Cquote1.svg Você quis dizer: Cabuçu do pé rachado e da boca roxa Cquote2.svg
Google sobre Amapá
Cquote1.svg Você quis dizer: Pará do Norte Cquote2.svg
Google sobre Amapá
Cquote1.svg Você quis dizer: Guiana Brasileira Cquote2.svg
Google sobre Amapá
Cquote1.svg Olha o Amapá aí geeente!! Cquote2.svg
Neguinho da Beija-Flor sobre Amapá
Cquote1.svg Minha fazenda Cquote2.svg
José Sarney sobre Amapá
Cquote1.svg Existe sim! Eu passo as minhas férias de Verão lá. Cquote2.svg
Filho do Capeta sobre Amapá
Cquote1.svg Eu estou derretendo, eu estou derrr-rre-ten... Cquote2.svg
Sorvete sobre Amapá
Cquote1.svg Eu tam... Cquote2.svg
Outro Sorvete sobre Amapá
Cquote1.svg Là c'est un excrément!!!! Cquote2.svg
Sub-Francês sobre Amapá
Cquote1.svg O que esse viadinho falou? Cquote2.svg
Amapaense ignorante sobre citação acima
Cquote1.svg Ele disse: Foda-se em Sub-Francês. Cquote2.svg
Amapaense bilíngue sobre citação anterior
Cquote1.svg Eu me escondo lá. Cquote2.svg
Wally sobre Amapá
Cquote1.svg Vou montar uma filial lá. Cquote2.svg
Capeta sobre Amapá
Cquote1.svg Vocês tem que parar de roubar nossa cultura, o Pará é muito melhor que vocês, aceitem que dói menos Cquote2.svg
Paraense sobre Amapá
Cquote1.svg Meu estado Cquote2.svg
Davi Alcolumbre sobre Amapá

Território Federal do Amapá
Bandeira do Território Federal do Amapá
Bandeira do Amapá
Brasão do Território Federal do Amapá
Brasão do Amapá
Lema Não mais besta logo
Hino "Rir como nunca,chorar como sempre"
Gentílico Índio quase francês e paraense
Localização
Localização do Território Federal do Amapá
Região Centro Hemisférico-Horizontal da Terra
Capital Macapaba
Cidade mais importante Oiapoque
Estados limítrofes Calypso Land, Sub-França, Acre e Sol
Governo
Governador Um mesmo de sempre
Partido PDT
Características geográficas
Área
População 800 índios (como sempre), paraenses (como nunca) hab. Fev. 2008
Densidade 0,000000000001.10²
Clima Mais quente que o Inferno!!!
Indicadores
Analfabetismo 100% 7/05/2021
Mortalidade infantil 100% no Perpétuo Socorro e no Marabaixo em Macapaba(capital) ,Santana e Resto 7/05/2021
Expectativa de vida 80 anos 7/05/2021
IDH 1,00 7/05/2021
PIB R$ 150,00 7/05/2021
depende do rombo no poder público% do nacional
PIB per capita R$ 500000,00 7/05/2021

O Território Do Amapá, ou Guiana Brasileira, também chamado Território Rebelde do Pará (Pará da deep web), é um território do Brasil que desde 1988 finge ser um estado do Brasil. Está localizado no hyper-extremo-Norte do País. Sua capital é Macapá, localizada lá no meio do mundo, e ganhou fama nacional após desfilar como Rainha de Bateria da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis, ajudando a dar o título de campeã do Carnaval de 2008 à escola.

Amapá é conhecido por suas cidades que não possuem nem bandeira, nem brasão e nem hino, todas seguindo o mesmo padrão de possuírem um nome aleatório sem qualquer relação com a realidade. Porto Grande não tem porto e nem é grande. Laranjal do Jari não tem laranjas e nem ninguém chamado Jari. Tartarugalzinho não tem tartarugas. Mazagão não tem mouros. Serra do Navio não tem serra, nem navio. Pedra Branca do Amapari‎ não tem pedra branca. E assim por diante.

HistóriaEditar

 
Fortaleza de São José Sarney, é a casa oficial do dono senador do Amapá (Ele deu ordem para construir). Nos finais de semana, ela também funciona como ponto turístico.

O estado do Amapá possui uma história medíocre muito recente, pois o seu território só foi ocupado por José Sarney e pelos Paraenses em 2007 e tornou-se um estado da federação somente em 2008. É o estado mais isolado do país, não existe nenhuma rodovia ligando o Amapá com o resto do país. Para terem ideia até mesmo o Acre (que não existe) tem uma rodovia o ligando com o resto do país... o ACRE!!!

Do que se sabe até hoje, o território amapaense é alvo constante de tentativas fracassadas de invasão pelos Sub-Franceses. Porém, todo o estado está coberto por uma densa camada de dejetos de esgotos e excrementos, o que dificulta toda e qualquer possibilidade de locomoção durante a "penetração" na selva. Isso sem mencionar as defesas biológicas (dengue, febre amarela, malária e cólera) que protegem toda a região dos intrusos.

