Abrir menu principal

Desciclopédia β

Voltage Fighter Gowcaizer

Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.
Smb-nes mario walk.gif
Voltage Fighter Gowcaizer é da época da Velha Guarda dos Games

certamente tem gráficos horríveis e uma dificuldade alta pra cacete


Voutêije Fáiter Gôuqueizer
Shaia rosto.jpg

Uma das vacas do game.

Informações
Desenvolvedor Technōs Japan
Publicador SNK Playmore
Ano 1995
Gênero Luta
Plataformas Arcade
Avaliação 3
Idade para jogar Maiores de 12 anos

Cquote1.png Você quis dizer: Voltei tarde do trem Cquote2.png
Google sobre Voltage Fighter Gowcaizer

Voltage Fighter Gowcaizer, ou simplesmente Gowcaizer, é um dos menos conhecidos games de luta da SNK, sendo mais lembrado por sua adaptação em anime, que é cheia de fanservice.

OrigemEditar

 
Ela me lembra alguém...

Originalmente, o game se chamaria Voltage Fighter Cowkaiser, que significa literalmente "Vacas Elétricas Lutadoras Alcoólatras que Gostam de Kaiser", pois a SNK teve a brilhante ideia de se inspirar naqueles comerciais televisivos da Toddy que mostram vacas falantes degustando o produto para criar sua própria franquia furry de games, competindo assim com Pokémon, Sonic e outros sucessos da concorrência.

Mas vaca bebendo leite não daria lucro por ser óbvio demais, então a inspiração foi mais além e alcançou os famosos comerciais de cerveja com mulheres de biquíni na praia, e as vacas foram ficando com o design cada vez mais sexy até que passaram de personagens kemono para mulheres gostosas, e o game ficou parecendo hentai.

Então, foram criados personagens masculinos às pressas e o nome foi alterado de Cowkaiser para Gowcaizer, que tmbém seria o protagonista homossexual homônimo.

HistóriaEditar

 
A presença de objetos fálicos é inevitável.
 
Tudo acaba em hentai!!

É o de prache, um enredo babaca e sem sentido feito só pra pancadaria rolar solta depois: em 1999, um terrível terremoto devastou Tóquio (grande novidade) e fez com que a região de Kanto tivesse de ser movida para uma ilha artificial controlada por computadores, junto com o governo japonês.

No meio da ilha, funciona a filial japonesa dos X-Men, a National Bernard Institute, uma academia que treina super humanos, ou seja, pessoas com habilidades fora do comum, ou seja, mutantes. Mas ao contrário dos X-Men, os alunos de lá não são discrimados, pois no futuro é muito comum alguém soltar um Choque do Trovão. Futuro? Sim, pois já se passaram 18 anos desde o fatídico terremoto e agora o ano é 2017.

De repente, inúmeros atos de maldade começam a acontecer na ilha, e "coincidentemente" desde que o National Bernard Institute ganhou um novo diretor. Mas quem leva a culpa de tudo é... o computador principal que controla a cidade! E ainda dizem que os orientais são espertos, tomar no c... opo.

Como sempre, o mundo será salvo por adolescentes bonitões usando roupas coloridas, neste caso o pessoal do National Institute Bernard, que se transforma em Power Rangers com a ajuda da cerveja pedra mágica Kaizer.