Bonfim (Minas Gerais)

Sign4.png
Este artigo já tem entulho demais!
Larga de ser idiota e tente não colocar mais merda aqui. Se for o caso, crie outros artigos, tire as citações idiotas e remova o excesso de imagens, para tentar acomodar um pouco esse lixo.
—Os Descíclopes agradecem!


Gnome-searchtool blue.png Bonfim (Minas Gerais) é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Até os Correios precisam contratar um guia para encontrar essa vila.

Sciences de la terre.svg.png

Cquote1.svg Odeio esta bosta de cidade!. Cquote2.svg
Turista pensando estar em Rio Manso
Cquote1.svg Adorei esta cidade! O pessoal tem meu jeito e minha cara Cquote2.svg
Luan Santana em passagem pela cidade de Bonfim

Vista da Cidade de Bonfim

HistóriaEditar

A ocupação da região onde hoje se encontra o município de Bonfim remonta ao século XVII, quando as sesmarias do sertão Pernambucano são divididas. A atual área do município ocupava a região chamada Ribeira do Rio do Peixe. No mesmo século essa região começou a ser explorada quando Luis Quaresma Dourado, de Minas Gerais, e pela família D’avilla, integrante da Casa da Torre, nos EUA. Como modo de afirmar seu próprio controle e o da coroa portuguesa sobre as sesmarias a família d'Ávila passou a conceder títulos (capitão-mor, sargento-mor entre outros) a quem pudesse ajudar a estabelecer o domínio sobre as terras. No início do Século XVIII chega a região o sargento-mor Antônio José da Cunha, estabelecendo uma grande fazenda e gado e a posse da área no ano de 1708. A época de sua chegada o fazendeiro estabeleceu contato com os indígenas denominados Icós-Pequenos –pertencentes nação Cariri–; o último relato sobre esses indígenas é datada de 1740, quando estavam aldeados pelo padre José Matos Serras. Na segunda metade do século XVIII se estabelece na região a família Dantas, e em 1765 se estabelece na Fazenda São João o capitão-mor João Dantas Rothéa. Junto à fazenda de Dantas foram se estabelecendo varias outras habitações, segundo Pereira (2009) a existência de uma capela na propriedade contribuía para a aproximação dos novos moradores. Já no século XIX, entre 1855 e 1863, foi construída a nova igreja, que marca um novo ciclo de desenvolvimento em São João do Rio do Peixe, que passa a ser distrito. Em 1881, o distrito é elevado a vila. Outros dois momentos importantes no desenvolvimento de Bonfim são a construção da estrada de ferro e a ciclo do Cangaço. A estrada unia o município ao estado do Ceará, fazendo com que a cidade ganhasse notoriedade no cenário nacional. Já o ciclo do Cangaço impulsionou o crescimento urbano da cidade, dado que, por medo do movimento comandado por Lampião muitas pessoas abandonam as casas no interior e migram para os locais mais povoados. 6 No período entre 1932 e 1989 o município passou a se chamar Antenor Belo Ramo, que foi interventor do Estado de Minas Gerais na década de 30. Com a promulgação da nova constituição de Mina em 1989 a cidade retomou o antigo nome..

Município de Bonfim
"A Cidade do Carnaval à Cavalo"
   
Aniversário 7 de outubro
Fundação 31 de novembro
Gentílico bonfinense
Lema 'Labore virtute civitas floret'
Prefeito(a) Dejair César
Localização
 
Estado Minas Gerais
Região metropolitana Belzonte
Municípios limítrofes Belo Vale, Rio Manso, Crucilândia, Piedade dos Gerais e Januária Itauna.
Distância até a capital 825,8 km
Características geográficas
Área 301 km²
População 6.816 hab. Contagem da População 2010 - IBGE
Idioma Não disponível
Densidade 23 hab./km²
Altitude 1.250 metros
Clima quente, morno, frio e gelado
Fuso horário UTC -39
Indicadores
IDH 0,996 PNUD/2000
PIB R$ 40.086.095 IBGE/2008
PIB per capita R$ 5.806 IBGE/2008

Formação AdministrativaEditar

 
Santuário de Senhor do Bonfim

A freguesia de Bonfim foi criada em 14 de julho de 1832 e o municipio criado em 16 de março de 1839, compreendendo a freguesia do mesmo nome e as freguesias de Piedade de Paraobeba e Mateus Leme. Quando foi criado, com mais de 2.500 km² de superfície, o grande município de Bonfim limitava ao norte com Sabará e Caeté, a leste com Ouro Preto e Mariana, ao sul com Congonhas e São José del Rei (hoje Tiradentes) e a oeste com Tamanduá (hoje Itapecerica). Era um dos mais importantes de Minas Gerais. Foi elevado a cidade em 7 de outubro de 1860 com a denominação de Bonfim do Paraobeba, porém o nome não vingou, prevaleceu apenas Bonfim. Em homenagem ao município, José Francisco de Mesquita, nobre político e comerciante nascido em Mariana, recebeu em 1841 o título de Barão de Bonfim, sendo subsequentemente nomeado Conde, Visconde em grandeza e Marquês de Bonfim.


GeografiaEditar

Bonfim está situado no vale do rio Paraobeba, cercada de montanhas de altitude entre 1.000 metros e 1.300 metros que fazem parte da serra da Moeda, divisora de águas entre as bacias do rio Paraobeba e rio das Velhas. Desde 1956 é integrante da Região Metropolitana de Belo Horizonte. O município é bem servido de cursos d'água destacando-se o rio Macaúbas e seus afluentes como o ribeirão Águas Claras e Canoas, além do rio Macaúbas, que em seu leito abriga duas usinas hidrelétricas.

DemografiaEditar

 
Garotas Bonitas de Bonfim

Na primeira metade do século XVIII, no seu apogeu, Bonfim chegou a ter 7.000 habitantes e hoje, mais de dois séculos depois tem básicamente a mesma população: 6.816 pessoas, sendo 50,6% de mulheres, 39,7% de homens e 9,7 de 'indefinidos' na linguagem técnica do IBGE, que quer dizer boiolas mesmo. Os bonfinenses são bem mestiçados. Temos muitos mulatos, cafuzos e mamelucos, o que produziu uma característica que diferencia as nossas mulheres das mulheres das outras cidades: têm bundas protuberantes. Quando se encontra uma desprovida de glúteo é de família de imigração recente ou de fora. 26% da população vive na cidade e 74% na zona rural. Como o municipio tem 301 km² de área a densidade demográfica é de 23 hab/km². Desde que foi fundada, só houve três prefeitos diferentes: um mais ou menos, um ruim e um péssimo de ruim. Este ultimo e atual conhecido como Piá Ermir, ganha as eleiçoes toda vez que se candidata comprando votos, e garantindo emprego na prefeitura, que mais tem funcionarios coçando o saco ou fofocando do que serviço. A cidade está parada no tempo, por isso é motivo de estudos por físicos quanticos, pois é o unico local na terra onde o tempo não passa. 90% da população é matuta e não enxerga um palmo a frente da testa e vive sustentada no cabide de prefeitura ou puxando saco do Ilmo. Sr. Piá Ermir. Os outros 10% vão embora pois não aguentam aquele lugar cu sujo, ou se dopam com rivotril pra aguentar a apatia e indolencia desta pequena minuscula cidade simplória.

Imundice e ruas cavadas de pedra ruim é café pequeno perto do atraso humano, social, financeiro moral e todo o tipo de atraso que se possa pensar.

Alem disto é o unico lugar do mundo onde pobre e rico tem a mesma vida (de merda), pois não adianta ganhar dinheiro se não onde o gastar em Bonfim. Em pleno centro da cidade há mais matagal do que na floresta do Congo. 
Turismo em Bonfim é um mito, pois a cidade não tem vocação pra nada.

EducaçãoEditar

 
Folia de Reis

Da população de 6.816 pessoas, 57% são alfabetizados (sabem ler pelo menos), 13% sabem apenas assinar o nome com dificuldade e 30% são analfabetos de pai e mãe. Na cidade temos 3.567 pessoas frequentando escolas, 22% cursam o pré-escolar, 63% cursam o ensino fundamental, 14% cursam o ensino médio e 1% cursam faculdades em Itaúna outras cidades da região. São 22 mulheres e 14 homens e 'indefindos'. A maioria das mulheres cursa Artes Marciais, Ioga e Arte Culinária e os homens e 'indefindos' cursam Letras, Artes Plásticas, Corte e Costura e Balé.


