Abrir menu principal

Desciclopédia β

Sculpture samurai.jpg

Made in Japan
Este é um artigo com tecnologia do sol nascente né.
E joga yakyû até cansar.


Cquote1.png HAHAHAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA NUNCA SERÃO Cquote2.png
24 Horas de Le Mans sobre os eternos fracassos da Toyota na prova

Cquote1.png O Corolla é um dos melhores carros para se dirigir! Cquote2.png
Tiozão sobre Toyota Corolla
Cquote1.png Hilux Toyota, eleito 45738 vezes pela revista Quatro Rodas como o melhor da categoria. Cquote2.png
Comercial da Toyota contando uma mentira

'Toyota, ou, se preferir, Recall-ota, é uma série de pranchas com rodas de motor geralmente tão beberrão quanto Jeremias José. Sediada em Tóquio, originalmente uma usina de reutilização de camisinhas japonesa em massa, hoje tem a mesma proporção de produção de carros. Fundada originalmente em outra galáxia por Yoda, meio ET, meio clone, como fornecedora de rodas de pedra para a companhia de carro de Fred Flintstone, a Toyota ganhou fama quando começou a imitar os projetos de fabricação americana e os mesmos projetos, principalmente o estilo americano de roda de pedra, batizando-os com nomes impronunciáveis japoneses como Yairisu, Korouna, Korouuraa, Kemmurri, Karugua e Kuresshida. Paleontólogos parecem concordar que, no início da Toyota têm uma semelhança notável com o Shag Dodge Wagon e até com a Chevrolet, principalmente com a tecnologia(?). Na verdade, a família de Kiichiro Toyoda(veja mais abaixo) tinha muito tesão pela família Ford(o Henry Ford era tão bonito assim?), e segundo a cultura da família, não podia se rebaixar a plagear os seus veículos. Porém a história tomou um rumo drástico quando a Força Aérea dos EUA jogou duas bombas atômicas em duas cidades japonesas, o que causou sua destruição completa e o final da Segunda Guerra Mundial, juntamente com metade dos escravos trabalhadores da Toyota. Foi após a Segunda Guerra Mundial que o governo japonês dirigido por um decrépito Samurai decidiu buscar vingança dos estadunidenses. Como resultado da sua reflexão nasceu a conspiração para conquistar a América e depois o resto do mundo; uma família de cada vez, e colocar a ilusão de um carro espetacular, mas que os faria quase falir gastando litros e litros com gasolina e manutenção. O que você sempre deve se lembrar quando estiver a conduzir um Toyota, porém, é que nos EUA o carro da frente é um Toyota, que, consequentemente, significa que você está em uma Toyota, de modo que para o carro de trás, o carro em frente é um Toyota. É por isso que a Toyota sempre vence corridas na NASCAR. Mas, como não dominaram o resto do mundo ainda, quando um Toyota está na rua, geralmente o carro da frente é um Fiat e o de trás é um Volkswagen, sendo que esse cara da Fiat está bebendo um Red Bull enquanto dirige. Tá aí o porque de na Fórmula 1 a Toyota ter ficado sempre atrás da Ferrari e da Red Bull Racing. Tanto que já até se retirou da F1... e continua passando vergonha em outros mundiais.

Típica maneira de achar dois carros Toyota na estrada

Índice

SurgimentoEditar

 
Toyota chegando nos países africanos.

Anakin Skywalker estava em sua oficina de sucata, em Tatooine, e decidiu que iria construir algo que o Yoda pudesse usar para ir à determinados lugares que ele já não aguentava ir, porque ele estava ficando velho demais, como, por exemplo, ir ao banheiro. Além disso, o aniversário de Yoda estava chegando. Como resultado, o Anakin Skywalker construiu o primeiro carro. Um bilhete, pendurado do lado do carro tinha as palavras "Para Yoda." Quando Yoda morreu, ele deu, em seu testamento, ele deu o carro para Luke Skywalker, sabendo que ele iria usá-lo sabiamente. Luke começou a criar uma empresa com as palavras "Para Yoda" na frente de cada carro, e ela se tornou uma empresa multi-planetária. Quando a estrela em que estava a sede dela explodiu, o que não aparece em nenhum filme da saga Star Wars, um carro voou para fora da galáxia, e, misteriosamente pousou no Japão, aqui no Planeta Terra

