Abrir menu principal

Desciclopédia β

Universidade Federal de Campina Grande

[[Imagem:|220px|center]]
UFCG
Universidade Federal de Campina Grande
Lema Estude mais.2
Fundação
Tipo de instituição Pública, federal
Orçamento anual
Funcionários
Docentes 24
Total de estudantes -1
Total de viciados {{{n_drogados}}}
Graduação fugiu
Pós-graduação 400+ [3]
Reitor(a) Prof. Thompson Mariz
Vice-reitor(a) Prof. Dr. José Edílson de Amorim
Diretor(a)
Vice-diretor(a)
Localização Bodocongó
Campina Grande
Cores
Afiliações RENEX
Página oficial www.ufcg.edu.br
Comissão de Processos Vestibulares
Contato
Reitoria UFCG.jpg
Instituições de ensino superior do Brasil Flag of Brazil.svg

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) é uma instituição de ensino superior, pública e federal, criada a partir de um golpe de Estado, roubando o campus da UFPB localizado na cidade em questão. Tem a sua sede em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Compõem ainda o universo dessa instituição seis outros campi localizados nas cidades de Pombal, Patos, Sousa, Cajazeiras, Cuité, e Sumé, na região do cariri paraibano.

Inicialmente correspondia ao Campus II da UFPB (Universidade Federal da Paraíba), no entanto, o espírito megalomaníaco aliado ao complexo de inferioridade dos campinenses foi desmembrado tornado-se a UFCG (Universidade Federal de Campina Grande). O nome da instituição denuncia o complexo de inferioridade (em relação à João Pessoa) dos campinenses porque a UFCG têm campus em outras cidades do estado, por exemplo, você pode trabalhar na UFCG (não lhe desejo este mal) de Cajazeiras (200 km de Campina) sem nunca ter pisado em Campina Grande. Depois do desmembramento os campinenses passaram a acreditar que a UFCG é melhor que a UFPB e está entre as melhores universidades do mundo (risos...). Apesar de todas as mazelas, a universidade é a únca merda que movimenta a economia de Campina pois traz alunos de fora para consumir drogas e álcool. O maior orgulho de qualquer campinense são os cursos de engenharia elétrica e computação da UFCG que todo ano forma os poucos nerds que não desistiram muitos jovens de outras cidades e que não veem a hora de sair da merda de lá. Os professores da UFCG geralmente vivem correndo atrás de mais uma greve, sempre apoiados pelos vagabundos membros do DCE (cuja única ocupação é roubar o dinheiro das carteiras de estudante) que se orgulham de terem promovido uma greve. O que mais chama a atenção na UFCG é um esgoto que cruza o minúsculo campus, não permitindo que os alunos esqueçam que estão na merda em Campina. Os cursos do centro de humanidades também chamam atenção porque conseguem formar drogados estudantes assistindo a uma ou duas aulas durante quatro anos. O índice de desistência na UFCG pode ser explicado pelo índice de mortalidade dos alunos que geralmente moram nas proximidades de campus e são assaltados diariamente pelos pivetes das 38 favelas de bodocongó. Os que não morrem em assaltos, infelizmente também não terminam os cursos porque morrem de overdose ou coma alcoólico, de modo que a UFCG não forma quase ninguém desde 1950. Os estudantes miseráveis que passaram fome a vida toda, se tiverem coragem de esperar durante 6 horas e meia de pé na fila, podem contar com banquetes diários no RU (restaurante universitário) onde desfrutam diariamente de fígado (verde, azul ou preto), feijão e farinha, servidos carinhosamente pelas simpáticas funcionárias.

Fundação e ReconhecimentoEditar

A UFCG nasceu como produto de inveja e despeito da capital do estado da Paraíba. O complexo de inferioridade dos docentes campinenses levou à criação de um terrível golpe com o objetivo de criar uma nova universidade com um vestibular ridículo, onde nem mesmos os elaboradores das questões são capazes de respondê-las, dentre elas, a criação da 4ª Lei de Kepler. É reconhecida como uma das maiores entre as instituições de ensino superior do estado, devido ao grande desvio de verbas federais do gorverno do estado para a instituição.

Ao longo da história das unidades que ora compõem a UFCG, a inclusão social e o desenvolvimento econômico da região sempre estiveram em destaque nos projetos e ações da universidade. Por essa e outras razões é que a UFCG se destaca no cenário nacional. Entre outros pontos que podem ser considerados, a UFCG se torna pioneira na região por ser a primeira universidade federal do interior nordestino; por ter sido a primeira universidade do norte-nordeste a adquirir um computador (na época, um dos cinco do país) em 1888, que é hoje conhecido como PC da Xuxa.

Campi, Centros e Unidades Acadêmicas e Cursos de GraduaçãoEditar

 
Campus da UFCG Na cidade de Pombal, no bairro Pereiras.

Desde sua criação, a UFCG conta com uma estrutura multicampi:

Campus de Campina Grande
Campus de Pombal
Campus de Patos
Campus de Sousa
Campus de Cajazeiras
Campus de Cuité
Campus de Sumé
  • Centro de Desenvolvimento do Semiárido - CDSA

Ligações externasEditar

Site oficial da UFCG


  1. História da UFCG. Departamento de ciências da computação, Acessado em janeiro de 2007
  2. Portal da Transparência
  3. UFCG em dados. PROPLAN, Acessado em janeiro de 2007.