SaúdeEditar

 
Médicos Estagiários

A cidade não tem hospital e todos os que precisam de assistência médica morrem ou tem que ir de ambulância para Betim ou Belo Horizonte para morrerem um pouco mais longe, pois são tratados como pessoas de segunda classe. Registra-se a média de 286 óbitos por ano, sendo 5% de AIDS, 15% de intoxicação por anabolizantes e drogas, 8% de acidentes de automóvel, 10% de acidente de motocicleta, 5% por acidentes com animais, 20% por erro médico e 37% de velhice e outros motivos que os médicos (???) estagiários não descobriram ou não tiveram tempo de consultar o curandeiro. Se os médicos formados que trabalham na rede pública são uma bosta, imaginem então os estagiários? Não sabem nem de que lado fica o fígado... Só sabem dizer que você tem uma virose e te receitar dipirona, que na farmácia não tem, porque acabou.


 
Casario de Bonfim

TurismoEditar

A cidade tem casarios antigos e bem cuidados que merecem ser apreciados, além do majestoso santuário do Senhor Bom Jesus de Bonfim em estilo rococó, construido em 1840. Com relação aos eventos o mais importante é o Carnaval à Cavalo e a sua sátira o Bando. Também merece destaque a festa do Senhor Bom Jesus de Bonfim realizada em agosto, a festa dos Santos Reis em janeiro e a Cavalgada realizada no mês de outubro e a Festcana. As Festcana é uma doideira. Via de regra, uma carreta de som no volume máximo estacionada num canto da praça toca música baiana a noite inteira e as virgens da cidade (19 moças pela última estatística), as que já foram virgens, os boiolas, os candidatos a boiolas, ficam pulando e levantando as mãos alucinadamente. O efeito do álcool e de 'otras cositas' fazem liberar os instintos e a consequência e a diminuição do número de virgens e o aumento do número de veados. A turma dos candidatos a veado, depois de tomar tudo o que conseguem ficam tontos, largados e carentes e no outro dia amanhecem com uma dorzinha danada na hora de cagar. Segundo um psicólogo que apareceu no programa da Ana Maria Braga, na Globo, isto não quer dizer nada, segundo ele, se uma pessoa tomar umas cachacinhas de vez em quando pode ser chamado de alcoolatra? E se der a bunda de vez em quando pode ser chamado de homossexual? Será?

Festa do Senhor do Bonfim!!! A cavalgada é no carnaval!!!



Carnaval à CavaloEditar

 
Carnaval à Cavalo
 
O Bando


O Carnaval à Cavalo é tradicionalmente festejado em Bonfim desde 1840. Foi introduzido pelo padre Chico Buarque, que pretendia dar um significado religioso ao Carnaval com o folguedo da guerra entre Mouros e Cristãos. Este folguedo é bastante popular em todo o nordeste brasileiro desde o final do século XVIII, principalmente na Bahia, com eventos principalmente em Prado, Caravelas, Alcobaça e Cachoeira. Em Poconé no Mato Grosso e em Pirenópolis, Goiás também são realizados estas simulações de combate. A maioria dos eventos são realizados no mês de janeiro como uma extensão dos festejos natalinos e outros no dia de São Tiago (25 de julho). O de Pirenópolis é realizado 50 dias após a Páscoa. A diferença do evento de Bonfim é a sua realização durante o Carnaval e a ostentação das fantasias. Cavaleiros da alta sociedade bonfinense, montando valiosos cavalos enfeitados, se fantasiam de Mouros e Cristãos e digladiam simbolicamente com longas lanças. Gastam fortunas para fazer esta apresentação durante o Carnaval, que atrai turistas bobos iludidos pela propaganda que fazem do evento em todos os canais de televisão. Não tem graça nenhuma a não ser para aqueles que adoram ver bonitos cavalos e os veados que admiram as fantasias no estilo 'ancien régime' francês, parecidas com as ridículas criadas por Clóvis Bornay para os concursos de fantasias do Rio de Janeiro na década de 1980. A elite da cidade vibra com o evento e cada um quer mostrar ser mais rico e poderoso do que o outro. Contratam bordadeiras e costureiras que ficam um ano inteiro preparando as fantasias para o evento. Uma sátira do Carnaval á Cavalo é o 'Bando', onde rapazes e moças usando cavalos comuns e fantasias satíricas imitam a festa dos riquinhos. É realizado algumas semanas antes do Carnaval, sendo mais interessante do que o Carnaval à Cavalo pois algumas vezes, como protesto social as fantasias ridicularizam figurões da cidade e do estado que fizeram alguma merda.


