Mudanças entre as edições de "Marcelo Valle Silveira Mello"

972 bytes removidos ,  13h51min de 9 de setembro de 2021
m
Foram revertidas as edições de Odeiofeijao (disc) para a última versão por The Log
(Aeeeeeeebaahuuyyy)
Etiquetas: Edição móvel Edição feita através de conexão mobile
m (Foram revertidas as edições de Odeiofeijao (disc) para a última versão por The Log)
Etiqueta: Reversão
 
== Vida pessoal ==
[[Arquivo:Psycl0n e sua esposa.jpeg|200px|thumb|Psycl0n e sua esposa: Vejam a cara de pedófilo!]]
Marcelo nasceu em uma [[família]] de classe média-alta de [[Brasília]], até porque ser classe média em Brasília é quase sinônimo de ser pobre mesmo, dado que é lá que rola o alto das maracutaias que envolvem [[corrupção]], [[burocracia]] e [[enriquecimento ilícito]], sendo que foi nesse ambiente [[ironia|muito saudável]] que o mesmo veio a dar os seus primeiros passos em sua vida de [[playboy]] mal resolvido na vida.
 
Estudou nos melhores colégios particulares de [[Brasília]], onde foi constantemente vítima de [[bullying]] de outros playboys mais cheios de marra do que ele e por fim se isolou, indo pros estudos universitários na área de [[ciência da computação]], pela qual se graduou na [[Universidade Católica de Brasília]], sendo que no seu auge, também chegou a morar na [[Asa Sul]] de [[Brasília]] e tinha uma vida suntuosa o suficiente para ter condições de frequentar os melhores restaurantes da cidade.
 
Quando Marcelo ainda estava em liberdade, ele costumava assistir animes como [[Sailor Moon]], [[Psycho-Pass]] e [[Pokémon]], ele também gostava de ouvir músicas dos anos 90 e publicar sobre sua vida de bosta que ninguém se importa em seu fórum, o [[Dogolachan]].
 
== As Aventuras de Psytoré na Internet ==
===Hax0r Labs===
 
Constam informações que depois da prisão, a relação de Emerson e de Marcelo nunca mais foi a mesma, em especial pelo Marcelo ter supostamente sido vítima de abusos contra o seu esfincter anal, o que até o momento não foi confirmado pelo fato de ninguém aqui ter tido contato com eventuais carcereiros ou companheiros de cela do mesmo.
===2013: Liberdade cantou, Marcelo anel de barbante===
Em 2013 Marcelo e Emerson foram soltos da cadeia e iniciaram a maior treta da internet brasileira. Nesse mesmo ano, depois que foi banido do 55chan, Marcelo criou o [[Dogolachan]], um fórum para retardados odiados na internet como ele. Marcelo, como adulto com mentalidade de criança infantil que é, culpou todos pela prisão, já que não consegue admitir a culpa de que foi preso pois é um [[gordo]] asqueroso, burro e [[attwhore]]. Uma dessas pessoas culpadas pela prisão de Marcelo é [[Lola Aronovich]], uma argentina feminista que trabalha no Brasil na Universidade Federal do Ceará e tem um [[blog]] feminista desde 2008.
===2014: Gustavo Guerra===
Em 2014 Marcelo se envolveu com [[Gustavo Guerra]], um doente mental que costumava trollar muito no [[Facebook]] defendendo necrofilia. Marcelo e Guerra passaram a trollar muito a [[Lola Aronovich]] com trotes enquanto se passavam por um traficante do [[PCC]].
===2015: Profissão Repórter===
[[Arquivo:Psytore Maquiavelico.jpg|230px|thumb|right|Marcelo Valle Silveira Mello é tão [[bandido]] dava o bumbum na cadeia em troca de cocaína]]
Em 2015 Marcelo usou seus truques "[[hacker]]s" (que na verdade são truques pouco conhecidos pela sociedade normal em geral, mas não hackers, que ele aprendeu com [[criança]]s levadas na internet que só queriam chamar atenção) para pegar os dados de Hitmonkey, que na época era o administrador do 55chan. Ele criou o blog "Tio Astolfo" onde ensinava crianças a estuprarem, defendia o Champinha, zombava da polícia federal, e tudo no nome do pobre Hitmonkey (aí que dó! ;_;). Ele fez algo parecido com [[Lola Aronovich]], criando um blog no nome dela onde ele ensinava e recomendava remédios para que mulheres realizassem abortos, tudo no nome da Lolinha (que peninha! ;_;).
 
