Dinamarca

Viking arca de Noé.jpg Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!


Könnisberg Danmark
The Great Satan Infidel People's Republic of Danish Idolaters
Reino Infiel da Dinamarca
Bandeira da Dinamarca
Brasão de Armas da Dinamarca
Bandeira Brasão
Lema: Lego Mania
Hino nacional: Barbie Girl!

Localização de Reino Infiel da Dinamarca

Capital Conhaque
Cidade mais populosa Conhaque
Língua Dialeto mistura de Alemão com Sueco e um pouco de inglês
Religião oficial Paganismo, Mata Nuismo
Governo Monarquia Constitucional
 - Rainha Margarida II
Heróis Nacionais Ole Kirk Christiansen, Irmãos Grimm, Lars Ulrich e Toa Lhikan
Área  
 - Total tamanho do seu quintal km² 
 - Água (%) 80
Analfabetismo 0,1 
População alguns milhões de ciclistas 
PIB per Capita 2.100.000.000.000 
IDH 89 
Moeda Peças de Lego
Fuso horário +1
Clima Faz de tudo pra não ser frio igual a Suécia
Website governamental ...


Cquote1.svg Há algo de podre no Reino da Dinamarca. Cquote2.svg
William Shakespeare sobre Dinamarca
Cquote1.svg Ai credo! Sai pra lá rachada oxigenada! Cquote2.svg
Clodovil sobre as dinamarquesas

Dinamarca é uma mistura de lama, tijolos de Lego, cerveja, bacon, vikings aposentados afeminados, loiras, camponesas safadas e jornalistas anti-islâmicos, e o seu símbolo nacional é um animal da fauna local, o leão-azul.

Este país da Escandinávia é um dos maiores embustes da história recente da humanidade, constantemente aceito como o país mais perfeito do mundo mas na verdade é tão perfeito quanto as lindas esposas de Stepford Wives, são todos robôs sem sentimento anestesiados sob o controle do governo. Na Dinamarca tem lei para tudo e todos acham normal isso. O governo controla até mesmo os nomes permitidos para dar a um filho e por isso todos dinamarqueses hoje se chamam Eriksen, não a toa o país tem esse apelido de "Coreia do Norte do bem".

HistóriaEditar

Antiguidade dinamarquesaEditar

É difícil dizer exatamente a origem da Dinamarca, sabe-se que a mais antiga peça de Lego data do século VII e foi utilizada como arma por Erikson, Pentelhos Longos que durante o cerco do Castelo de Skrotão espalhou diversas peças de Lego no lado de fora da fortaleza, então quando o exército invasor liderado por Erikson, Filho de Erik chegou com seus pés descalços, cada um que pisou naquelas peças teve uma dor tão lacerante que não puderam continua a invasão.

Mas a história da Dinamarca é de muito antes disso, o país foi fundado por Erik, o pai de todos Erikson que foi o responsável por manter a mais longa Idade do Ferro da humanidade (500 a.C. a 800 d.C.) deixando os dinamarqueses por 1300 anos usando apenas ferro para fazer suas coisas. Nesse período todo dinamarquês era obrigado a carregar uma ferradura.

Lembrando que no contexto das origens da história da Dinamarca, não é necessário mencionar que Mohhamed Murramed visitou a Dinamarca no ano 600, pois naquela época a Dinamarca era só uma terra sanguinária e inóspita habitada por um povo de bárbaros atrasados, selvagens e movidos unicamente por um instinto animal, em uma época em que os povos islâmicos desfrutavam nos seus países do Oriente Médio de luxo, praças repletas de filósofos, intelectuais, e poetas e todos residentes tinham uma biblioteca particular de pelo menos 1000 livros de graduada filosofia e matemática. Até porque os manuscritos de Mohhamed Murramed ficaram perdidos por aproximadamente 1400 anos e só vieram a ser descobertos no século XXI, escritos nos quais ele falava como a Dinamarca era um país atrasado e que precisava urgentemente da ajuda dos irmãos árabes para melhorar aquele país.

