Star Wars (1987)

Virtualgame.jpg Star Wars (1987) é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, o Donkey Kong mata o K. Roolenstein.

Star Wars Episódio 4.6: A Caça aos Cosplayers de Darth Vader, de 1987, foi a primeira tentativa de um jogo de plataforma de Star Wars, um jogo tão ruim que existe só em japonês, pois a Namco ficou envergonhada de lançar essa porcaria no mercado ocidental, não apenas porque a premissa do jogo é ridícula (matar cosplayers de Darth Vader), nem pelo Luke ser moreno, mas porque era um desses jogos impossíveis de zerar sem emulador.

Star Wars Episódio 4.6: A Caça aos Cosplayers de Darth Vader
Star Wars 1987 cover.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Manco
Publicador Namco
Ano 1900 e Guaraná com rolha
Gênero Alex Kidd hackeado
Plataformas NES
Avaliação 3/10
Idade para jogar Livre

DesenvolvimentoEditar

Muito antes de Ataque dos Clones, a franquia Star Wars já fazia um clone bem sucedido em 1987 quando a Namco na cara dura hackeou sem mais nem menos o famoso joguinho da época Alex Kidd in Miracle World, usando a mesma malandragem de Mônica no Castelo do Dragão de fazer um Ctrl+C Ctrl+V no jogo dos outros, botar uma skin diferente (Star Wars, no caso) e pronto. Como naquela época a ONU estava ainda muito no começo, não havia crime de plágio, então esse tipo de coisa na verdade era bem comum e até mesmo aceito pela comunidade gamer.

De toda forma, o resultado final foi similar a um pequeno morrinho de fezes de porco, por isso a Namco sentiu-se envergonhada em lançar o jogo no ocidente, até porque no Japão ninguém sabia o que era Star Wars e o jogo passaria despercebido como só mais um joguinho genérico qualquer, e por isso só existe esse jogo em japonês.

JogabilidadeEditar

Por ser um hack descarado de Alex Kidd, a única coisa que você pode esperar desse jogo de Star Wars é uma dificuldade beirando a impossível, de fazer Battletoads parecer um jogo no easy. Começando que já em 1987 Luke já sofria de um mal que ainda vai perseguir bastante a série de jogos de Star Wars, o mal do sabre de luz, que tem sua eficiência reduzida a um mero porrete (situação que vai perdurar até o mais moderno dos jogos).

A sensação será sempre de estar jogando Catmario no mundo do Megamen, com várias situações injustas que forçam o jogador ter que decorar os cenários, tudo enquanto os inimigo são todos sempre difíceis de matar, difíceis de sequer acertar com o sabre de luz porrete, enquanto esses mesmos inimigos não param de soltar projéteis que te matam facilmente, muitas vezes sequer acertando o sprite do Luke mas matando-o mesmo assim. Nada de continue, só 3 vidas, e one-hit-kill, a ideia é desgraçar o jogador.

O jogo então resume-se a ter que abdicar de sua vida social para conseguir passar de fases incrivelmente injustas enquanto mata Stormtroopers, pássaros e capetas de Tatooine, com o objetivo final de exterminar diversos cosplayers de Darth Vader espalhados pela galáxia.

EnredoEditar

 
Luke Skywalker enfrentando Darth Vader dentro de um Sandcrawler. Um tipo de situação que expande o universo de Star Wars.

Até antes da compra de Star Wars pela Disney, esse jogo foi considerado canônico da série e contava uma prequel do que o Luke Skywalker estava fazendo antes dos eventos de Episódio IV: Uma Nova Esperança, e no caso, ele estava atuando como um ávido caçador de cosplayers de Darth Vader, o que o leva para dentro de um Sandcrawler onde Luke ouviu boatos que estava acontecendo uma festa temática de Star Wars, e ele sabe que nesses lugares sempre tem um cosplayer de Darth Vader, e ele não estava errado, havia um escorpião fantasiado de Darth Vader ali dentro, cabendo ao jogador matá-lo e partir para os próximos.

Apesar do roteiro detalhado desse jogo, infelizmente ainda há uns furos, e não há qualquer explicação do porque Luke em quase todas as fases anda a pé, se ele tem um Landspeeder indestrutível que sai atropelando todo mundo como se fosse uma estrela do Mario ligada. Mas depois que Luke entra em Mos Eisley com carro e tudo e sai voando na Millenium Falcon nunca mais vai usar aquele veículo.

Por ser uma prequel, nada da história de Episódio 4 está ali, mas vários elementos estão presentes, como uma caverna ferrada, uma missão de resgatar a Princesa Leia e uma aventura num planeta gelado, sempre caçando cosplayers de Darth Vader.

Na fase final controlamos uma X-Wing