==História==
Devido as suas loucuras e altas confusões na internet, o programa Profissão Repórter da Globo decidiu que iria entrevistar Lola Aronovich e tentar entrevistar Marcelo e Emerson. Emerson aceitou dar uma entrevista pelo Skype, já Marcelo não quis dar nenhuma entrevista. Ele chegou a apertar mão do repórter negro (provavelmente estava no cio novamente, louco pra receber mais uma leitada lá no fundo do cuzinho guloso, uma leitada vinda de uma piroca grande, grossa e cabeçuda de um negro para preencher todo o seu cuzinho com leite de macho), mas depois se recusou a dar entrevista e ficou gaguejando, até se irritar e tentar bater no repórter e quebrar a câmera, o que não conseguiu fazer.
[[Arquivo:Psytore Maquiavelico.jpg|230px|thumb|right|Marcelo Valle Silveira Mello é tão [[bandido]] davaque o bumbumrecebeu na cadeia emos trocaapelidos de cocaínaBatoré e Psytoré]]
<center><youtube>https://youtu.be/tsaxQ9FS67A</youtube></center>
===2016: Problemas por causa do Dogolachan===
O Dogolachan passou a dar problemas de cabeça para o <s>gordinho</s> Marcelo <s>suco del valle</s> depois que [[Mallone Morais]] gravou vídeos dizendo que todo pai deveria estuprar sua filhinha, deixando o [[Felipe Neto]] com fogo no cu. Nelipe Feto gravou um vídeo onde o pediu para que seus inscritos floodasem o [[55chan]], [[BRchan]] e [[Dogolachan]], e o pior, eles realmente fizeram isso!
 
Marcelo nasceu em uma [[família]] de classe média-alta de [[Brasília]], até porque ser classe média em Brasília é quase sinônimo de ser pobre mesmo, dado que é lá que rola o alto das maracutaias que envolvem [[corrupção]], [[burocracia]] e [[enriquecimento ilícito]], sendo que foi nesse ambiente [[ironia|muito saudável]] que o mesmo veio a dar os seus primeiros passos em sua vida de [[playboy]] mal resolvido na vida.
Por causa disso, [[GOEC]], um [[nordestino]] fodido que mente na internet dizendo que é [[rico]] e que mora na [[Alemanha]], passou a frequentar o Dogolachan e cometer altos crimes de terrorismo. Ele ameaçava as advogadas de Lola Aronovich e todos que se comunicassem com ela pelo [[Twitter]]. O [[troll]] idiota chegou a enviar um email para a Universidade Federal do Ceará jurando que vai explodir a porra toda se a Lola Aronovich não for expulsa de lá. Quando Marcelo notou a merda que isso deu (polícia federal voltou a investigar Marcelo), ele pediu para que seu <s>namorado gay secreto</s> escravo GOEC enviasse um email para a PF "explicando" as coisas e pedindo para que virassem aliados de Marcelo para lutarem contra Lola Aronovich em uma guerra que só existe na cabeça do Marcelo.
 
Para piorar o nível de desmoronamento de sua base familiar, o pai de Marcelo morreu quando o mesmo ainda era uma criança e sua mãe acabou sendo internada por conta de problemas psiquiátricos, sendo que ao fim o mesmo foi criado pela avó, que ficou responsável por assumir as broncas de lidar com o mesmo, apesar de estar quase na hora de pedir a própria aposentadoria por não aguentar mais dar no couro.
 