Era VikingEditar

Se você já jogou Golden Axe já conhece 80% da história dinamarquesa da saudosa Era Viking. Além da guerra entre anões, elfos, dragões, hobbits, humanos e orcs, os dinamarqueses eram conhecidos pela mania de navegarem rumo ao nada, e foi assim que descobriram a Islândia, a Groelândia, o Canadá, e Tuvalu. Todos territórios que foram esquecidos completamente pelos dinamarqueses que sempre se contentaram apenas com aquela porra de pedaço minúsculo de terra cheia de lama no norte da Alemanha. Essa vontade de navegar pro além tem explicação, eles são enjoados de gelo e lama, mas infelizmente todas ilhas que descobriram só tinham gelo e lama.

Como os vikings gostavam apenas de invadir, estuprar, pilhar, sacanear os outros, etc. Eles não tinham tempo para certas frescuras como, por exemplo, anotar tudo o que estavam fazendo, por isso os registros históricos são basicamente achismos e ninguém sabe quem foram os reis. Como os dinamarqueses hoje em dia são jovens soy boy afeminados eles conseguiram com sucesso fazer todo mundo acreditar que seus antepassados eram machões comedores de cu que saíram tocando o zaralho na Europa.

Os dinamarqueses foram unidos e evangelizados em 965 por Harold Bluetooth  , não pelas crenças em Deus que isso é o menos importante na religião, mas sim para não ser invadida pelo Sacro Império Romano Germânico. Visto que a Dinamarca já estava em processo de afeminização de sua população que ia ficando menos combativa e mais submissa.

O último dinamarquês decente foi Canuto, o Grande, que tinha essa alcunha de "grande" não por sua estatura e nem pelo tamanho do pênis, mas sim pela ambição, visto que seu sonho era converter todas as suecas lésbicas em heterossexuais e dedicou sua vida a invadir continuamente a Suécia para realizar esse seu sonho que nunca foi alcançado. Mas nunca mais surgiu um rei dinamarquês com um ideal tão bacana como esse, apenas reis como Haroldo, o Macio, que tinha essa alcunha por ser bem cuidadoso com sua cútis.

Idade MédiaEditar

 
A arquitetura medieval dinamarquesa teve grande influência na Europa.

Durante a Idade Média começou na Europa essa mania de construir castelos. O problema para a Dinamarca era seu terreno muito pantanoso, o rei Valdemar IV da Dinamarca até mandou construir um castelo, mas ele afundou. Ele não desanimou e mandou construir outro castelo em cima do castelo afundado, mas infelizmente ele afundou também. Valdemar não desistiu e contratou os mais renomados engenheiros siberianos que desenvolveram um engenhoso sistema composto de um castelo construído sobre outro castelo, para caso um afundasse o que estivesse em cima ficasse no nível das terras, mas infelizmente os dois castelos afundaram.

Transtornado, Valdemar IV pensou em desistir e sofrer a humilhação de ser o único reino da Europa sem castelos, foi quando inventaram o tijolo de lego, que por ser leve não afundava na lama, e assim os magníficos castelos de Lego da Dinamarca não afundaram.

União de KhalmarEditar

A União de Khalmar foi uma época da história em que a Dinamarca se vendeu para os outros países escandinavos na tentativa de formar um único país poderoso. Tudo começou com Vandemar, o Cuck, que muito fetichista cedeu a própria esposa e filha para um guitarrista de death metal chamado Haakon VI. O que se seguiu foi uma orgia de mais de 100 anos.

A União de Khalmar também marca o início da história moderna dinamarquesa, que gira em torno da construção do Castelo de Kronborg. O castelo foi originalmente construído por Erikfather, em 1420, apesar das objeções de sua esposa, a Rainha Filipa, a Baranga. A construção foi concluída em tempo recorde e a rainha acabou se afogando acidentalmente no fosso e agora dizem que seu fantasma está vivendo no castelo e tendo um caso com Beowulf. A ideia desse castelo era servir de pedágio para as embarcações que passassem pelo canal, que no caso eram todas finalndesas ou polonesas.

Casamento com a NoruegaEditar

 
Casamento da Noruega com a Dinamarca.