Desenterrando diversas áreas no meio do nada onde hoje é o Japão, um arqueólogo encontrou o tal carro que tinha vindo das galáxias, ainda com os dizeres: "Para Yoda", preso no chão. Em seguida, ele elaborou um plano, e então inventou sua própria versão simples da linha Para Yoda, adaptando também o nome para Toyoda, incrementando o carro com panelas volante, rodas de carroça, um aroma de cocô de cavalo e várias outras coisas que ele tinha encontrado. Infelizmente, seu projeto foi perdido quando um samurai malandro roubou o projeto, e o enfiou no cu. Mas gostou tanto da sensação que esqueceu de tirar de lá, e ficou com ele até sua morte, no qual acabou enterrado. Em 1919, um historiador estava olhando uma escavação, e encontrou o tal projeto encravado num esqueleto. Mais tarde, ele batizou seu filho com o tal nome, Kiichiro Toyoda. Kiichiro, que não podiam sequer pronunciar seu próprio nome, roubou os planos, e começou sua própria empresa, ironizando a maioria dos itens do projeto porque ele não conseguia descobrir como combinar a tecnologia avançada descrita no projeto. Finalmente, em 1937, Kiichiro começou uma companhia conhecida como Toyota, já que ele também queria zombar de seu pai, e evitar processos por direitos autorais do nome Toyoda. Depois de seus amigos ficarem sabendo do revolucionário projeto, e de contarem para todo mundo, todo mundo queria um Toyota. Eles foram os melhores no mercado, e Kiichiro logo se tornou o homem mais rico do mundo.

Início da lavagem cerebral nos americanos(1946-1975)Editar

Em meados dos anos 70, os americanos tinham grande admiração para carros de todas as grandes fabricantes de automóveis americanas como a General Motors, Ford, Oldsmobile e a Chrysler. Haviam gigantescos carros, bem como caminhões e tanques em tamanho maior para o exército. Assim, os japoneses tinham que se certificar de que todas essas montadoras americanas perderiam sua base de clientes para a Toyota, para que seu plano de dominar os EUA tivesse êxito. Com a ajuda de suas pesquisas, e usando ninjas treinados como agentes secretos, os japoneses começaram a semear o veneno sob a forma do movimento hippie dos anos 60. Os baby boomers e as crianças hippies de gerações seguintes logo cresceram e se tornou designers de automóveis da General Motors, Ford e Chrysler. Seus hábitos de fomar maconha e cultura paz e amor eram responsáveis pelos projetos a seguir:

Esse clima político favorecido por uma postura republicana forte dava a certeza de que esses carros não foram suficientemente cristãos, da mesma forma que os clérigos muçulmanos começaram a emitir notas contra esses carros, denominando-os como do Demônio e que iam contra a moral. Daí a primeira batalha psicológica já era ganha pelos japoneses.

 
O famoso(ou não) Dodge Holanda

No entanto, os europeus ainda estavam a produzir bons carros. Por isso os japoneses criaram a cidade de Amesterdã, com o seu sexo livre e drogas, uma cidade neo-hippie que logo se tornou "o" destino para designers de automóveis europeus para expressar seus sentimentos criativos. O resultado foram carros como o Dodge Mecânico. A guerra tinha começado...

A guerra de preços de petróleoEditar

Agora os japoneses haviam vencido a batalha psicológica contra os EUA e a Europa. Agora, a ideia era acabar com os americanos e europeus com a alta quantidade de combustíveis que os carros Toyota, já se tornando cada vez mais populares por não ter maconheiros os desenhando, precisariam para rodar. A Toyota se encarregou de começar a abastecer os países do Oriente Médio com Gueixas e mangás traduzidos para o árabe, em troca de um aumento exorbitante do preço do petróleo para esses continentes.

 
Luciano Huck realizou o desejo de Michael Jackson que comprou um Toyota durante um Lata Velha
 
