Hollow Knight

Virtualgame.jpg Hollow Knight é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Joanna Dark mata o ET Elvis acidentalmente (ou não).

Rolou Que Naite? mais conhecido pelo nome de Hollow Knight é uma tortura psicológica jogo de 2017 criado pela Team Cherry feito para na teoria entreter quem joga, mas na prática está entretendo bem mais os médicos cardiovasculares com consultas mais frequentes após o jogador enfartar de tanto se irritar no jogo... Ele conta a "história" de um besouro bípede (já começa errado ai) que sai por aí fazendo amizades, matando uns chefões e, principalmente, morrendo um tantão de vezes, numa dita cuja narrativa que não tem um pingo de lógica, bem ao estilo Dark Souls, tentando contá-la não diretamente, mas sim subjetivamente, por meio do cenário, personagens e eventos que eventualmente vão acontecendo, e que acabam por fazer muitos fãs da franquia a perderem seus tempos reunindo fatos e teorias, para aqueles mais atarefados, ou só mais burros mesmo, poderem entender o que se passa...

Cavaleiro Vazio
HollowKnight.jpg

Jogo índie hardcore menosprezado pela sociedade...

Informações
Desenvolvedor Team Cherry
Publicador Team Cherry
Ano 2017
Gênero Gênero geral dos generais
Plataformas PC, Nintendo Switch
Avaliação Cquote1.svg Bão di mais da conta, fi! Cquote2.svg
mineiro pão de queijo após zerar o jogo
Idade para jogar Todos os públicos, menos os hipertensos (chances de infarto elevadas)...

HistóriaEditar

A história, de um modo resumido, pois como em Dark Souls ninguém entende bulhufas, então melhor nem perder tempo, há muito tempo atrás existiam uns insetos pré-históricos mongoloides que por conta de serem burros cultuavam uma divindade chamada Radiância, e ficava por aí mesmo. Porém, também existiam uns insetos do tamanho de um tolete de bosta de um equino (ou seja, muito grandes), e um deles desistiu de ser gigantesco, e passou a ser diminuto, porém mais inteligente e menos funkeiro, e ele era chamado de Rei Pálido (porque cargas d'água o maluco já chegou se intitulando rei ninguém sabe, mas que isso aconteceu de fato aconteceu...). Esse rei decidiu dar inteligência aos tapados dos insetos, e eles pararam de cultuar a Radiância.

Com isso a mesma ficou 100% pistola, e tacou uma maldição na rapaziada, o que os tornaram putos da vida, atacando tudo e todos que viam pela frente. Com isso, o Rei Pálido tentou pedir assistência para umas criaturas fantasmagóricas, feitas a partir de porra petrolífera. Depois de muitas tentativas sem sucesso, finalmente ele conseguiu criar uma que funcionasse, chamada de receptáculo, porém ele não era 100% confiável e veio com defeito de fábrica, com isso, na tentativa de selar a praga da peste da miséria da bagaceira da Radiância, ele até conseguiu contê-la por um tempinho, dentro de um ovo de codorna, fazendo tudo voltar a normal e os insetos ficarem pacíficos. Porém isso não dura muito tempo, e a putaria volta a rolar solta, é aí que o nosso personagem é criado, na tentativa de conter de uma vez por todas as desgraças do mundo, porém com tudo já esbagaçado, desordem, e metade dos personagens, como o Rei Pálido e seus aliados mortos, e os que sobraram também vão morrendo aos poucos, que nem Dark Souls. Se bem que alguns até que sobrevivem...

JogabilidadeEditar

O jogo te mete (calma, não é o que você está pensado... espere, o que você está pensando...?) inicialmente num lugar chamado de Passagem do Rei, onde não tem absolutamente nada de interessante, e por lá ficam apenas os insetos mais foleiros e fracos do jogo inteiro, retirando um fantasminha nada camarada que você só encontra após ter malhado muito na academia e ter deixado seu personagem mais bem upado, por isso nem é contado direito... Depois de dar um rolê pelo local, você cai de uma altura da peste, o que inicialmente poria você a pensar que sua vida está em risco, mas no caso não, e andando mais um pouco você encontra uma cidade. Lá tem um besouro idoso que você caga e anda para o que ele fala, apenas o que importante de todo o blá blá blá vindo dele é que bancos espalhados pelo jogo são checkpoint e que geral da cidade caiu fora por um poço (talvez atrás da Samara Morgan) e só tem ele por lá, além de um casal recém chegado...

Se jogando dentro poço, já que o jogo gosta de te fazer despencar de alturas altíssimas, é onde o jogo de fato começa. Caso você não seja um aventureiro profissional que nem o Indiana Jones ou o Serjão Berranteiro, existe uma probabilidade alta de se perder pelas ruínas, e assim se distanciar dos objetivos principais do jogo, por isso caso queira zerar o jogo sem muitas horas gastas neles, é melhor ficar atento nos tutoriais na internet, ou então nesse aqui, por exemplo... A missão hiper-mega-ultra resumida é basicamente matar umas três entidades que selam o Tempo do Ovo Afrodescendente, e assim matar o Cavaleiro Vazio (que sarcasticamente não está vazio, por estar contendo a praga), ou então a própria Radiância, porém caso você queira sair por ai passeando de matando uma série de chefões existem mais caminhos a serem seguidos...

Óbvio que não será nada fácil matar as três entidades denominadas Baianas, ou Sonhadoras, pois vivem dormindo. Para ir até elas será necessário atravessar uma Encruzilhada Tediosa, um Caminho Emaconhado, com água que na verdade é ácido, e te mata (o mais importante), um Ermo Mofado (tentativa de caçoar com o nome do local falha) cheio de cogumelos alucinógenos irritantes que soltam pó de Doritos, além de uns louva-deus chatos pra caramba, um Inferno Profundo, abarrotado de vermes e criaturas nojentas, na escuridão do mundo, além de uma cidade que vive chovendo (parece até Manaus, só que pior) e um cânion entupido de águas-vivas, e depois de tudo isso finalmente voltar no início e entrar no Templo do Ovo Afrodescendente. Óbvio que ninguém é um vidente, ou sim, para saber para onde ir, então acaba se tornando fácil perder tempo onde não tem o que fazer, especialmente alguns lugares, como os Penhascos Uivantes..

CaracterísticasEditar

 
A situação não está tão fácil para o nosso herói (e nem para o editor dessa foto)...

Uma das principais características do jogo é a de ganhar novas habilidades, pois no início você tem apenas disponível andar, pular e apanhar dos inimigos, mas com o tempo você consegue escalar nas paredes, dar uma voadora mucho loca, dar um pulinho extra com as asinhas de um anjo depenado, se papocar no chão, atirar porra, atirar porra afrodescendente, soltar uns espíritos pra cima, soltar uns espíritos pra cima afrodescendentes, dar uma mini carreirinha pra frente, dar uma mini carreirinha que passar por dentro dos inimigos e outras que ninguém se importa, e a de apanhar ainda mais, é óbvio...

Outra função do jogo é a dos vendedores, que obviamente vendem coisas para você, ou apenas roubam seu dinheiro e em troca te dão uma bugiganga mequetrefe. A moeda do jogo é o Geo, uma espécie de pedrinha encontrada por aí em depósitos, o que é o mais comum e provável, e dentro de inimigos após você matá-los, o que é nenhum pouco provável e nem sequer sentido há nisso... Os itens que podem ser comprados são mapas das áreas, para não se perder, sendo que já dá pra se perder com os mapas, então é muito recomendado que você compre os mapas, além de amuletos que te dão novas habilidades e marcadores, desde os que marcam coisas úteis, como onde ficam os pontos de metrô, e os inúteis que marcam porra nenhuma (literalmente porra nenhuma, você que decide onde colocar, o que pode parecer útil, mas eu lhe garanto que quem está escrevendo isso jamais usou essa porcaria)...

Como se não já bastasse tudo isso ainda podemos aumentar o dano de nosso ferrão, que é basicamente a espada do jogador. Para fazer isso você deve falar com o Forjador dos Ferrões que irá em troca de esvaziar sua carteira e uns minérios que você precisa sacrificar sua alma em troca para receber, ele irá aumentar o dano de seu ferrão, e também o deixará mais bonito, mas isso ninguém se importa. Também é possível fazer outras coisas menos importantes, como conseguir um livro pra anotar cada vida que é ceifada por suas mãos, conseguir uns ataques mirabolantes que quase ninguém usa, aumentar sua vida pra poder morrer mais vezes e etc.

Características geraisEditar

O jogo traz uma atmosfera deveras parecida com Dark Souls: tudo papocado e em ruínas, a maioria dos NPCs morrem e/ou são todos triste e solitários, existiam seres racionais porém geral pirou na batata e se enlouqueceram, tornando-se selvagens, além de vários chefões com dificuldades avançadas. A única maior diferença de um jogo pro outro é que nem todos os personagens se arrombam no final, principalmente a depender da decisão que você tomar, sendo que há até mesmo zoeiras a parte de vem em quando...

Outra característica marcante é o fato de você poder sair por aí por onde quiser, sem necessariamente ter que matar um chefão para poder acessar a área, ao contrário de Dark Souls, que já foi citado mil vezes nesse artigo... Contudo isso não é 100% vantajoso, pois existe uma chance grande de você se perder e não fazer o que principal do jogo, e assim perder tempo que poderia ser investido em conquistar uma nova habilidade, ou simplesmente sair dessa reclusão gamer e ser alguém na vida, mas isso é pouco provável não é mesmo meu amiguinho?

Conteúdos adicionaisEditar

Diferente dos demais jogos, os conteúdos adicionais de Hollow Knight já vem dentro do jogo, de graça, o que está mais para "atualizações", mas geral chama de conteúdos adicionais, então temos de segui-los, ou podemos ser anarquistas e ir de encontro com o sistema... O primeiro deles, o Hidden Dreams (que em português se traduz Pesadelos Aparecidos), dá mais destaque aos sonhos (óbvio) e adiciona ao jogo dois novos chefões: a versão europeia do Defensor do Esterco, o Defensor Branco, e o Príncipe Cinza Zote, que é uma versão maromba, e chata pra cacete, diga-se de passagem, de um velhote que se acha o Hércules da parada, além de outros conteúdos de menor importância...

O segundo deles, é o The Grimm Troupe, que em português se traduz para زين الدين يزيد زيدان. Nesse conteúdo adicional, por meio de uma macumba braba você invoca um grupo de artistas de circo do capiroto, que te manda ir matar umas criaturinhas chatas que só uma porra para alimentar seu capeta de estimação. No fim, o líder deles te chama pra lutar contra ele, e termina com você apanhando e morrendo um trilhão de vezes, a não ser que você seja mais um daqueles chineses gamers que passam 35 horas por dia na frente do PC... É possível espantá-los de uma vez por todas, mas isso exige uma série de coisas, caso contrário você terá de lutar contra o líder novamente, só mais forte e mais rápido, e com mais mortes suas também...

Já o terceiro, que se chama Lifeblood (traduzindo para o português fica Mortemenstruação) deles é o mais foleiro de todos, ninguém sequer sabe quais eram as intenções dos desenvolvedores criando ele, então foda-se, vamos pular pro próximo... Já o quarto é último, conhecido pelo nome de Godmaster (em português: 😋😎🤣🤑😱🤡👺💀), é o mais fodas entre os quatro, pois no primeiro os chefões são tudo pauleira, o segundo idem, o terceiro caguei, já o quarto até os gráficos são bem mais superiores, e os chefões são bem mais acessíveis, pois são nada mais e nada menos que todos os outros que você viu antes... Na realidade a única coisa boa nele é que você ganha conquistas, e todos gostam de conquistas pro XBox, PS e Steam...

Chefões (só os principais)Editar

 
Mãe Mosca só queria dar uma de baiano...
  • Falso Cavaleiros: Ele é a primeira vista uma armadura bombada e gigante, com um porrete enorme do tamanho do pau do Kid Bengala, mas na realidade é apenas um verme cabeçudinho que roubou essa armadura de um antigo defensor do Rei Pálido. A sua batalha é até fácil de ser vencida, pois é um dos poucos de que deixa o jogador respirar e recuperar seus pontos de vida, por mais que sua versão dos sonhos, bem, como eu posso dizer, é uma desgraça...
  • Mãe Mosca: É uma mosquinha da pesada que irá aprontar altas confusões na Sessão da Tarde. Ela tem uma mecânica deveras simples de ficar se batendo pra cima e para baixo, ou de se jogar no jogador, o que é simples caso ele tenha dominado a arte de esquivar das coisas, pois caso contrário vai ser um chefão chatinho de se derrotar. Além disso, com o passar do tempo ela se torna quase que um inimigo mundano do jogo, então meio que ela retorna em dobro, e no dobro eu quero dizer que haverá duas dessa mosca sem-vergonha...
  • Hornet: Não, não estamos falando da moto que é usada como meio de locomoção por muitos ladrões das favelas cariocas, e sim de um serzinho parecido com o personagem principal, só em versão feminina e muita mais bem equipada, ao menos no início. Com o passar do tempo, percebe-se que ela é mais do que um NPC qualquer, e sim alguém de suma importância, pois segundo o lore do jogo ela seria uma filha bastarda do Rei Pálido, e agora fica zanzando por aí te atacando a todo e qualquer momento, duas vezes, na realidade...
  • Lordes Louva-Deus: Eles são os queridinhos dos fãs do jogo, desde sua música tema de batalha, até a própria batalha. O único problema é que eles ficam entre a Vila dos Louva-Deus e o Ninho Profundo, que são duas áreas simplesmente desgraçadas, a Vila dos Louva-Deus nem tanto, mais por conta dos parkour que você tem de fazer até chegar nos chefões, já o Ninho Profundo é mais repulsivo do que uma boceta de uma velha cheia de verrugas e com candidíase severa... Os tais Lordes são três, primeiro vem o do meio pra cima de você e depois os outros dois mais folgados juntos, em movimentos que se parecem mais com balé...
  • Uumuu: Com um nome desses fica até difícil tentar descobrir do que se trata essa criatura, mas aqui estamos falando de uma água-viva (por mais que o tema central do jogo fossem insetos) gigante que só faz brotar uns raios elétricos em cima de você, enquanto você fica pulando de plataforma em plataforma para não cair no mar de Sprite ácido. Para poder dar dano nessa desgraçada é preciso esperar pacientemente pela ajuda de Quirrel, que não é um esquilo, e sim um besouro espadachim, que volta e meia aparece por aí, dar uma espadada na maldita, que poderia muito bem ser você, mas enfim...
  • Mestre das Almas: O que aconteceria caso você juntasse o Doutor Estranho com uma barata? Bem, acho que temos uma resposta... O Mestre das Almas é considerado um dos mais difíceis do jogo, principalmente por ficar teleportando que nem sua raça de besouros magos fazem, além de algumas trollagens por sua parte, como fingir que irá se jogar no chão sendo que não vai, o que faz você gastar seu precioso pulo na hora errada, ou ainda fingir que morreu e depois renascer e ficar se papocando ainda mais no chão... Contudo, se você der uma estudada melhor em seus movimentos verá que nem é tudo isso o que dizem a seu respeito, o problema é que ninguém de fato estuda...
  • Cavaleiro Sentinela: Com toda certeza, agora sim estamos falando de um dos mais filhos de uma mulher que vende seu corpo em troca de dinheiro do jogo. Isso porque se já não bastassem dois de uma vez na sua cola, como os Lordes Louva-Deus, que tal então seis de uma só vez. É claro que não são seis de uma vez, e sim dois de cada vez, mas mesmo assim os arrombados não te deixam respirar por um segundo sequer, tem que ser muito bem calculada o horário do intervalo nessa briga, pois se não será esmagado diversas vezes por esses besouros de uma figa...
  • Lorde Traidor: Dos mesmos criadores de Lordes Louva-Deus, vem aí Lorde Traidor... Ou será que seria Lorde Arrombador? Isso porque ele é fácil de certa forma, porém depende muito de sua atenção, ou caso contrário irá tomar pau novamente para um louva-deus, o que já não basta sua lonjura do checkpoint e os parkour da sua área, além dos outros louva-deus que te fazem ter saudades dos outros louva-deus que você conhecia antes... Reza as lendas que ele era também um dos Lordes, porém abandonou o trono para ser consumido pela Radiância, ficando mais Léo Stronda, porém mais burrão e agressivo...
 