Em 1523 é firmado o Reino da Dinamarca e Noruega, resultado da saída da Suécia e da Finlândia da Orgia de Khalmar. Apesar das suecas serem reconhecidas mundialmente por seu estilo de vida libertino e por serem lésbicas ninfomaníacas, preferiram seguir uma vida de solteiro para serem livremente invadidas por quem quiser. Para a Dinamarca sobrou apenas a Noruega com quem ficou casada de 1524 a 1814, aquele típico casamento insosso de um casal que nem dorme mais no mesmo quarto, que só não se divorciam por preguiça da papelada. Precisou do Napoleão Bonaparte dar uma comida na Dinamarca para forçar aquele divórcio a criação do Reino da Dinamarca.

Uma vez solteira novamente a Dinamarca foi para a farra conquistar novos territórios, e isso significou levar o império para lugares jamais antes imaginados, como a criação da Dinamarca Ganesa, da Índia Dinamarquesa e das Antilhas Dinamarquesas, formando assim o império colonial mais inútil e mais esquecido de todos os tempos. Naquela altura os vikins estavam mais para machos beta que se importavam demais com o bem estar dos cidadãos de suas colônias, inclusive ao ponto de ceder suas esposas para os povos conquistados como forma de desculpas por estarem fazendo aquela ocupação.

Depois de ficar anexado à Prússia, entre os séculos XII e XIX, a República da Dinamarca surge após a vitória dinamarquesa na Batalha das Salsichas.

Segunda Guerra MundialEditar

A Dinamarca teve grande papel durante a Segunda Guerra Mundial, o país se declarou neutro e depois foi invadido e conquistado com enorme facilidade. A Dinamarca tinha grande importância estratégica para o líder alemão Adolf Hitler, mas ele temia um conflito aberto contra o país-natal dos bárbaros vikings, por isso embora a guerra tenha começado em 1 de setembro de 1939, os alemães não lutaram contra os dinamarqueses até 9 de abril de 1940, quando a famosa Batalha da Dinamarca estourou. Depois de grandes combates em Aabenraa e Aalborg (16 homens foram perdidos do lado dinamarquês, e 1 do lado alemão que tropeçou e bateu a cabeça nas Pedras de Jelling), a capital Copenhague foi ocupada e o governo dinamarquês foi forçado a se render em 9 de abril de 1940.

O então rei dinamarquês Cristiano X demonstrou toda sua insatisfação com a ocupação nazista em seu país todo dia saindo de casa montado em seu cavalo e dando um passeio nas ruas da capital. Até hoje analistas políticos tentam compreender qual o significado daqueles passeios de cavalo, mas certamente é algo estritamente da cultura dinamarquesa que nós não entendemos.

Eventos recentesEditar

 
A pacata Dinamarca nos dias modernos, o país onde tudo é perfeito, chato e controlado pelo governo.

Atualmente a Dinamarca é integrante do Quarto Reich (OTAN) e implementou o Modelo Viking de Previdência, o que significa que ninguém na Dinamarca é deixado para trás (com exceção de todos os pobres, os imigrantes, os anciãos, e os muçulmanos). A classe média goza de assistência médica gratuita, educação gratuita, entre os outras coisas boas, como a cerveja quente com gosto de capim, pornografia gratuita, pedofilia legalizada, prostituição legalizada e liberdade para sacanear islâmicos.

Na Dinamarca as pessoas pobres são considerados imigrantes, porque como afirmou o líder do Partido do Povo Dinamarquês: "Pia GTFO Kjærsgaard" (que traduzido quer dizer: "Se eles cheiram como brownies, tem aparência e gosto de brownies, então são provavelmente... brownies").

GeografiaEditar

 
Alpinista sueca consegue escalar com sucesso o Møllehøj.

A Dinamarca é erroneamente vista como uma península mas na verdade é um arquipélago que ocupa um terço da área da Dinamarca, e os imigrantes (especialmente muçulmanos) ocupam os dois terços restantes. Faz fronteira a sul com o Emirado islâmico da Alemanha e nas restantes margens com o Mar do Norte.