Rico tem esse

Finalmente conseguia a ferrar com os americanos e europeusEditar

 
Típico carro com a qualidade Toyota

Agora, a empresa japonesa definitivamente entrou no mercado mundial com seus carros que enferrujavam tão facilmente que você não poderia mesmo conduzir perto de água sem o carro se desintegrasse em torno de você. Percebendo isso, mas não querendo que o povo norte-americano descobrisse, eles imediatamente começaram uma campanha para fazer lavagem cerebral no povo americano com uma campanha publicitária completa, com cores brilhantes e luzes piscando, para convencer as pessoas de que seus carros não estavam caindo aos pedaços mas sim ficando cada vez melhores conforme o passar do tmpo. E assim, esta geração começou a acreditar erroneamente que esta pequena lata sobre rodas realmente era um carro, e um carro de alta qualidade, ainda por cima. No entanto, havia ainda o problema dos carros se desintegrando. Este foi resolvido por um truque ninja secreto que a Toyota esconde na parte de trás de cada carro e, quando o carro se desintegra, ele imediatamente salta, manda para fora do carro o condutor e o passageiro, junta todas as peças do carro e as cola usando Super Bonder(daí o porque de em volta do carro ter determinadas marcas que você não tiha reparado quando comprou), usando sempre o famoso Toyota Production System e depois de tudo isso reanimar o motorista e seus passageiros e os jogando rapidamente dentro do carro para voltar a dirigir normalmente. Mas, algumas vezes isso não dá certo, e até no sistema de reparo rápido do carro já havia problemas. Resultado: Recall. E recall. E recall em cima de recall, a Toyota caiu no vício, e viu no mesmo uma forma de dar mais trabalho aos americanos, fazendo assim com que o carro viesse com alguns probleminhas de fábrica, como a falta de um instrumento que sem dúvida nem é tão importante assim, mas que por algum motivo desconhecido motiva todos a irem no recall e além de fazer um culto aos sacerdotes japoneses, inspirados na Mazda, para trocar tal peça por outra que a Toyota achou no ferro velho mais próximo, fez milhões de cópias, e distribuiu para todas as concessinárias para servir de gambiarra.

Efeitos da lavagem cerebral hojeEditar

 
Inspiração para os americanos serem tão gordos

Para a Toyota, a lavagem cerebral foi um sucesso completo. Hoje, a maioria dos nascidos desde a década de 1970 foram completamente afetados e agora acham que a Toyota é melhor que qualquer outro carro no mundo. Assim, eles são conhecidos como "A Geração Perdida", uma geração que é ao mesmo tempo fora de sua mente e delirante devido às vozes em sua cabeça dizendo-lhes a mentira(mecanismo parecido com o usado pela Rede Globo), e que nem se dão conta da merda que é o carro por ter que levá-lo à uma oficina quase sempre, entretanto a maioria dos carros reais, como aquelas feitas pela GM tem uma nova característica chamada uma cadeia de sincronismo. Esta mentira vive através da diversidade, onde qualquer pessoa que insulta um carro estrangeiro é automaticamente considerada preconceituosa. No entanto, ainda existem algumas pessoas mentalmente fortes, que como seus parentes em 1970, não foram convencidos por uma lavagem cerebral e seguem a comprar carros americanos, sabendo que eles são superiores em qualidade, desempenho e aparência. No entanto, os efeitos da lavagem cerebral estão começando a afetar a saúde de algumas pessoas. O aparecimento do excesso de peso de vários dos mais novos veículos da Toyota, inspiraram diversos americanos burros como sempre a acreditar que isso era alguma moda, e, começaram a aumentar suas idas ao Mc Donald's e ao Burger King para ficarem obesos assim como os carros. As pessoas também parecem acreditar que, porque alguns destes carros são montados os EUA, eles contam como "Carros Americanos". No entanto, isso não é verdade, e qualquer um com um pouco de inteligência sabe disso. A maioria das peças ainda são provenientes do Japão. Algumas fontes indicam que o dono da TOyota pagou um agrado ào Green Day para rolar a composição de American Idiot, que fez com que muitos americanos realmente idiotas cantassem isso e ainda por cima achassem orgulho de seu país por ter uma música dessa. A Toyota fez um bom trabalho...

Centro Tecnológico da ToyotaEditar

 
Ilha da Fantasia Centro Técnico da Toyota

A Toyota demorou alguns anos para poupar dinheiro suficiente para construí-lo. Quando finalmente foi construída em 1998, o CTT foi o primeiro centro automotivo do Japão feito de nova tecnologia. Essa construção é feita de papelão, papel crochê e papel de arroz, que são os materiais de construção só podem ser encontrados no Japão. A pintura ficou a cargo de tinta guache mesmo. Qualquer semelhança com uma miragem é mera coincidência...

No esporte a motorEditar

A história da Toyota no automobilismo é cheia de momentos em que eles conseguem arrancar a derrota das garras da vitória, como os exemplos a (não) seguir: