Abrir menu principal

Desciclopédia β

Nota: Para outros significados de tiamat consulte Tiamat (desambiguação).

Quevedo25on.gif Este artigo trata de coisas que nón eczisten!

Este artigo trata de algum mito, lenda, conto, história de pescador ou desculpa esfarrapada e provavelmente contém informações sobre animais grotescos que capturam sua alma.

NewBouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Tiamat.

Tiamat, ao contrário do que nos ensinou os tomos sagrados do Dungeons & Dragons, NÃO É um dragão de múltiplas cabeças, e sim uma deusa da Babilônia que simboliza o mar e o caos. No mito babilônico da criação, ela dá luz aos primeiros deuses, e também a outros monstros horríveis como escorpiões gigantes, serpentes colossais, políticos e Ana Maria Braga. O parto é difícil deixando-a arrombada e com sede de vingança. Ela tenta matar seus filhos, mas o deus da tempestade Marduk corta ela ao meio com uma motoserra depois de assistir ao filme Massacre da Serra Elétrica. As metades de seu corpo são utilizadas para formar o céu e a terra.

AparênciaEditar

 
Tiamat

Ela é descrita nas sete placas de argila que narram a origem do mundo, segundo os povos antigos da Mesopotâmia. Seu corpo possui uma cauda, coxa, gingado, barriga, úberes, costelas, pescoço, approach, cabeça, ombro joelho e pé ,crânio, olhos, narinas, boca e lábios guardados dentro de jarros de vidro com álcool. Além desses cortes de churrascaria, no seu interior bate um coração cheio de artérias entupidas de gordura e outras entranhas banhadas em sangue.

MitoEditar

 
Tiamat furiosa ao saber da morte de Apsu.
 
Marduk tinha um dragão de estimação patético que parecia mais com uma girafa.

Um deus chamado Apsu fica bêbado durante uma festa, e quando acorda na manhã seguinte descobre para sua vergonha que tinha encarado a deusa mocréia Tiamat. Dessa relação acidental nascem Lahmu e Lahamu, os deuses da lama e do barro. Esses deuses barrentos dão origem a mais dois deuses: Anshar, que sustenta o céu para não cair e esmagar todo mundo, e Kishar que segura o solo para ele não ruir e engolir tudo. Essas duas entidades taradas são ligadas sensualmente no horizonte, para sempre engatadas produzindo sem parar todo um panteão de novos deuses.

Apsu decide limpar sua cagada com a destruição de todas as criaturas geradas a partir de Tiamat. Enki, o deus mesopotâmico da inteligência (conhecido internacionalmente como o Capricórnio do zodíaco), atropela Apsu com seus cornos afiados, matando o deus genocida e impedindo a chacina de seus irmãos.

O deus da vagabundagem Kingu era o filho mais puxa-saco de Apsu e Tiamat. Dedo-duro, quando descobre que seu pai foi assassinado, corre para o templo de sua mãe onde conta tudo o que ocorreu. Tiamat fica furiosa com a morte de seu único amante, e passa a ter relações com Kingu, dando à luz para um exército de monstros deformados que lutam contra os deuses rebeldes. Para proteção divina, ela dá para seu filho e novo namorado as três tábuas do destino, que ele veste no peito para comandar os batalhões contra os inimigos.

Os deuses, cercados pela horda furiosa e sem opções, elegem o deus da guerra Marduk como seu líder e defensor. Marduk colecionava um arsenal em sua casa: flechas de vento, redes, porretes, lanças, socos-ingleses, AK-47, antrax, kung fu, bombas de hidrogênio e outras armas de destruição em massa. Com esses armamentos venceu as forças de Tiamat e Kingu, como descreve esse trecho de uma das tábuas:


E assim o Senhor sentou,
Nos pedaços de Tiamat,
E com uma furadeira perfurou os olhos,
Sua espada penetrou a vagina,
Com um alicate arrancou os dentes,
Com sua tesoura cortou a língua,
Com gasolina queimou o corpo,
O vento norte carregou as cinzas.

Dividindo o corpo da deusa em duas partes, ele criou o céu e a terra. As lágrimas de Tiamat foram transformadas nos rios Tigres e Eufrates. Kingu foi decepado, e seu sangue misturado à argila para criar a humanidade. Marduk retira e veste as tábuas ensangüentadas do corpo de Kingu, tornando-se a principal divindade da Babilônia.

Ver TambémEditar