Temendo uma provável e quase inevitável invasão sub-francesa, os poucos habitantes do Amapá decidiram construir um forte para protegê-los: A Fortaleza de São José Sarney, patrocinada pelo proprietário-político-totalitário-idolatrado-multieleito-pseudoamapaense-ex-presidente José Sarney. Todo o material utilizado na construção do forte foi comprado com o dinheiro do PAC. Tal forte é famoso por nunca ter sido usado para defesa territorial, constatando a total falta de interesse geral pelo estado.

 
o apagão que causou altas confusões no Amapá em 2020 pode ser resolvido usando o tema claro do Discord no Amapá

Até o ano passado, a população era de(14 pessoas) sobreviviam de forma primitiva, enquanto a elite (ricos) possuem pedras, o que lhes da vantagens em batalhas, então o Sarney foi um dos primeiros a tentar levar a civilização, mas não deu tanto certo, devido aos índios não aguentarem seus abusos, serem tratados como bois e serem comidos, e ele foi expulso da região, mas entraram os paraenses para colonizar, mas não para ajudar, pois os paraenses fizeram o Amapá ser assim, não desenvolvido,mas ser um estado mais quebrado, continuando isolado e humilhado, com o seu jeito.

PolíticaEditar

O Amapá é desgovernado por Waldez Góes e sua família desde 2003, quando venceu as eleições e desde então vem mandando e desmandando no estado juntamente com seus irmãos, primos, amantes e parentes em geral. Elegeu seu primo Roberto Góes em uma eleição "totalmente limpa" em 2008. Antes tinha como governador João Capiberibe, que deu poder ao povo da floresta e levou no toba quando comprou por R$ 15,00 reais um saco de tip-top para duas mulheres e foi cassado do senado, juntamente com sua esposa Janete Capiberibe. Já teve um governador chamado carinhosamente de Abelha, nomeado pelo então presidente Sarney. Annibal Barcellos também foi governador do estado e junto com seu filho criou a política dos 15%. Tudo que fazia, tinha sua comissão.

Vale salientar o famoso Movimento Xô Sarney, que nasceu na internet quando o grande coronel do Maranhão desde a colonização do Brasil tentou se reeleger para o cargo de Senador pelo estado do Amapá em 2006. Sarney viu-se ameaçado por uns nativos do estado que ousaram chamá-lo de feio pela tecnologia da então desconhecida internet. Ninguém lia, mas os assessores do Sarney já conheciam o Google e viram um muro pintado com o rosto do coronel. Ele ficou mordido, chamou um advogado do Senado Federal e processou todos que acessavam a internet. E assim ganhou quase 276 milhões de reais (dos processos e da GAUTAMA/Zuleido Veras) e conseguiu se reeleger comprando tip-top pros maranhenses que ele retirou do Maranhão na grande seca de 1991.

EconomiaEditar

Além da venda dos seus direitos de imagem para se tornar tema de escolas de samba, a economia do Amapá baseia-se na extração de seringa das seringueiras. Os seringueiros ajudam na economia do estado passando o dia inteiro tirando o leite do vegetal.

Suas atividades principais são: Jogos pesca, drogas, extrair leite de troncos e caçar dinossauros que são muito comuns na região

Na região do Oiapoque, a economia está baseada na exportação de cultivos de maconha e cocaína e na importação de LSD e Ecstasy vindos da Europa via Sub-França.

As Putas Garotas do Vale do Jari ajudam a economia da região a se tornar uma das mais desenvolvidas de todo o estado. A extração de Mangas já foi a mais importante do estado durante o século VIXI. Roubada Extraída pela mineradora portuguesa TECOMI, o produto era extraído da região conhecida como Serra do Navio.

A economia do Amapá é tão insuficiente (0,000000002% do PIB nacional), que eles são obrigados a importar quase tudo do Pará. Por exemplo: açaí, tacacá, pato no tucupí, círio, calypso, emos, pacu, mulheres, dinheiro, Orkut, festa de tecnobrega e eticéteras.

TurismoEditar

O Amapá é conhecido pelas suas belezas naturais e seus pontos turísticos mundialmente conhecidos.

Além do forte do Sarney, a cidade de Macapaba possui outros pontos turísticos. Pode acreditar!

Um deles é o misterioso Trapichão de Macapá. O trapiche é conhecido pelo seu comprimento, pela presença de um bondinho maldito no qual você pagava R$50,00 apenas para levá-lo para a ponta do trapiche, um lugar desconhecido por muitos nativos — nem mesmo Google Maps pode mostrar o que há no final do trapiche. No dia da inauguração do bonde, foram selecionados cinco infelizes — além do condutor — para levá-los até o final do trapiche e finalmente desvendar esse mistério que perpetua por séculos e séculos. Passaram-se 13 dias após a viagem do bondinho e até então ninguém sabia se a viagem foi bem-sucedida ou não. Até que às seis horas, seis minutos e seis segundos do dia 6 de junho de 2006, o bondinho foi finalmente visto, sem quaisquer danos, porém dos seis ocupantes, apenas o condutor retornou, totalmente irreconhecível. Então o bondinho do trapiche foi desativado para sempre. Até hoje muitas pessoas já tentaram chegar até o final do trapiche, mas até hoje, ninguém retornou para falar sobre o que há nesse maldito lugar. Mas se você for idiota capaz de ir até o final do trapichão e voltar vivo e em sã consciência, será construída uma estátua para homenageá-lo. Assim, a cidade ganhará um novo item de decoração e servirá também como um acessório multiuso para pichadores e pombos.

InfraestruturaEditar

Por sua localidade isolada, o governo brasileiro trata o Amapá como se fosse uma reserva ambiental, garantindo portanto apenas o básico para onças, garças e araras sobreviverem. Isso explica, por exemplo, porque não há fornecimento de energia elétrica no estado, porque não vale a pena para o governo enviar tantos cabos de energia elétrica para o território se nem é necessário. É claro que, os aborígenes locais fazem ligações clandestinas para ter condição de ligar a geladeira e assim manter uma cerveja gelada, mas sempre que o governo federal descobre essa irregularidade, ele vai lá e corta, como foi o caos do grande corte de energia no Amapá em novembro de 2020.