Política do Laos

Laos é uma república popular democrática, ou seja, o sistema de governo e de política mais avançado que existe no mundo, onde o objetivo é a felicidade geral da nação, o repartimento dos bens e o altruísmo econômico. Ou apenas podemos chamar o Laos de comunista leninista/marxista/polpotista/maoísta onde o regime totalitarista é repressivo que oprime as minorias étnicas e quer exterminá-los ou expurgá-los para a selva onde eles são refugiados, os direitos humanos são violados, e ataques políticos em todo o país são frequentes.

Partidos políticosEditar

 
Como no Laos não tem internet, eles acham que a União Soviética ainda existe até hoje.

Devido à falta de verbas, o Laos só tem um partido político. Todavia esse fenômeno gerou diversos avanços para o país, uma vez que sem pluralismo partidário há uma enorme economia em esforços com gastos em eleições e todas essas coisas onerosas de países democráticos atrasados. O único partido do país é o:

  • Partido Popular Revolucionário do Laos - Que já não faz mais nenhuma revolução, mas deixou o nome para manter o impacto, e embora não seja popular, é de praxe usar esse nome ao invés de "socialista". Este partido não passa de restos mortais do Pathet Lao

PoderesEditar

Executivo

Devido ao caráter monarquista de governo, não existem no Laos algo como eleição direta a presidência, mas sim uma linha de sucessores de um grupo de possíveis presidentes pré-estabelecidos por um alto-imperador de nome de batismo desconhecido, mas denominado apenas como "Grande Irmão".

Legislativo

Até existe uma tal Assembleia Nacional do Laos, todavia ela é absolutamente inútil e se encontra no momento abandonada, pois uma vez que o Laos se declarou orgulhosamente um país comunista, qualquer Constituição que a Assembleia venha cogitar criar, o poder executivo do país a rasgará, tendo então os deputados laosenses como única atribuição elaborar leis acerca do aumento do salário dos políticos e do aumento do imposto sobre o arroz ou sobre o serviço de plantar arroz.

Judiciário

Os juízes laocitas que compõem Suprema Corte Popular são meramente parentes dos deputados da Assembleia Nacional do Laos, afinal, no Laos não existe curso de direito, pois ele foi abolido junto com todas escolas do país em 1980, e portanto para eles o poder judiciário é só um lugar para receber salários enormes, mesmo que façam nada durante todo o mandato de juiz.

Relações exterioresEditar

Sem saída para o mar, o Laos subsiste apenas ali no mundinho da Indochina, não acreditando e não conhecendo que existe algo além do Vietnã, Camboja, Tailândia e Birmânia, que são justamente os únicos quatro países que detém negócios ou algum tipo de relação bilateral.

As relações com a China, porém, são de subserviência absoluta e total, tanto que são só chineses quem escolhem os presidentes de Laos e tudo mais.

  Laos
HistóriaPolíticaSubdivisões
GeografiaEconomia
CulturaTurismo