Escala de Toxicidade Social

A Escala de Toxicidade Social foi criada em 2013 pela Comissão de Coordenação Regional do Norte e pela Turismo de Portugal como mais um instrumento para garantir a segurança dos turistas quando estes circulam em Portugal, principalmente dos vindos de países da lusofonia.

CritériosEditar

A escala numérica é determinada de acordo com o número de trespassamento de fronteiras municipais necessários para se entrar em locais onde a sanidade mental humana é irreversivelmente perdida.

  • 0: Locais extremamente tóxicos. Evite a qualquer custo contato com qualquer coisa relacionada a estas áreas. Caso seja necessário adentrar nestas áreas, deve-se utilizar equipamentos de proteção individual como fato biológico, colete balístico e pelo menos uma pistola semiautomática e uma faca de combate. Identificados com a cor vermelha.
  • 1: Locais altamente tóxicos. O contato com coisas relacionadas à zona vermelha é frequente, mesmo evitando-se a todo custo se aproximar desta zona. Recomenda-se estar em sempre em alerta e portar ao menos uma arma de fogo sempre que estiver em público. Identificados com a cor laranja.
  • 2: Locais de toxicidade média. O contato com coisas relacionadas à zona vermelha é menos frequente do que nas zonas laranjas, porém ainda são recomendadas precauções em caso de contato acidental, como máscara de proteção e uma arma branca. Identificados com a cor amarela.
  • 3: Locais de toxicidade moderada. Já não é necessário o uso de armas, exceto em determinados eventos como a rodada do campeonato de futebol. A possibilidade acidental de contato com coisas relacionadas às zonas vermelhas é ainda menor, devido à distância. Identificados com a cor verde.
  • 4: Locais de toxicidade baixa. Não é necessária proteção respiratória devido à distância e raridade de encontros de primeiro ou segundo grau. Identificados com a cor azul clara.
  • 5: Locais de toxicidade muito baixa. Coisas relacionadas às zonas vermelhas raramente chegam aqui. Medidas de segurança não são necessárias. Identificados com a cor azul escura.
  • 6: Locais de toxicidade quase nula. Contato com coisas relacionadas às zonas vermelhas são extremamente raros, a menos que provocados intencionalmente ou por eventos externos aleatórios. Identificados com a cor rosa.
  • Acima de 6: Zonas cinzas - Locais fora dos distritos com zonas vermelhas, isolados de Portugal continental e ex-colónias.

CriticismoEditar

A Comissão de Coordenação Regional do Centro criticou a escala por ser demasiadamente focada em distritos de grande concentração populacional, e que a metodologia de classificação dos distritos por periculosidade ignorou vários fatores, enquanto representantes da Madeira e dos Açores criticaram a escala por incluir apenas cidades de Portugal continental. Cientistas da Universidade de Évora sugeriram que os distritos do Alentejo e do Algarve boicotassem a escala devido a esta ter sido criada apenas com feedback dos cientistas da Universidade do Porto, não levando em consideração as opiniões e experiências do interior do país. Em resposta, as ilhas foram classificadas como zonas rosa. A Turismo de Portugal anunciou que o sistema seria abolido em 2022, data que foi antecipada para o final de 2020 devido à pandemia de COVID-19.

Galeria por distritoEditar