Amdré Young

Cquote1.svg Esse jogo é muito bugado, vou terminar ele não Cquote2.svg
Amdré e sua desculpa padrão ao levar um pau da IA por ser ruim, antes de abandonar mais uma série com potencial pela metade

A imagem usada em seu canal "principal", só o Diabo sabe o motivo.

Turutuuu tuuuuuuuuuuuuuuh (intro) Amdré Young é um ventríloquo argentino com uma enorme paranoia mental descontrolada de fazer um zoológico de pessoas. Assim como em Fragmentado, possui três personalidades distintas, a primeira atende pelo nome de "Amdré" (e faz sucesso entre os nerds tetudos na hora do almoço), a segunda por "Andrezitos" (que faz sucesso entre a criançada e retardados em geral) e a terceira por "Erika" (que faz sucesso nas praias de Santos no período noturno).

Esta entidade do YouTube, com os seus vídeos que sempre giram em torno dos dez minutos, apareceu do nada ao fazer uma gameplay de Spore (onde, com os seus conhecimentos de biologia, nos apresentou a forma mais primitiva que já existiu na Terra, o banheirosnutelicos, ancestrais diretos de Luccas Neto). Vale ressaltar também o seu podcast Valdir (que porra de nome é esse?), gravando juntamente com seus amigos fracassados.

CarreiraEditar

Cheirou muitas no pau do travesti, como qualquer bom morador de Santos.

Momento pré-YouTube, que ninguém se importaEditar

Sabe-se que antes da carreira de agiota youtuber, Amdrézito cursou biologia em instituição duvidosa, e participou do ciência sem fronteiras, indo para os Estados Unidos fazer turismo com o nosso dinheiro. Seus dotes de programação vieram de cursinhos fuleiros da Udemy, juntamente com uma especialização no Guia Hacker.

Atualmente, por receber "pouco" (entre muitas aspas) do YouTube, Amdre alicia menores a participarem de cursos como o de agiotagem desenvolvimento de games da DankiCode (o qual não será linkado aqui pois não recebemos jabá deles, diferente de Amdré).

Vale ressaltar que parte da carreira do meliante foi relacionado com o tráfico estudo de animais silvestres contrabandeados em sua faculdade de biologia.

Dizem as más línguas que Amdré não existe, é apenas o Pirulla utilizando aquele filtro que faz parecer mais jovem, e por este motivo que ele parece estar sendo dublado. Por que realmente está. Mas isto não passa de uma teoria, nada confirmado até o momento.

Momento YouTube, que ninguém se importa tambémEditar

 
Amdré em 1994 com Jim Carrey, a prova que assim como Nicolas Cage, ele é um vampiro que não envelhece, ou realmente é o Pirulla.

Após sua série de Spore acabar e ele perceber que entreter pessoas doentes ou desocupadas é o que dá dinheiro no YouToba, ele começou a fazer várias séries aleatórias para pessoas aleatórias que apenas precisam de uma companhia virtual para a sua hora de almoço, já que quem assiste o canal dele com toda a certeza não sabe o que é um relacionamento com uma pessoa real.

A primeira das séries foi uma de comentários muito esclarecedores sobre filmes de uma empresa cujo ele é dono e não podemos citar nomes para não tomar strike, sabe como é, coisa assim não é brinquedo não.

Depois de fazer vários vídeos, alguns meio capengas, outros completamente (mas sempre com os emblemáticos dez minutos), nosso amigo começa a perder visibilidade, então para não cair no limbo do ostracismo, ele participa de um banheirão no centro da cidade de Santos para conseguir inspiração de drogas (daí veio a música Pelados em Santos), e assim vem a ideia de dividir sua alma em duas: Amdre e Andrezitos, com o segundo sendo um canal secundário de games, mas secundário só na cabeça dele, já que esse canal viria a ser muito mais zoado e interessante do que o principal, que ninguém liga muito por ser aleatório demais.

Há pouco tempo, nosso amigo argentino descobriu que existia algo além do YouTube... os Podcasts, uma maneira de conseguir dinheiro sem precisar se preocupar com bobagens como edição de vídeo, portanto algo muito mais preguiçoso e fácil de fazer.