Mestre das Almas: fica voando enquanto você fica se arrombando tentando sequer tocá-lo...
  • Guardião Cristalizado: Esse é mais um que enche o saco não porque é difícil, e sim que, primeiramente a distância do checkpoint até onde ele fica é de cair o cu da bunda, e segundamente que ele de tão fácil que é acaba dando uma afobação em quem luta contra ele, fazendo-o atacar mais e se defender menos de seus raios lasers e pulos aleatórios. Por isso vá na paz de Jah e sem pressa...
  • O Colecionador: Outro chefão tão aleatório quanto aparenta ser, O Colecionador é uma sombra que ganhou vida e agora segue por aí aprisionando todo tipo de ser vivo que ele encontra, e é exatamente isso o que ele faz: ficar pulando e tacando uns jarros contendo outras criaturas mais fraquinhas, que, caso você não os mate imediatamente vão começar a encher o seu saco. Mas de resto ele é em fácil de se matar, além de que te dá uma ótima recompensa, que é a localização exata das grubs, uma espécie de lagartas aprisionadas por ai que em troca de sua liberdade, o chefia deles lhe dá Geo entre outras recompensas...
  • Receptáculo Quebrado: Ele foi uma dentre várias outras tentativas falhas de criar um receptáculo para conter a Radiância pelo Rei Pálido, porém no seu caso ele que foi contido pela Radiância, e agora fica fazendo sabe-se lá o que na Bacia Antiga... A sua luta é realmente bem complicada, mas caso você for na tranquilidade e paciência é possível derrotá-lo, até porque caso não fosse ninguém teria zerado o jogo...
  • Bolsominion Defensor do Esterco: Ele é um chefão bem pouco esperado, e deveras surpreso, contudo é um dos mais fáceis do jogo, e dá pra vencer de primeira numa boa, é só não se afobar (nunca se afogar e cair em cima do chefão ignorando a defesa é sempre muito útil) e desviar do esterco que ele taca em cima de você, e depois de preferência ir tomar um banho... Porque motivos levaria alguém a ficar defendendo um monte de esterco, que para pessoas mais mimimi e enjoadas ficariam... enjoadas, ninguém sabe, porém ele está, ele é feliz, então quem sou eu para se opor a isso?
  • Nosk: Um chefão secreto conhecido por primeiramente se passar por uma cópia fajuta do personagem principal, quando misteriosamente ele se transforma numa criatura gigante e nojenta, como a maioria dos bichos que habitam o Ninho Profundo, local onde ele pode ser encontrado. Já é estranho a fato de algo inicialmente tão pequeno acabe se transformando em algo enorme daquele jeito, talvez fosse tecnologia do Tony Esterco, mas o mais bizarro é onde ele fica, que é numa parede falsa totalmente aleatória, o que te faz pensar em como alguém conseguiu achar aquele lugar, só pode ser um integrante dos Anonymous...
  • O Cavaleiro Vazio: O chefão final do jogo pode ser, para muitos, ou talvez quase ninguém e o criador deste artigo seja apenas um chato, um tanto quanto decepcionante. Isso porque ele não tem aparência badass como o Soul of Cinder de Dark Souls III, ou uma arena atraente, como a de Yuki-onna de Nioh. Até mesmo sua dificuldade não é das maiores, principalmente se a Hornet intervir e rumar seu palito de dente na fuça dele. Mesmo assim dá para se entreter...
  • A Radiância: Agora sim estamos falando de um chefão final qualidade, desde a trilha sonora até sua própria aparência. O único problema é que, além dela dar dois dano por tapa, o que desanima um pouco as coisas, você tem de enfrentar O Cavaleiro Vazio até um certo ponto da batalha, quando a Hornet aparecer, e rumar o ferrão dos sonhos no maluco, assim conseguindo entrar na batalha verdadeiramente final. Sua batalha é mais uma daquelas que olhando parece fácil, mas na prática...