A mais alta montanha da Dinamarca é Møllehøj, cujo pico atinge uma altitude de 170,86 metros acima do nível do mar, oferecendo desafios para alpinistas de todas partes do mundo que visitam a região para escalar a maior montanha desse país. O alpinista que encare escalar o Møllehøj precisa estar preparado com altíssimas doses de bom humor para resistir ao tédio e à chatice daquele local descampado e isolado o qual se interessou visitar.

Quanto à vegetação do país, é nítido que os dinamarqueses aparentemente odeiam árvores, você não vê nenhuma floresta nesse país, raramente uma árvore, e nas oportunidades que você vê uma árvore é porque uma pessoa que plantou por algum sentimento de culpa, mas nunca por um senso estético e muito menos por uma consciência ecológica. Acontece que a Dinamarca tem um subsolo rochoso e um solo infértil, por isso todo aquele descampado nãos erve para a agricultura, sendo possível plantar apenas capim para servir de alimento para ovelhas e matéria-prima para a confecção da cerveja dinamarquesa que mais parece um chimarrão com gosto de terra.

PopulaçãoEditar

 
Dinamarca ao lado de suas primas Finlândia e Suécia.

A Dinamarca é um país de 5 milhões de habitantes que pode ter seus cidadãos reconhecidos facilmente devido a uma padronização de sua nomenclatura: Todos homens devem se chamar Erikson e todas mulheres se chamar Margrethe. O "homem" dinamarquês é, portanto, facilmente reconhecido por seus traços e comportamento afeminado (fizeram até um filme sobre isso, se chama A Garota Dinamarquesa) enquanto a mulher dinamarquesa são geralmente loiras sem sal que embora até tenham rostos bonitos nunca tem bunda ou peitos para torná-las realmente qualquer objeto de desejo.

Mas não são só dinamarqueses que compõe o Reino da Dinamarca, existem uns dinamarqueses que são depreciativamente chamados "negros do gelo" que vivem na Groenlândia. Os dinamarqueses os odeiam tão visceralmente que muitas vezes se esquecem que a Groenlândia faz parte do reino dinamarquês. E também existem os faroeses das Ilhas Faroé, esses também esqueceram como é ser um viking mas não são tão afeminados quanto aos dinamarqueses da Dinamarca.

Os dinamarqueses são excelentes para beber cerveja ruim, comer bacon e importunar grupos étnicos, especialmente europeus orientais, poloneses e muçulmanos. Os europeus orientais costumam ser sempre acusados e culpados ​​quando surge alguma denúncia de roubo de cerveja. Já os poloneses cometem a ofensa mais imperdoável contra os dinamarqueses: Fornecem mão de obra barata e aceitam trabalhar mais de 30 horas por semana. Os muçulmanos, por sua vez, podem ser os culpados de praticamente qualquer coisa (de acordo com Holger K. Nielsen, Ministro de Relações Exteriores da Dinamarca).

A principal tradição dos meninos dinamarqueses é o "Det året som en gutt er en mann", um evento em que os meninos dinamarqueses são transformados em homens que serão macho até debaixo de outro macho. Assim que um menino dinamarquês faz 14 anos, ele precisa encontrar um professor que o irá acompanhar pelos próximos dois anos de sua vida. Este pederasta professor ensina ao menino tudo o que ele precisa saber para uma vida de pescador na Dinamarca. O conhecimento prévio é muito útil e este professor é frequentemente, mas não necessariamente, o pai do menino. Quando um menino dinamarquês termina os seus 2 anos de "Det året som en gutt er en mann", ele pode obter seu próprio barco e começar sua própria família. Esses dois anos prévios são obrigatórios para todos os meninos na Dinamarca para aprender amarrar isca no anzol e não se perder no mar como Erik fez e acabou parando no Canadá aquela vez. Já as meninas não precisam aprender a ser pescadoras, elas são instruídas e se tornarem líderes e assumir carreiras políticas. Por isso a política é tradicionalmente um trabalho das mulheres na Dinamarca, enquanto a pesca é mais coisa de homem.

PolíticaEditar

 
A sereia racista pró-colonialismo e pró-escravidão é um dos principais pontos turísticos da Dinamarca.

