A Barata Humana

Desinopselogo2.png

Este artigo faz parte do DesFilmes, a sua coletânea de filmes rejeitados.
Enquanto você lê, um caubói briga com um bandido em um saloon em um filme de faroeste

Deesnider.jpg Este artigo só pode ser coisa de MONSTROS!

Estrague este artigo que eles vão avançar e te comer! Nos dois sentidos!
Para não despertar a fúria deles, melhore este artigo, tá?

AGORA CORRE!!!

Eis a barata que causou tudo, enquanto se infectava com a radioatividade

A Barata Humana é um filme cult, do gênero terror/drama/suspense/aventura/ação/romance/pornô de 1992, dirigido pelo mestre da nojeira David Cronenberg que também criou o roteiro, a trilha sonora e foi responsável pelos efeitos especiais. Causou um grande espanto na época. Recebeu vários prêmios.

SinopseEditar

O cientista e entomólogo Robert Roatche era um grande estudioso de baratas. Junto com as moscas, as baratas eram seus animais preferidos e dentre seus fetiches, eram os de masturbar uma barata. Sua maior pesquisa era a menina dos olhos do RR (Grupo de Pesquisadores de Baratas) e tratava da habilidade que estes insetos possuem. Animais resistentes à radioatividade, as baratas sempre impressionaram o cientista Robert Roatche. Nas pesquisas, Robert Roatche descobriu que a radioatividade não atinge as baratas porque seu exoesqueleto capta a radioatividade. Toda a radioatividade fica em sua casca, armazenada. A radioatividade gruda em sua casca como um chato gruda em um saco.

 
A mutação estava completa

Após trabalhar toda a manhã em sua pesquisa baratológica, Robert Roatche foi para a cozinha, que fica próxima ao laboratório, comer/tomar uma sopinha de batata. Robert ingeria sua sopa tranqüilamente na cozinha, pensando em sua importante pesquisa. Uma de sua baratas ficou grudada em sua calça durante a pesquisa. Esta barata era, justamente, a barata viciada em radioatividade, a barata mais radioativa do laboratório. Para sua infelicidade, esta barata foi a mosca que pousou em sua sopa. Sem perceber que o asqueroso inseto radioativo estava em sua sopa, Robert engoliu o inseto sem perceber nada a não ser uma estranha coceirinha na garganta e um gosto de pilha alcalina.

Após terminar sua refeição, Robert voltou ao seu laboratório. A coceirinha na garganta e o gosto de elemento X aumentavam cada vez mais. Para tristeza geral da nação, ele não virou um super-herói. Poderia ter virado o Homem Barata ou algo do tipo, mas ao invés disso foi se transformando aos poucos em uma barata. Quando estava no laboratório, Robert se olhou no espelho e viu que antinhas estavam nascendo em sua testa. Inicialmente ele achou que fossem chifres e já ia brigando com sua mulher mas depois percebeu que pelos estranhos nasciam em suas bochechas e um novo par de pernas aparecia. Foi o suficiente para Robert ficar doido e desmaiar.

Alguns dias desmaiados (E sua mulher nem percebeu. Tinha razão o cientista ao desconfiar da mulher) e o estrago já estava feito. Robert havia se transformado por completo em um ser metade barata e metade homem, um baratomem. Agora, aliando inteligência de barata e loucura de um homem doido, Robert faria loucuras pela cidade.

Ficha técnicaEditar

  • Título original: The Roach
  • Gênero: Ficção científica/terror dramático
  • Ano de lançamento: 1992
  • Direção: David Cronenberg
  • Roteiro: David Cronenberg
  • Estúdio: Megadrive Studio
  • Tempo de duração: 77 minutos

ElencoEditar

 
Por mais que tentasse, Robert não conseguia vomitar a barata. Ele regurgitou até o jantar da quarta feira passada mas a barata continuou em seu estômago
  • Steve Steven: Robert Roatche/Barata Humana
  • Sharon Stone: Esposa vagabunda
  • Joseph, a barata: Barata radioativa que causou todo o estrago

Curiosidades e premiaçõesEditar

  • Joseph, a barata, apesar de aparecer apenas por 3 minutos, recebeu o prêmio do Oscar de melhor ator coadjuvante.
  • A atuação de Joseph agradou os críticos do mundo todo. Foi a atuação mais sincera que o cinema já viu.
  • Nenhuma barata se feriu durante a produção deste filme.

Ver tambémEditar