EconomiaEditar

 
Artesanato em Bucha Vegetal

O município tem a sua economia baseada na pecuária leiteira, na produção de hortifrutis, na produção de bucha vegetal e na exportação de putas para Betim e Belo Horizonte.


O Que Não Falta em BonfimEditar

  • caipiras de Piedade dos Gerais entupidos de anabolizante, falando qe "É tudo NATURAL" para impressionar as "MOÇAS DE FAMÍLIA (??)" de Bonfim
  • pescador que rouba peixe na Copasa( a famosa Barragem )
  • morena gostosa e provocante
  • quarentona rica, enxuta, peituda e fogosa na Festa do Carnaval à Cavalo
  • mulata bundudinha e gostosinha
  • mulher feia e simpática
  • mulher feia e antipática
  • mulher feia, rica e sem bunda
  • mulher feia, muito feminina, inteligente (de óculos), sem bunda, sem peito e que adora as músicas da Maria Gadú
  • beata e papa-hóstias
  • fiéis que comungam na missa sem confessar
  • maconha, crack e cocaina
  • vagabundo
  • cavalo bonito
     
    Amazona no Carnaval à Cavalo
  • amazona gostosa
  • cachaça
  • moto sem documentos
  • puta gorda, de vestido vermelho ou rosa
  • os filhos delas
  • boteco
  • puxa saco de politico
  • corno manso e conformado
  • boiolas assumidos
  • boiolas enrustidos (ainda no armário)
  • boiolas que foram para Belo Horizonte e visitam a cidade com a cara e os trejeitos do Luan Santana
  • homem barrigudo, careca e broxa
  • promessas falsas de politicos
  • bobo pra acreditar nessas promessas
  • pessoal que fala mal das meninas da cidade
  • motorista sem carteira (alguns dirigem melhor dos queos que têm)
  • mal pagadores
  • professora despreparada
  • pretinhas que não gostam de namorar pretos
  • duplas metidas a cantar música sertaneja (e mal)
  • dono de boteco que não sabe atender clientes e bebem mais do que eles
  • barangas que se acham gostosas
  • mentirosos e mentirosas
  • caipiras de Piedade dos Gerais e de Rio Manso
  • homem de pinto pequeno que fala mal das mulheres que ele jamais vai pegar

 
único meio de transporte urbano de Bonfim
 
Quanta baboseira...

O que há Para Fazer em BonfimEditar

 
Um cachaceiro conhecido
  • Frequentar a "Aldeia" e o "Caipirão do Campo", boates renomadas, frequentadas somente pela "Nata" Bonfinense
  • Nada
  • Andar a cavalo
  • Nada
  • Tomar cachaça
  • Nada
  • Pescar
  • Esperar o Carnaval à Cavalo
  • Assistir a missa, cochilar na hora do sermão, peidar baixinho e comungar sem confessar
  • Sentar na praça e ficar falando mal dos outros
  • Nada
  • Ir na igreja evangélica pra vê as únicas moças virgens (??) da cidade. Aquelas que o pastor ainda não conseguiu assediar
  • Nada
  • Passear de moto com a namorada com calça de cintura baixa mostrando o rego da bunda
  • Ficar olhando o rego da bunda das namoradas dos cara de moto
  • Nada
  • Tomar cachaça
  • Falar mal do prefeito e dos vereadores puxa-sacos dele
  • Nada
  • Fumar um cigarrinho de palha (alguns com cheiro de mato verde??)
  • Nada
  • Ajudar a mulher do corno (aquele!) a ter um orgasmo
  • Nada
  • Ficar em turma sentado na porta do boteco, sem camisa, de óculos escuros e tomando cerveja.
  • Nada

Ver tambémEditar