A população está organizada em cinco clãs, cada um vivendo em sua própria aldeia e cada aldeia tem um representante na capital Nuuk. Essas representações, por sua vez, elegem um representante geral do estado que resolve disputas jurídicas e conduz a política externa e a Rainha dos Esquimós, Innsjø Laks, ocupa este honroso cargo desde 15 de novembro de 1978. Embora os locais vivam em clãs diferentes, eles não estão de forma alguma divididos. É geograficamente e socialmente muito mais fácil reunir-se em pequenos grupos do que em uma grande comunidade para formar um após coeso, afinal não existem telefones ou veículos motorizados e por isso os membros de cada clã apoiam-se mutuamente e inclusive vivem juntos em suas cabanas ou tendas, independentemente da família da pessoa, como gesto de união e solidariedade. A barraca em que você pernoitará depende muito mais de qual delas estará mais próxima quando a próxima tempestade se aproximar. Espera um pouco... isso é a política da Groenlândia, não da Dinamarca...

Ok, quanto à Dinamarca, a sua política consiste num modelo social escandinavo avançado que é engenhosamente simples: Enquanto algumas pessoas trabalham e pagam impostos elevados, outras pessoas vagabundeiam e recebem benefícios infinitos do governo (tipo brasileiros imigrantes e tal). A única possibilidade de um dinamarquês honesto e trabalhador usufruir dos benefícios do governo é quando não morrem de cirrose.

SubdivisõesEditar

A Dinamarca atualmente subdivide-se em três reinos, sendo eles: Groenlândia, Ilhas Faroé e Jutlândia, estando o governo central localizado na Groenlândia e tratando os outros dois reinos como vassalos, especialmente a Jutlândia cujos habitantes precisam trabalhar e produzir riquezas para sustentar a sua metrópole na cidade de Nuuk que está sempre recebendo tudo.

Há ainda um território especial chamado Ilha Hans, uma ilhota de 1300 metros de comprimento que é alvo da discordância mais amigável da política internacional moderna. Enquanto os ucranianos atiram um míssil num avião comercial da Malaysia Airlines na disputa da Crimeia com a Rússia, ou enquanto o Reino Unido manda dezenas de porta-aviões para trucidar a marinha argentina na disputa pelas Ilhas Falkland, ou enquanto Índia e Paquistão fabricam bombas atômicas para decidir quem fica com a posse da Caxemira, enquanto tudo isso a Dinamarca e o Canadá regularmente enviam representantes para a Ilha Hans só para fincar por ali a bandeira de seu país e deixar, como gesto de amizade, uma garrafa de seu licor nativo, os canadenses deixando um uísque canadense e os dinamarqueses deixando uma garrafa de Schnapps dinamarquês.


EconomiaEditar

 
Trabalhando dinamarquesa de carteira assinada dando duro no trabalho.

A Dinamarca possui um forte welfare state, assim como os seus irmãos nórdicos. Lá é uma maravilha para alguém como um brasileiro: Você trabalha um pouco durante alguns anos, e já se aposenta. Se nesse meio tempo você for despedido, o governo te sustenta, se você for preso, o governo te sustenta, se você não conseguir emprego por 5 anos, o governo te sustenta por 5 anos, por isso há tantas bandas de garagem dinamarquesas de black metal, porque tempo livre não falta a eles. A lei diz que todo trabalhador dinamarquês não pode trabalhar mais que 33 horas por semana e receber cinco semanas de férias remuneradas por ano e até o pai tem licença maternidade mesmo que o filho nem seja dele, o que é a maioria dos casos.

Depois de aposentado, você ganha viagens para lugares ensolarados ao redor do mundo, aonde virgens se aproximarão de você devido ao seu nobre caráter (não será por sua cara de gringo cheio da grana). A Dinamarca é uma utopia na Terra, o que significa, portanto, que tudo isso não passa de mais uma lenda esquerdista.

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

O principal meio de transporte da Dinamarca é a bicicleta, não porque o povo tem alguma consciência ecológica, mas porque os carros são caríssimos. Como os dinamarqueses foram educados a nunca reclamar do seu governo perfeito, não há qualquer protesto quanto a isso, eles na verdade alegam que é muito mais saudável pedalar e que chegar suando bicas ao trabalho é um preço pequeno a se pagar para salvar o meio ambiente. O segundo transporte mais popular são os barquinhos de madeira a vela, praticamente todo dinamarquês tem um, senão ele simplesmente não terá para onde ir.