O podcast do qual ele participa, Valdir (obviamente precisaria ser um nome aleatório que nos remete a um cidadão brasileiro cachaceiro de no mínimo sessenta anos), é uma depreciação geral e total feita por um grupo de imbecis (dois advogados, um youtuber, uma fruta e um ser de outro planeta) que não sabem o que falam e mesmo não tendo propriedade de nada falam de tudo. Entre assuntos variados o que mais se destaca é a merda, que mesmo não tendo um especial próprio, está em todos os vídeos.

Séries de maior fracassoEditar

A maioria das séries, especialmente as de games, ele larga pela metade por pura preguiça, já que não faria sentido mesmo ficar explorando por mais de duas horas jogos ruins de flash (sua especialidade) apenas para agradar pré-adolescentes desocupados. Mas algumas poucas vezes, como que por um milagre do destino (e por milagre das visualizações) ele termina uma ou outra série.

SporeEditar

 
O famoso toletão de bosta conhecido como Avestruz, uma criação perturbadora de uma mente perturbada.
  • Primeiro Episódio: Com seus conhecimentos em biologia, manipulação de DNA e uma pitada de drogas, ele cria um bicho com base em porra nenhuma chamado Avestruz, que na verdade não é um avestruz, se assemelhando mais a um toletão de bosta. Obviamente trilhar uma rota pacífica não é o que os adolescentes revoltados metidos a gótico que não tem medo de nada querem ver, então para a série não flopar rápido demais, ele faz o bicho ser um total pau no cu e agressivo com quem vê, atacando até mesmo aqueles bichinhos fofos com uma piroquinha no nariz.
  • Segundo Episódio: Ele criou mais três espécies totalmente recicláveis, Picklenius Rickert, Coelhos CUelhos e Banheiros Nuttelicus, mas essas não fazem tanto sucesso quanto o Avestruz, e como não possuíam potencial de gerar views, logo são descartadas e perdidas para sempre. Como o baile não pode parar, ele fez mais duas versões do Avestruz: Versão caçador de otários e versão árvore, ambas aberrações da natureza, como se a primeira versão não fosse o bastante.
  • Terceiro Episódio: Os Avestruzes ficaram tão burros que fizeram uma tribo. Uma outra tribo apareceu, que foi chamada de "Tribo dos Estrondas". No fim, após o pau comer, como os Avestruzes são controlados por um humano (ao menos na teoria) e os Estrondorosos são controlados pela IA burra do jogo, os toletões conseguem vencer a briga e partem para o próximo nível.

MineirinhoEditar

Uma das pessoas que ajudou a popularizar o maravilhoso jogo brasuca do nosso amiguinho viciado em hamburgão e pimentinha, Amdré não necessariamente joga Mineirinho Ultra Adventures para fazer os seus vídeos, até porque jogar essa porcaria é impossível para qualquer um. O que ele faz é destrinchar a lore, e provar por A + B que Dennis, o criador desta obra de arte, é na verdade um gênio contemporâneo, que criou seu game com base nos conflitos internos de um mineiro simples que tenta ganhar a vida.

DesaprendendoEditar

Assim como a Desciclopédia, ele está firme na missão de espalhar o desconhecimento pelo mundo, fazendo com que os brasileirinhos e as brasileirinhas fiquem ainda mais imbecis do que já são. Nessa série ele já destrinchou os mistérios sobre os dinossauros, vírus, bactérias, sua mãe e qualquer outro bicho asqueroso que ninguém liga muito.

Swords and SandalsEditar

Após passar a lançar todo o conteúdo que presta em seu canal secundário, Amdré nos apresenta Roberto Carlos, um grande gladiador/cantor/pirata que mata os inimigos com o poder de suas cordas vocais e sua perna de pau. Fazendo a build mais cagada e bugada possível, ele consegue fazer com que Robertão triunfe sobre todos os seus inimigos e se torne o rei do processo da música.

JackSmithEditar

Para não dizer que nunca terminou uma série em seu canal, Amdré finalizou JackSmith, um joguinho meia bomba que provavelmente nem mesmo o criador teve saco de ficar mais de dez horas grindando jogando para chegar no decepcionante chefão final. Ou melhor, ele não fechou o jogo de fato, já que após o chefão o grind jogo continua, mas para não dizer que estamos com má vontade para com o nosso amigo argentino, faz de conta que ele fez tudo o que tinha que ser feito no jogo.