Como toda criança criada pela avó e mantida a base de [[Desreceitas:Leite com pera|leite com pera]], Marcelo sempre foi muito mimado e teve tudo que queria, até mesmo quando o que queria fosse algo meio que absurdo para uma criança normal, sendo que essa falta de limites viria a apresentar problemas mais tarde, quando o mesmo teve de se relacionar socialmente com outras pessoas.
 
Estudou nos melhores colégios particulares de [[Brasília]], onde foi constantemente vítima de [[bullying]] de outros playboys mais cheios de marra do que ele e por fim se isolou, indo pros estudos universitários na área de [[ciência da computação]], pela qual se graduou na [[Universidade Católica de Brasília]], sendo que no seu auge, também chegou a morar na [[Asa Sul]] de [[Brasília]] e tinha uma vida suntuosa o suficiente para ter condições de frequentar os melhores restaurantes da cidade.
 
Mais tarde <s>conheceu [[Lola Aronovich]], uma estudante do mestrado da [[Universidade Federal de Santa Catarina]]</s> e começou a se envolver com drogas pesadas como [[maconha]], [[crack]] e [[cocaína]], mas isso é uma longa história. Só posso adiantar que Psycl0n precisou ser internado em uma clínica de recuperação de usuários de drogas em [[Brasília]], enquanto sua ex-amiga passava no concurso público para professora da [[Universidade Federal do Ceará]] junto com outros comunistas. Também por influência das más companhias, como o ex-colega [[Marco Fonseca]], que Marcelo conhecia das paradas [[gay]], Psycl0n se tornou alcoólatra, tabagista e usuário de drogas sintéticas importadas <s>da [[Holanda]]</s> de [[Holambra]]. Conheceu o [[ópio]] através de um traficante de drogas conhecido como "Cuzão da [[Cracolândia]]" (mas não temos certeza se é o [[Emerson Eduardo Rodrigues]]) e precisou ser internado em um manicômio amarrado em uma camisa de força em [[Goiânia]] depois de surtar e agredir uma policial militar que estava fazendo o seu trabalho.
 
==Encrencas no Orkut==
{{c|Eu, autor das ameaças, moro na Suíça, tenho cidadania alemã e trabalho em uma multinacional de TI. Portanto, não sou o Marcelo nem nenhum deafeto da Dolores. Sou um anônimo de uma CHAN. Faço parte de coletivos crackers internacionais e tenho acesso total aos sistemas da PF, como [...]. É com estes sistemas que faço doxxing. Acabei de consultar os sistemas da Polícia Federal e descobri que o delegado que está me investigando é o [...] [Nota da Lola Aronovich: no chan do Marcelo, Goec diz que ligou hoje para a casa de um delegado -- à uma da madrugada! -- e para um escrivão da PF, "para conversar". O escrivão, segundo ele, o mandou pro inferno. "Que gente mal educada", escreveu Goec]. Pois bem, vou encaminhar todas as provas relacionadas com o desvio de função da Dolores e os pedidos para amigos prejudicarem desafetos para a Corregedoria da PF e para os reponsaveis pela Revista Forum, assim como para todos os jornais do Brasil, todos os reitores de todas as universidades brasileiras, todos os colegas de profissão na UFC, todas as delegacias da PF no Brasil e demais pessoas envolvidas.
[Pouco depois Goec envia outro email, intitulado "Pedido de desculpas", para as mesmas pessoas]. Gostaria de pedir desculpas ao Magnífico Reitor da UFC, e gostaria de afirmar que não haverá nenhum tipo de atentado, visto que sequer moro no Brasil e não tenho qualquer poder de prejudicar alguém que more no Brasil. Enviei estes e-mails no calor do momento por causa das atitudes da senhora Dolores Aronovich Aguero que é um péssimo ser humano. Gostaria de pedir desculpas ao senhor Delegado de Polícia Federal [...] e ao senhor escrivão [...] que gastaram seu tempo investigando a minha atitudade. Sinto muito pelos senhores terem gasto tempo comigo, tempo este que poderia ter sido usado para impedir algum crime ou prender algum criminoso. Eu trabalho na área de TI caçando e impedindo os caras maus. Eu não sou um criminoso, muito pelo contrário eu faço o bem e por isso tive essa atitude de tentar prejudicar a Dolores pois ela é uma pessoa ruim. Porém acabei prejudicando apenas inocentes. Eu estou extremamente triste pelo fato de ter prejudicado a Polícia Federal e gostaria de remediar isso de alguma forma em algo que for ao meu alcance, como assuntos relacionados a Ciências da Computação. Eu sou completamente anônimo e uso ferramentas e técnicas do Estado da Arte da criptografia, privacidade, anônimato e segurança, portanto sou irrastreável. E, mesmo se fosse possível me rastrear, tenho cidadania alemã e não seria deportado para o Brasil. Tudo isso é apenas uma perda de tempo e dinheiro por causa de um erro que eu fiz. Se o senhor Delegado quiser, ele pode me dizer quanto custou para o Estado toda essa investigação que posso pagar via Bitcoins ou Monero. Gostaria de pedir desculpas a todas as pessoas que ameacei, como o professor [...] e a professora [...]. Estou encaminhando todos os emails para as pessoas que ameacei com pedidos de desculpas e esclarecer que nada de mau irá acontecer com eles ou com a família deles. Fiz isso no calor do momento para tentar prejudicar a Dolores. Entendo que, diferente do que ocorre na Alemanha e na Suíça, no Brasil não há separação entre o público e o privado, o pessoal e o profissional. Eu sou membro de diversos foruns e chans. O mesmo compartamento que tenho no Dogolachan.org tambem tenho em outros locais. Sou apenas um membro e não dono de chans. Segundo o Marco Civil da Internet, a responsabilidade pelo meu comportamento é apenas minha e não dos administradores dos chans, portanto Marcelo, que segundo a Dolores é o dono do Dogolachan porém este fato não é comprovado, não tem qualquer culpa do que eu fiz como membro. Não é correto os administradores do dogolachan.org serem prejudicados por minha causa. Dolores quer prejudicar os desafetos dela e o Marcelo é o mais fraco e exposto de todos, visto que o Olavo de Carvalho mora nos EUA e é reconhecido internacionalmente e do Danilo gentilli é um comediante que tem mais curtidas em uma única mensagem no twitter do que o número de seguidores total do twitter da Dolores. Portanto é muito fácil prejudicar este desafeto específico. Gostaria de afirmar mais uma vez que estou a disposição para quaisquer esclarecimentos e espero que tudo isso acabe da melhor maneira possível.|e-mail que GOEC enviou a mando de seu mestre Marcelo gordinho peidão. Olha o pedido de desculpas do cachorrinho de rua, que fofo! E sim, claro, eles querem sim o seu bitcoins depois de perderem tanto dinheiro real!}}
===2017: Ataque das Impressoras===
[[Arquivo:psytore.jpg|thumb|left|200px|Psytoré depois de tomar um esculacho de uns maluco na rua.]]
Marcelo tentou se mudar para os Estados Unidos em 2017, mas como esperado, ele contou tudo o que ia fazer no [[Dogolachan]] antes mesmo de fazer, despertando assim a inveja de Emerson que já estava morando nos EUA. Emerson caguetou tudo para os americanos fazendo com Marcelo tenha que voltar para o Brasil com o rabo entre as patas e com o bumbum queimando, e então ele pediu para que seu escravinho sexual GOEC hackeasse dezenas de impressoras e imprimisse ameaças usando o nome de Emerson, e por isso Emerson foi deportado e preso.
 