SaúdeEditar

 
A Dinamarca é o único país do mundo com um hospital com formato de Fidget Spinner.

A Dinamarca é um desses países no mundo que o hospital é grátis, mas grátis só pra caso de infarto porque a ambulância vai na sua casa, te leva pro hospital, diagnosticam sua morte, e então te levam para o cemitério, um processo que custa uns 1000 dólares e pode ser facilmente abatido dos 80 anos de altíssimos impostos pagos por aquele cidadão infartado. Os demais dinamarqueses com outros tipos de doença são livre para morrer nas longas listas de espera dos hospitais gratuitos do país, isso enquanto a administração do hospital discute com o Sindicato das Enfermeiras e com os políticos do Congresso sobre quanto mais dinheiro eles precisam para realmente tratar alguém. A cada novo ano mais e mais quantias obscenas de dinheiro são direcionadas ao "setor privado de saúde" dinamarquês, o que significa que os mesmos médicos trabalhavam clandestinamente nos mesmos consultórios após as 16 horas. Claramente uma melhoria.

A doença que mais mata na Dinamarca é uma doença rara que só existe naquele país e é chamada de "Eksamensstress" uma síndrome que afeta jovens dinamarqueses que vão fazer o trabalho de conclusão de curso e percebem que aos 27 anos de idade e os principais sintomas dessa doença é ânsia em consumir cerveja segunda-feira de manhã, medo extremo dos professores e ler o mesmo parágrafo sete vezes. Outras causas de morte muito comum são por ataques de submarinos nazistas.

Claro, dentista não é considerado um serviço essencial, afinal é possível viver com uma dentadura, então quem quiser esse serviço frívolo de arrumar os dentes precisa ir pra Polônia ou pagar uma fortuna exorbitante para um dentista dinamarquês.

Mas por que os dinamarqueses trabalham se nem precisam disso? Porque os sistema de lares para idosos da Dinamarca tem uma dinâmica muito simples que força os dinamarqueses a trabalhar: Apenas os trabalhadores mais diligentes poderão no futuro pagar por vagas em lares para idosos, afinal dinamarquês não forma mais família e morre solitário, e os poucos que fazem uma família eventualmente serão abandonados pelos filhos, igual ele abandonou o pai num lar de idosos 40 anos atrás. O principal objetivo de vida dos dinamarqueses comuns é passar seus últimos dias em um plejehjem sendo cuidados por enfermeiras jovens e atraentes sempre que fingem uma "convulsão". Muitos dinamarqueses economizam dinheiro durante a vida para poderem entrar nessas casas de repouso o mais cedo possível.

EducaçãoEditar

A educação na Dinamarca é gratuita e perfeita como tudo é gratuito e perfeito naquele país. A ex-ministra da Educação e idealizadora desse projeto, Sra. Ritt Bjerregaard, declarou que "o que não pode ser aprendido por todos, não deve ser ensinado a ninguém" quando removeu todas matérias difíceis da escolas e aboliu a reprovação escolar alegando que "nenhum dinamarquês deve se sujeitar à humilhação de reprovar de ano". Esse tipo de sistema educacional permitiu que o governo criasse escolas e universidades gratuitas porque nada de muito útil estaria sendo ensinado ali e portanto o gasto sempre seria baixíssimo, o que provavelmente explica a baixa rendição da Dinamarca nas comparações internacionais de matemática e ciências do PISA.

Outra peculiaridade do sistema educacional dinamarquês é a existências das "pré-escolas florestais", que na verdade são apenas "pré-escola no meio do nada" porque na Dinamarca não tem floresta. Alguns pais malucos matriculam seus filhos nessas escolas porque o povo dinamarquês não é muito apegado à família, quanto mais distante, melhor, e o governo pensou nisso ao fazer essas escolas isoladas.

