Rádio (elemento químico)

Rádio
Radium 2.jpg
Amostras de rádio sob luz ultravioleta, de posse exclusiva da Tropa dos Lanternas Verdes.
Símbolo, número Ra, 88
Série Metal pilha alcalina enterrada
Principal isótopo 226Ra (quantas risadas)
Propriedades atômicas
Massa atômica 226,02 cu
Dureza Desconhecida
Nível de radioatividade Absurda
Nível de toxicidade Imensa
Propriedades físicas
Comestível? Sim, mas só uma vez
Inalável? Vai em frente
Posso passar na pele? sim, mas só uma vez
Onde encontrar Fukushima
ponto de fudição 973K
ponto de rebuliço 2010K
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói sim (Magneto)


Cquote1.svg Ri rádios! RaRaRaRa! Cquote2.svg
Humorista sem graça sobre o símbolo químico do rádio

Rádio é um elemento químico dos metais alcalino-terrosos, que apesar de seu número atômico de apologia ao nazismo, o 88, se considera um cidadão polonês. Apesar do nome familiar ele não é utilizado na fabricação de rádios e nem está no nosso esqueleto (porra, pra que pôr o mesmo nome em tantas coisas diferentes?)

HistóriaEditar

 
Rádio, desde sempre contribuindo na redução da quantidade de sogras no mundo.

O rádio foi descobertos por Marie Curie e seu coadjuvante e às vezes marido Pierre Curie em 1898, através da análise de uma pedra filosofal. Ao retirar urânio dessa pedra mística, encontraram um restolho de material que emitia uma energia sobrenatural, que chamaram de energia radioativa já que causavam interferência em todos radinhos de pilha (era um alerta). Foi isolado do bário, gerando uma chama vermelha e brilhante, que logo foi contida pelos magos da cidade.

Em 1902, que foi o tempo que levou para terem coragem de mexer com aquilo de novo, foi isolado utilizando mercúrio, platina e irídio em uns processos que só aquele casal maluco entende.

Hoje sabe-se que o rádio possui 25 isótopos estáveis que são alvo de grande desinteresse dos cientistas em geral. O mais estável é o Ra-226 que possui meia-vida de 1602 anos, mas como Curie não fora treinada pelo Professor Xavier, não pôde esperar todo esse tempo para acompanhar sua deterioração, vindo a virar presunto em 1934.

CaracterísticasEditar

O rádio é o mais pesado dos metais alcalinoterrosos, é fodasticamente radioativo e encontrado em quantidades mínimas numa pedra qualquer chamada pechblenda, mas quem liga para quantidades mínimas e ainda mais pechblenda? Misturado com o berílio produz nêutrons, e daí? Dando pra misturar no café da sogra, já é suficiente.

O elemento leva 25 anos para perder 1% da sua atividade, portanto, comeu morreu. Não se contamine com rádio a menos que queira ter Síndrome da Face Pixellada por toda a vida.

AplicaçõesEditar

  • Era usado como tinta em relógios e instrumentos de medidas, mas esse uso estapafúrdio acabou depois que perceberam um mol de usuários de relógios batendo com as dez. Então aprenda, se vir algo pintado com tinta de rádio, não mexa a não ser que queira ver sua mão cair e evaporar em uma nuvem satânica.
  • Quando misturado com o berílio pode ser empregado como uma fonte de nêutrons para a física experimental, portanto, nada que alguém além de cientistas nerds altamente obcecados vá se importar.
  • Em forma de cloreto é usado na produção do gás radônio, que é usado para combater o Câncer nas batalhas dos Cavaleiros do Zodíaco.