Inicialmente, o mesmo, como típico [[wannabe]] de [[Danilo Gentili]], digo, como típico [[playboy]]zinho querendo aparecer, foi começar a postar fotos no [[Orkut]] pra querer impressionar, sendo que as primeiras fotos que o mesmo postou pra se posar de [[Capitão Punheta|ultramegafodástico]] foi de uma festa onde ele teria espancado a então namorada e lá postou fotos da mesma com um monte de hematomas no rosto e também pelo corpo na intenção de impressionar outros pobres de espírito como ele na [[Zorra Total|terra sem lei]] que era tal ambiente.
===2018: Voltando para a pica de Tio Billy===
[[Arquivo:BolsoCoin.png|180px|thumb|left|BolsoCoin]]
 
Além disso, ele teria arrumado encrenca no [[Orkut]] com todos os alunos negros e pardos da [[Universidade de Brasília]] usando como pretexto para tal a questão das [[cotas raciais]], chegando a responder por crime de racismo por conta disso, sendo que segundo as más línguas, algumas das tretas teriam sido motivadas pelo mesmo ter perdido uma [[piriguete|peguete]] para o [[Motumbo]], que na época também frequentava aquele ambiente , sendo que tal peguete teria preferido participar de um [[gangbang]] a ficar com ele, dada a forma bruta com a qual o mesmo tratava eventuais [[mulher|parceiras do sexo oposto]].
Marcelo também é o criador do [[BolsoCoin]], uma criptomoeda usada no [[Dogolachan]] como forma de pagamento por crimes cibernéticos, cujo objetivo inicial era de concorrer com criptomoedas como a [[BitCoin]] e a Monero no submundo da [[lavagem de dinheiro]], que ao fim serve pra manter as aparências de [[anarcocapitalismo|anarcoscammers]] como o [[Daniel Fraga]] que espalham tais [[estelionato|scams]] para os incautos como um investimento confiável, se achando super revolucionários por estarem passando seus recursos por fora do sistema fiduciário dos [[Banco Central|bancos centrais]] dos governos mundo afora, desconsiderando que cédulas bancárias já eram emitidas nos tempos do [[Barão de Mauá]].
 
Nesse ambiente, o mesmo teria arranjado também encrencas com [[gay]]s e principalmente com [[feminista]]s, enquanto se pagava de [[santo|SANCTO]], ainda que não passasse de um mero santo do pau oco.
O nome vem de [[Jair Bolsonaro]], o presidente [[poser]] que pra apelar se juntou a neonazistas e que foi denunciado por genocídio e crimes contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional por [[Lulista]]s que se aproveitaram da inação do mesmo na questão do [[Coronavírus]] para tentar jogá-lo em uma cilada no campo político, uma vez que o joguinho sujo de sair acusando os outros de [[neoliberal]], [[fascista]], [[nazista]], [[racista]], [[homofóbico]], [[transfóbico]] ou o que o valha já estava dando com os burros n'água.
 
==Relação com Emerson Eduardo Rodrigues Setim==
De qualquer forma, tal criptomoeda acabou por ser utilizada em fóruns anônimos na [[deep web]] como forma de pagamento para atividades chamadas de doxxing e swatting. A primeira diz respeito a usurpação de dados privados no [[Brasil|BR]] para que os mesmos sejam expostos a outras pessoas (em especial, [[estelionato|estelionatários]]) e a segunda é usada para uma espécie de trote a serviços de emergência. O objetivo da primeira é chantagear a pessoa ou tirar vantagem as custas da mesma, enquanto a segunda pretende apenas constranger a vítima.
 
[[Arquivo:Psycl0n e sua esposa.jpeg|200px|thumb|Psycl0n e sua esposa: Vejam a cara de pedófilo!]]
O BolsoCoin também seria usado para a compra de drogas na [[deep web]] em sites parecidos com o [[Silk Road]], sendo que tal criptomoeda, disponível na plataforma GitHub, foi criada pelo usuário Psycl0n, que se identifica em sua página como Marcelo Mello. Uma reportagem do jornal Correio Braziliense informa que trata-se de Marcelo Valle Silveira Mello. Não foi difícil para os jornalistas descobrirem a identidade do Psytoré.
 
