Abrir menu principal

Desciclopédia β

Vinland Saga

Viva a violência!!!
Porrada e muito sangue
Vinland Saga é algo relacionado a Seinen

Este artigo tem a ver com animes/mangás muito sanguinários, onde os personagens enfrentam um mundo cruel e preconceituoso, desmembram seus inimigos ou vivem fodendo umas gostosas!
Briga, sexo, drogas e rock'n roll é algo que nunca irá fazer falta nesse artigo!

Finlandia Saga
コードギアス
Vinland Saga 1.png
Capa do primeiro mangá
Gênero Yaoi
Mangá
Autor Makoto Yukimura
Divulgação Kodansha
Onde sai Revista de Otaku Fedido
Primeira publicação 13 de abril de 2005
N° de volumes 22
Anime
Dirigido por Shuveu Nabunda
Estúdio What Studio
Onde passa Netorare TV
Primeira exibição 2019
N° de episódios 12
Filmes -
OVAs -

Cquote1.png Cadê hentai de Vinland Saga!? Como assim não existe? Só existe essas fanfics de merda Cquote2.png
Punheteiro sobre yaoi de Vinland Saga

Vinland Saga é um mangá sobre vikings que depois virou anime criado por um japa que estudou um pouco umas parada da Europa e achou que seria válido contar uma história que ele não sabe direito, como se os vikings pudessem ter sido um bando de otaku fedido. É um anime muito sangrento e sem valor cultural algum, com altíssimas taxas de cenas homo-eróticas, alto nível de brotheragem sem viadagem e muitas sapatonas. O objetivo desta obra é basicamente fazer com que você acredite que vikings, bárbaros, maltrapilhos e sem senso de direção descobriram a America 500 anos antes de Colombo, embora é claro vá se demorar uns mil capítulos para chegarem em Finland, e nesse tempo vai dar para ferrarem com o pai do protagonista e essas coisas que sempre tem em animes e mangás.

EnredoEditar

 
Momento icônico do mangá.

O anime narra a vida de Thorfinn, um islandês que não sabe o que fazer da vida, para onde vai, a quem servir e vai apenas sendo levado para os lugares. Como ele é burro e analfabeto, as únicas partes que talvez interessassem nesse anime, que é a parte de história da Escandinávia, são completamente ignoradas por ele, que tá sempre cagando para os reis, povos, invasões e toda barbárie que acontecia no século XI. No começo ele é só um moleque sequelado com síndrome de Estocolmo (até porque visitou a cidade) que decide servir de escravo para o assassino do próprio pai, porque na cabeça demente dele é a única forma de vingar o pai é se transformar num moleque que passa meses sem tomar banho, massacra vilarejos inteiros a mando do assassino do pai e depois apanha miseravelmente para esse mesmo assassino toda vez que o desafia para um duelo.

Depois de tanto tomar porrada, Thorfinn conhece o Rei da Dinamarca, Canuto, que é um baita de um viadinho pacifista que acha que pode resolver todos problemas do mundo apenas dando o cu para os machões assim acalmando-os. Ele estava enganado e Askeladd precisou convencer Canuto de que nem todos no mundo são viadões ativos, que sempre vão existir aqueles que querem apenas mulher e nenhum bumbum macio de homem passivo, convencendo assim Canuto a deixar de ser viado e tornar-se rei. Assim Canuto mata Askeladd e Thorfinn nunca pode ter sua vingança.

Alguns anos depois, de súbito Thorfinn se transforma em um gentil fazendeiro plantador de batatas. O seu sonho é um dia chegar no Acre, e parte então nessa jornada sem sentido, quando vai conhecendo todo tipo de lésbicas esquisitas, todas igualmente excluídas da sociedade, dando abrigo para elas em sua viagem. Se ele chega no Acre no final da aventura, não sabemos.

PersonagensEditar

Thorfinn
Garoto sem nenhum propósito na vida, quando jovem convenceu-se que a melhor coisa para fazer seria vingar a morte de seu pai, e para executar essa vingança tornou-se um lacaio do assassino de seu pai, Askeladd, deixando de tomar banho e executando massacres. E tudo isso pra nada, porque Askeladd morre nas mãos de um viadinho. Frustrado e sem saber o que fazer da vida, Thorfinn vira um escravo fazendeiro, ma sé libertado e fica menos ainda sem saber o que fazer. Decide então que quer chegar no Acre, então parte numa navegação sem sentido rumo ao nada.
Askeladd
Assassino do pai de Thorfinn, é um príncipe galês que sabe que o País de Gales é tão desprestigiado que vale mais a pena se tornar um mercenário do que ser príncipe daquela bosta. É um guerreiro habilidoso que assim como Thorfinn não sabe o que quer da vida, tanto que mata um fulano e depois adota o filho desse fulano por motivo nenhum. Ele considerava-se heterossexual, até conhecer Canuto e descobrir do que um trap japonês é capaz (aquele Canuto não é dinamarquês de jeito nenhum). Ele se sente tão desonrado por se apaixonar por um viado que exige que Canuto o mate, assim acabando com seu tormento.
Thorkell
É um marombado que tal qual Thorfinn e Askeladd também não sabe o que quer da vida. Aliás, o que esse anime nos ensina muito bem é como os vikings não tinham propósito algum. Ele está ali apenas para brigar, e sempre sob motivo nenhum.
Canuto
Um japonês ex-viadinho (o Japão tem mesmo o talento nessas coisas, até mesmo um viking os japoneses deram jeito de transformar num trap yaoi) que por muito tempo vestiu uma peruca loira. Depois de ser enrabado por Askeladd e perder o cabaço, percebeu que nunca gostou daquilo, então decide virar homem, tirou a peruca e deixou a barba crescer, virando o rei da Dinamarca e da Inglaterra.
Einar
Amigo que Thorfinn faz quando o protagonista vira fazendeiro. Sua única função na história é fazer caras de espanto toda vez que algum fato sombrio e sangrento do passado de Thorfinn aparece. E depois perdoar o amigo mesmo assim.
Gudrid
Uma tomboy que é uma das várias lésbicas que surge nesse anime, mas dentre todas as lésbicas é a que mais shippam com Thorfinn, até porque ela é falsa lésbica. Gosta de dizer que é lésbica só para parecer descolada e moderninha, mas todas noites se masturba com um consolo gigante pensando no Thorfinn, por isso o homem não pode sequer abraçá-la sem causar na menina orgasmos.
Hild
Mais uma sapatona que Thorfinn encontra, mas essa é sapatona de verdade, tanto que dá porrada em todo mundo, dirige caminhão, se veste como homem, bebe e está sempre com cara de poucos amigos, porque tem poucos amigos mesmo. Thorfinn matou seu pai e ela pensa em se vingar, mas subitamente muda de ideia quando percebe que o assassino de seu pai se tornou um fazendeiro gentil e honesto.