da sofrência, então eles continuam escrevendo letras depressivas.