Em meio a esse ambiente tumultuado, Marcelo conhece [[Emerson Eduardo Rodrigues Setim]], um outro [[playboy|piá de prédio]] que atuava como técnico de informática, mas que fingia ser engenheiro pra posar de bacana e impressionar nas [[redes sociais]], sendo que nessa época o Marcelo mudou para um condomínio de luxo onde Emerson morava enquanto mantinha a sua vida de [[playboy|bon-vivant]] as custas de papai, de mamãe e de [[dorgas]] em geral, mas que também andava tendo grande insucesso com o sexo oposto, a ponto de ter de se contentar com [[pedofilia|menininhas]] pra satisfazer o desejo de uma foda.
Os planos iniciais eram de que Psytoré e sua patota enriquecessem em cima de tal criptomoeda a ponto de estarem livres da [[Polícia Federal]], sendo que em tal intento, tal projeto foi um retumbante fracasso.
 
Juntos os mesmos montam um site com o nome de '''Silvio Koerich - O Perdedor mais foda do mundo''', onde usavam de uma argumentação digna de [[Revista Veja]] para convencer outros perdedores sem vida social dos supostos males do feminismo e do quanto o mesmo era um movimento fracassado (apesar de até então o [[feminismo]] mal passar de uma manifestação de Centro Acadêmico), com vistas a tentar tirar desforra das [[feminista]]s, que segundo ele, sempre atrapalharam a vida do mesmo nas frustradas tentativas dos mesmos no sentido de tentar pegar mulher, até pela tendência de quererem forçar paradas como [[poliamor]] e [[lesbianismo]] para as que não eram iniciadas nisso.<ref>''Assassinaram minha reputação''. Volume 1. [[Emerson Eduardo Rodrigues|Emerson El Capataz]].</ref>
Marcelo finalmente conseguiu o que queria, que é voltar para a piroca do Tio Billy, o seu negão, o seu marido que lhe ensinou na cadeia como se engravida pela cu, como se faz amor com a bunda.
 
Com vistas a manter o contato com seu miguxo íntimo [[Emerson Eduardo Rodrigues Setim|Emerson]], o mesmo se muda para [[Curitiba]], onde tempos depois é pego na Operação Intolerância da [[Polícia Federal]] por conta da obra podre deixada em seu sitezinho mequetrefe baseado no [[blogger|Blogspot]], sendo que na época já havia informações ainda não confirmadas do envolvimento do mesmo no [[Massacre do Realengo]] e em outras tentativas de atentado a moda [[Columbine]] com vista a tocar o terror no meio escolar e universitário.
Ele está na cadeia até hoje, e provavelmente não vai sair tão cedo.
 
====SE FODE AI, BATORÉ!====
Constam informações que depois da prisão, a relação de Emerson e de Marcelo nunca mais foi a mesma, em especial pelo Marcelo ter supostamente sido vítima de abusos contra o seu esfincter anal, o que até o momento não foi confirmado pelo fato de ninguém aqui ter tido contato com eventuais carcereiros ou companheiros de cela do mesmo, sendo que ao fim o Marcelo conseguiu livramento da prisão alegando insanidade, o que ''colou'' naquele momento, até por se tratar de um [[playboy|piá de prédio]] então bem situado financeiramente.
 
Há inclusive quem diga que Psytoré teve uma treta com seu comparsa [[Emerson Eduardo Rodrigues Setim]] com trocas de acusações pelo fato de que Psytoré tem curso superior e [[Emerson Eduardo Rodrigues Setim|Emerson]] então não tinha e por isso Psytoré teve algumas regalias na cadeia, como receber visitas íntimas de um <s>negão</s> traveco uma vez por semana, assistir televisão (Jornal Nacional, Sessão da Tarde e novelas do SBT), ouvir rádio ([[Jovem Pan]]), assistir a missa da pastoral carcerária aos domingos e tomar banho de sol todos os dias, enquanto Emerson quebrava pedras, descascava batatas e limpava os banheiros da penitenciária para ter direito a remissão da pena. Emerson também entrou no programa de leitura de livros, criado por [[Olavo de Carvalho]], para ter direito a remissão da pena, mas não conseguiu terminar de ler Crime e Castigo de Dostoiévski nem com a ajuda de um dicionário e tirou nota zero na prova para saber se ele leu o livro (na verdade Emerson só sabia ler gibis da [[Turma da Mônica]] e revistinhas em quadrinhos).
 
