Abrir menu principal

Desciclopédia β

Universidade Federal da Fronteira Sul

Cquote1.png Você quis dizer: UFSC Cquote2.png
Google sobre Universidade Federal da Fronteira Sul
Cquote1.png Você quis dizer: UFSM Cquote2.png
Google sobre Universidade Federal da Fronteira Sul

A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) é uma instituição de ensino pública, gratuita e de qualidade sediada num fim de mundo próximo a Guatambú Chapecó, e com campi em lugares onde judas perdeu as botas, como Erechim e Passo Fundo.

Ônibus da Auto Viação Chapecó seguindo para a UFFS

Índice

A (pausa dramática) InstituiçãoEditar

HistóriaEditar

 
Acadêmicos de humanas da UFFS na fila do RU

A vontade de ter uma federal nessa região esquecida por Deus e pelo governo estadual é antiga. Durante décadas o assunto foi pauta nas mesas de truco, nos matinês, nos bolões e nas mais diversas esferas sociais, pois como os jovens colonos da região só ficavam (e ainda ficam) capengando em subempregos e enchendo a cara na escadaria da igreja pra esquecer, cedo ou tarde se cansavam da monotonia e falta de oportunidade local, pegavam o Fuquê que ganharam de herança e igual na música "Os Seis Manés" iam sentido litoral curtindo Red Hot, Bob Marley e Charlie Brown, nunca mais voltando e deixando a região sem massa de manobra mão de obra.

Diante deste problema, em 2005 entidades, ONGs, igrejas e movimentos sociais conseguiram uma coesão para criar o Movimento Pró-Federal. Nesse ano também veio a primeira sinalização de possibilidade de implantação de uma universidade pelos compadres do governo federal. O apoio para a ideia de uma universidade federal na região aconteceu em agosto de 2007 onde fizeram atos públicos em mais de 15 cidades em prol da implantação. Em outubro, junto do presidente da república e messias da instituição, Mula, o então ministro da Educação, Andrade, O Pintor, confirmou a criação da universidade, com essa bagaça começando a operar em 2010.

Desde lá vem cumprindo com sua suposta missão, de dar oportunidade para o jovem e não faze-lo sair da região. Sobre as oportunidades agora temos muitas pois atualmente o mercado local está pra lá de saturado de profissionais e empresas de fora viram nisso uma oportunidade de mão de obra barata, (como consequência) o não faze-los sair da região também deu certo devido a média salarial cair e mal cobrir o custo de vida local, levando geral a se endividar até pra comprar um chinelo e virar dependente desses (sub)empregos.

MissãoEditar

  • Assegurar o acesso à educação superior em militância política como fator decisivo para o desenvolvimento dos companheiros na região da fronteira sul, a (des)qualificação profissional e a inclusão social;
  • Eventualmente desenvolver atividades de ensino, greve, de pesquisa, greve e de extensão e greve buscando a interação e a integração dos companheiros nas cidades e estados que compõem a grande fronteira do Mercosul e seu entorno;
  • Despromover o desenvolvimento regional — condição essencial para a garantia da permanência dos cidadãos politizados graduados na região da fronteira sul e assim diminuir o processo de ir fazer gandaia no litoral e ficar por lá litoralização.

VisãoEditar

  • Nos Facebooks dos acadêmicos pra ver se algum fala mal da instituição (leia-se: da universidade ou dos compadres).

ValoresEditar

  • Só nas contas bancárias dos reitores, coordenação e negativo no do DCE.

CursosEditar

 
Calouro de exatas da UFFS
 
Veterano de exatas da UFFS

Estou com preguiça de resumir um por um então vai um resumão:

  • Exatas: Neles os acadêmicos levam 9,5 anos pra se formar (pois se chegar a 10 perde a matrícula) devido a dificuldade, ao consumo de álcool e principalmente às greves.
  • Humanas: Já aqui levam 9,5 anos pra se formar (isso quando se formam) devido a só irem lá pra fazer greve.

Como IngressarEditar

Os interessados em bolar um na Universidade Federal da Fronteira Sul devem inscrever-se para o Vexame Nacional do Ensino Mérdido (ENEMESTUDEI), realizá-lo e, de posse da sua nota vergonhosa porém irrelevante, tentar inscrever-se no Sistema de Seleção Arbitrária Unificada (SiCÚ), é aquele lá mesmo que não funciona direito.

Além dos processos seletivos (ir)regulares, existem "outras" formas de acesso aos cursos de graduação, regidas por "editais específicos": aluno especial, transferência externa, retorno de graduado, processo seletivo para estudantes indígenas e processo seletivo para alunos haitianos. Para qualquer uma dessas modalidades (ou não), os interessados precisam acompanhar o site da Instituição e ficar atentos aos editais sem vergonha que são publicados.