Abrir menu principal

Desciclopédia β

Pao-de-Queijo-1.jpg Minas Gerais... quem te viu, não te esquece jamais...

Uai, sô! Este artigo foi inscrito pur um minerim! Se ele inda num tá completo é por causo de que o disgramado deve tá comeno um pão de quêjo, um paster de milho ou a vaca atolada da tua mãe purque minêro come quéto!

Típica pessoa que fala "Uai" com ênfase.

Uai, expressão frequente no linguajar dos oriundos de Minas Gerais, tem sua origem na história colonial daquele estado, segundo nos teria informado Rudolf von Liptszerling, linguista austríaco, caso tivesse existido e entendesse de etimologia da língua portuguesa. No período em que foi prevalente intensa exploração de jazidas de ouro na província que se tornou Minas Gerais, no Brasil, os senhores ingleses, proprietários e gerentes das minas, expressavam sua curiosidade insaciável sobre hábitos, costumes, valores e estilos de vida de seus subordinados através da insistente pergunta, feita em busca de aprofundamento das respostas previamente dadas por seus interlocutores: "why? why? why? why?" que, (para os não anglofônicos e demais pessoas) quer dizer "por quê? por quê? por quê? por quê?". Os respondentes se viravam como podiam... e muitas vezes esbarravam na dificuldade inevitável de conseguirem explicar tudo o que os seus inquiridores insistiam em saber.

Ele garante que "Uai" é uma expressão danada de bonita.

Sonoridade confusaEditar

O som da palavra "why / uai" foi, progressivamente, se associando ao significado que permanece válido, hodiernamente: interjeição com significado próximo - mas algo diferente - do "por quê?", utilizada quando não se sabe muito bem o que dizer frente a uma indagação, ou quando a explicação das coisas se mostra difícil, ou quando se considera a pergunta imprecisa, ou quando se antevê intenções ocultas nas perguntas, ou quando se considera a resposta óbvia e a pergunta, por conseguinte, inadequada... situações nebulosas, de modo geral. Alguns exemplos:

  A que horas sairemos, amanhã?   Resposta:   Uai, não sei.  

  Onde está a caneta que deixei aqui?   Resposta:   Uai, num tá aí não? Pensei que tava...  

  Pensei que o aniversário era hoje!   Resposta:   Uai, e num é não?  

  Por quê você está perguntando isto?   Resposta:   Uai, é algum segredo?  

  Como vai a dona Maria?   Resposta:   Uai... você num sabe não?!     Não, uai.     Ela morreu.     De quê?     Envenenada.     Mesm?     Mesm.     Estricnina?     Não, formicida.     Uai... é bom também.  

Este artigo aqui tá uma porra!
Sabe o que acontece? Se não o aumentar vai ficar uma porra toda a vida!