== Colaboração com Wellington Menezes de Oliveira e outras investigações da Polícia Federal ==
[[Arquivo:carinhopsy.jpg|thumb|Carinho de um miguxo de outros tempos no chan para cima do psytoré]]
Marcelo também é acusado de ter ajudado o assassino do massacre de Realengo, [[Wellington Menezes de Oliveira]], que frequentava o [[Dogolachan]] e pedia dicas para executar o atentado, sendo que Marcelo teria utilizado Wellington como uma espécie de [[sock puppet]], digo, [[meat puppet]] para os seus objetivos.
 
Anos mais tarde, Marcelo também ajudou na execução de outro atentado em [[Suzano]], no estado de [[São Paulo]]. O objetivo dos dois atentados em escolas públicas era matar crianças e adolescentes indefesos e desarmados. A [[Polícia Federal]] também investiga a ligação de Psycl0n com grupos neonazistas que atuam em [[Brasília]] desde 1982.
 
Um desses grupos organizou uma festa de aniversário para uma menina de 5 anos e fez um bolo no formato de uma suástica (um crime TERRÍVEL de apologia ao [[anão|nanismo]], digo, ao [[nazismo]]). O comparsa de Marcelo, [[Emerson Eduardo Rodrigues Setim]], conhecido como Pedola por [[pedofilia|sua preferência por "coroinhas"]], também é investigado por diversas agressões contra a ex-esposa, como chutes e socos, além de assassinatos de negros em [[Curitiba]] por motivação racista e pela morte de Rogério Gaspar.
 
Além disso, quando da primeira prisão do Marcelo junto a seu miguxo Pedola, havia um plano de uma execução a moda Columbine contra a [[UnB]], que não foi adiante pelo fato de ambos terem sido pegos com a boca na botija, além de um plano de atentado contra a vida da [[Lola Aronovich]], além é claro de um bocado de [[DORGAS]] (RIARRIRRIRI! DORGAS MANO!) que seria suficiente para indiciá-los por envolvimento com o narcotráfico, sendo que os mesmos escaparam dessa por terem bons ADeVOGADOS e um bom lobby em [[Brasília]] que só não superava o batalhão de advogados envolvidos no jogo sujo de tentar livrar o [[Lula]] da prisão no caso da [[Operação Lava Jato]].
 
== Criação do Dogolachan ==
* Usar [[camisinha]] com sabor em seus namorados. - "''Sabor morango naquela [[jeba]] enorme deve ser uma delícia!''"
* Formar um grupo de dançarinas ''[[drag queen]]s'' gordas com [[Conde Loppeux]], [[Adrilles Jorge]] e [[Bernardo Küster]].
 
===2015:Reportagem do Profissão Repórter===
<center><youtube>https://youtu.be/tsaxQ9FS67A</youtube></center>
 
== Música ==
<center><youtube>https://youtu.be/DQiYYTpYJ-g</youtube></center>
 
== Namorados famosos ==
 
* [[Lázaro Barbosa]] de calcinha vermelha (ativo)
* [[Luiz Mott]] (ativo e passivo)
* [[Fernandinho Beira-Mar]] (ativo)
* [[Emerson Eduardo Rodrigues]] (troca troca)
* [[Serginho Orgastic]] do BBB (passivíssimo)
* [[Rogéria]] (versátil)
* [[Vera Verão]] (passivo)
* Negão do Grindr (ativo)
* [[Satanás]] (ativo)
* [[Lúcifer]] (ativo)
* [[Moloch]] (ativo)
* [[Baphomet]] (passivo)
* [[Adélio Bispo de Oliveira]] (ativo)
* [[Champinha]] que faz chapinha (ativo)
* Cabeleireiro da penitenciária (ativo)
* Negão da piroca preta e culhão roxo (ativo)
* Ativo 29 cm do Grindr
* Traveco versátil
* Traveco 24 cm (ativo e passivo)
* [[Padre Paulo Ricardo]] (ativo)
 
== Ver também ==
emailconfirmed, Administradores da interface, rollback
11 646

edições