Os Normais

Rede-GROBO.png PLIM! PLIM! Este artigo é uma coisa da Rede Globo de Manipulação! Esta página pode estar mencionando alguma novela clichê que sua mãe gosta, algum pseudo-ator rouaneteiro ou algum comunista de boteco que se diz jornalista. Para mais coisas relacionadas ao Projaquistão, clique aqui.

Cquote1.svg Você quis dizer: Os Anormais? Cquote2.svg
Google sobre Os Normais
Cquote1.svg Você é doida demais... Cquote2.svg
Lindomar Castilho, anunciando a abertura.
Cquote1.svg Quem não quer ver malucos, deve quebrar os espelhos. Cquote2.svg
Voltaire, filosofando sobre Os Normais
Cquote1.svg De perto, ninguém é normal. Cquote2.svg
Gal Costa sobre Os Normais

Os Normais, que de normais não tinham porcaria nenhuma (ou sim), foi uma sitcom produzida pela Rede Globo entre os anos de 2001 e 2003 pra passar no horário em que as crianças deveriam estar dormindo e deixando os pais relaxarem (no sentido sexual da palavra), isto é, às 23 horas da noite. Como qualquer "spin-off" de Zorra Total, foi escrita por Alexandre Machado e Fernanda Young.

Afinal, do que se trata?Editar

 
Os normais.

Rui (Luiz Fernando Guimarães) é um cara normal, igualzinho a você, só que não. Ele vive com a mulher Vanilce (Fernanda Torres) em um predinho na Barra da Tijuca e juntos os dois fazem coisas absolutamente comuns e consideradas... normais... Saca? Peidar debaixo da fronha, dar banho um no outro, lambuzar a cara comendo coxa de frango (seria asinha se fosse nos EUA), tirar catota do nariz com o dedo e limpar na calça, usar o banheiro com a porta aberta, sofrer um ataque de um exército demoníaco de pernilongos, surtar com o vizinho filha da puta que faz mais barulho (não necessariamente sexual) que carro de telemensagem...

O sucesso da sérieEditar

Os Normais ganhou enorme popularidade entre os fãs (surpresa seria se fosse entre a gentalha, né...) devido a sua linguagem coloquial e isenta de palavrões e vocabulário chulo. Com o passar do tempo, outros atores foram entrando para o elenco pra encher linguiça ou não se sentirem rejeitados, como Evandro Mesquita e Débora Bloch. Os episódios têm os nomes terminados em "...é Normal": Criar Artigo na Desciclopédia é Normal, por exemplo apagar o artigo do Rui por ter menos de 7 linhas também. O sucesso fez a mente do autor criar asa e fizeram 2 filmes, com mais gente irrelevante no elenco e mais situações zoadas, que mais tarde foram lançados em VHS, já que DVD naquela época era mais caro que pote de sorvete Ben & Jerry.

A abertura dessa joçaEditar

É cantada por Lindomar Castilho, astro pop do tempo dos seus avós (se o Alzheimer fodeu com a cabeça deles, pesquise no Google). Você é Doida Demais mostra uma sequência de ilustres desconhecidos que ninguém nunca ouviu falar, como aquele seu vizinho que adora ouvir Pabllo Vittar de calcinha, ou aquela guria retardada que hoje venera BTS acima de todas as coisas. A letra:

Você é doida demais
Você é doida demais
Você é doida demais
Doida, muito doida
Você é doida demais

  Que merda, hein...  
Alborghetti sobre letra acima.

Nem é preciso dizer que a letra é bem maior que essa bagaça, mas ninguém se importa, então pra quê perder tempo mostrando-a na íntegra? Pra isso existe o Descifras Só esses cinco versinhos é que tocavam na abertura, mesmo...

Por que Os Normais existiu?Editar

A ideia da série é mostrar ninguém é normal. Por mais normal que pareça aquela mina bunda-mole do tinder que gosta de filmes, séries e trilhas ou aquele crosfiteiro de abadá dançando mal pra cacete na choppada da ADM, por mais que essas coisas banais e medíocres, que são engraçadas nos filmes do Adam Sandler, mas perdem a graça em qualquer tirinha mal desenhada de guria retardada lacradora, sejam feitas por qualquer um... Na realidade, eu não sei ninguém é normal: a mina bunda-mole poderia curtir BDSM e saber fazer sushi, o crosfiteiro poderia ser vegano e colecionar aviões de brinquedo... Os dois poderiam ter o sonho surreal de dançar tango na Albânia ao som de Through the Fire and Flames! Tá bom, agora foi demais...

v d e h
Sitcoms