Infelizmente frequentar as escolas de ensino médio é obrigatório na Dinamarca, o que é pior ainda que isso é que todos os alunos são obrigados a ter os mesmos colegas e os mesmos professores durante toda sua juventude, impossibilitando qualquer chance de escapatória de uma vida pré-moldada imposta pelo governo a todos cidadãos.

SegurançaEditar

A Dinamarca é um país pacífico que não quer guerras e por isso o sistema de defesa dinamarquês baseia-se principalmente em uma secretária eletrônica que notifica para aqueles que atacam o país da rendição automática e incondicional do Reino da Dinamarca. A decisão sobre este tipo de defesa foi tomada após o fracasso do exército dinamarquês em defender o país na Segunda Guerra Mundial, na qual apenas 16 balas foram disparadas durante a invasão do exército alemão.

CulturaEditar

 
É normal na TV Cultura da Dinamarca desenhos como John Dillermand, sobre um homem com um pênis de 5 metros e os dilemas que ele enfrenta no cotidiano por causa disso.

A Dinamarca é um país de tradição, e a maior tradição desse país são os seus barcos e seu modo de construção que são tão antigos quanto a Dinamarca. A técnica dinamarquesa de construção de barcos é lendária, pois como existe madeira como material base para a construção de suas embarcações, eles fazem a estrutura básica com ossos de baleia. Esta estrutura básica é posteriormente coberta com couro de veado endurecido. O conjunto resulta numa construção extremamente estável e ao mesmo tempo ligeira ideal para uma pesca tanto em águas interiores calmas como em agitado alto mar.

País também muito proeminente na literatura com clássicos como Bewoulf e Hamlet, o principal escritor do país foi Hans Christian Andersen, até hoje considerado por especialistas como o maior contador de lorotas da história da literatura.

Comida fria e bebida quente é o que há. E a felicidade reina nesse país, afinal, a notícia mais trágica do jornal é quando noticiam o fim da feirinha de artesanato em Copenhague, e a notícia de jornal mais trágica para as crianças foi quando anunciaram que a série Bionicle acabaria em 2010.

IdiomaEditar

A língua dinamarquesa é uma subespécie da língua dos vikings e um idioma até interessante porque é dona de algumas daquelas letras nórdicas vikings legais como Æ , Ø, Å, possibilitando a formação de palavras como bråtænchøn. E como todo idioma, a língua dinamarquesa também tem a sua palavra única intraduzível, a palavra é "hygge", que significa algo como "prazer de estar fazendo porra nenhuma e sendo sustentado pelo governo".

O dinamarquês é muito fácil de falar: você coloca uma batata quente na boca e já começa a falar dinamarquês imediatamente. Infelizmente, em contrapartida, o dinamarquês não é tão fácil de compreender, isso sem contar que os dialetos entre as ilhas são tão numerosos quanto o lixo boiando do Mar do Norte.

  Dinamarca
HistóriaGeografiaDemografiaPolítica
SubdivisõesEconomiaMoedaTurismo
CulturaBandeiraBrasãoHino

v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!

Europa
v d e h

Países: Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia do Norte | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido (Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales) | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Tchéquia | Turquia | Ucrânia | Vaticano

Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Gibraltar | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Jan Mayen | Kosovo | Ossétia do Sul | País Basco | República de Artsaque | Svalbard | Transnístria

Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)
v d e h

Países Membros: AlbâniaAlemanhaBélgicaBulgáriaCanadáCroáciaDinamarcaEslováquiaEslovêniaEspanhaEstôniaEstados UnidosFrançaGréciaHungriaIslândiaItáliaLetôniaLituâniaLuxemburgoMacedônia do NorteMontenegroNoruegaPaíses BaixosPolôniaPortugalReino UnidoRomêniaTchéquiaTurquia

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
v d e h

Países membros: AlemanhaAustráliaÁustriaBélgicaCanadáChileCoreia do SulDinamarcaEslováquiaEspanhaEstados UnidosFinlândiaFrançaGréciaHungriaIrlandaIslândiaItáliaJapãoLuxemburgoMéxicoNoruegaNova ZelândiaPaíses BaixosPolôniaPortugalReino UnidoSuéciaSuíçaTchéquiaTurquia