CJ de Família

Bob Mauley.jpg Fala, mano! É o seguinte: isso aqui é uma coisa que os mano da quebrada curte, tá ligado?
Não zoa com o artigo, não, véio, senão vai dar em treta, morô?
CJ de Família infringido a lei, batendo masturbação em local público.

CJ de Família (abreviação de Cu de Jiromba de Família) é um macho virgem anti-herói, que não liga muito para as regras da sociedade, fazendo apenas o que dá na telha. Por ser muito vida loka, ele até bate masturbação em local público, e não para de bater nem quando é abordado por um policial em pleno ato. Mas apesar de ser um rebelde, CJ de Família não quer ser fichado, e por isso ele está disposto a subornar os agentes policiais de uma maneira bem deliciosa.

HistóriaEditar

CJ de Família nasceu em Las Pirocas, um pequeno bairro da cidade de Cu Pequeno, na Bahia. Mas diferente de seus conterrâneos cupequeninos, que são bem obedientes e até passivos perante às leis criadas pelo prefeito Alexandre Senna e protegidas pelos policiais da cidade armados com dildos, CJ de Família sempre foi um rebelde, que não queria aceitar as imposições da sociedade. Em sua adolescência, ainda um pequeno urso, ele começou com os seus atos transgressores, pixando pirocas nas carteiras e na parede dos banheiros da Escolinha do Professor Guina. O Professor Guina ficava puto com isso, e por várias vezes deu uma comida de rabo em sua aluno safado para corrigi-lo, mas isso não adiantou muito, muito pelo contrário. CJ de Família ficava cada vez pior e mais excitado com a vida loka e com os rombos que levava.

 
CJ de Família pixando um muro no território dos Ballas.

Após concluir o ensino regular, CJ de Família passou a vandalizar locais públicos de Cu Pequeno, pixando caralhinhos voadores no muro de praticamente todas as residências cupequeninas. Para acabar com isso que estava incomodando os cidadãos de Cu Pequeno, que querem rola no cu e não nas paredes, o Policial Gaúcho ficou de olho no pequeno delinquente, até que conseguiu prendê-lo em flagrante. CJ de Família, ainda inexperiente, não sabia que existia a possibilidade de subornar policiais, então ele apenas aceitou ser preso e cumpriu sua pena no Presídio Municipal de Cu Pequeno, dividindo cela com seu ex-professor Paulo Guina, que estava preso por cometer o crime de trair Jailson Mendes com uma loirinha bocetuda, no filme que fez com Kid Bengala.

 
CJ de Família oferecendo suborno para o policial Robinho, o qual foi mais do que prontamente aceito.

Após a liberdade finalmente cantar, assim como a sua bunda que de tão arrombada conseguia até assobiar Tico-tico no Fubá, CJ de Família decidiu sossegar um pouco, até para dar um tempo para fechar o oco que Paulo Guina deixou em seu rabo. Mas esse não foi o fim de sua vida de crimes, após alguns meses de cadeira de rodas, CJ de Família estava pronto para voltar para sua rotina de pequenos delitos, agora querendo desafiar a lei batendo masturbação em público. CJ de Família até que conseguiu finalizar o ato em algumas oportunidades, mas em uma das vezes, ele foi pego com a mão na massa e na piroca pelo policial Robinho, que estava fazendo uma ronda pela região.

Como bater masturbação em público é um crime grave em Cu Pequeno, Robinho estava disposto a levar o meliante novamente para o presídio. Por não ser mais réu primário, CJ de Família tremeu na base, mas não parou de bater a sua masturbação em nenhum momento, afinal evida loka de verdade não se intimida. Agora mais experiente, para evitar a prisão, CJ de Família primeiro deu um migué, dizendo que achou que aquele era um lugar privado. Mas como se fosse um lugar privado daria merda do mesmo jeito, já que nesse caso ele estaria invadindo uma propriedade, CJ de Família decidiu fazer o simples, apenas subornar o policial, oferecendo para ele os seus serviços como engolidor de espadas sem ponta. Não podendo negar tal proposta, Robinho aceitou prontamente, e assim começou o sapeca iá iá que livrou nosso herói da cadeia.

AtualmenteEditar

CJ de Família continua cometendo pequenos delitos, mas ele já aprendeu como faz para se livrar da cadeia. As vezes ele até comete um crime que nem quer cometer e se auto-denuncia, apenas para que o policial possa pegá-lo em flagrante e ele possa oferecer seu suborno.

O CJ de Família foi contactado pela OcoSoft Games para ceder sua imagem para o jogo eletrônico GTA: San Andreas - A História Nunca Contada, e ele aceitou. Agora seu avatar será o protagonista do jogo, que está previsto para ser lançado em 2021 e promete ser mais delicioso do que o MegaMacho Oco.

Ver tambémEditar

  • CJ do GTA, sua imitação barata e nem um pouco deliciosa.
  • Robinho, o policial que pediu para CJ um suborno diferenciado.