T2: Terminator 2: Judgment Day (jogo de 1993)

Virtualgame.jpg T2: Terminator 2: Judgment Day (jogo de 1993) é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, o seu Neopet bate no Sloth com um jornal.

T2: Terminator 2: Judgment Day é um jogo desgracento, mais uma porcaria cagada e sem sentido feita pela LJN numa época e que aparentemente qualquer coisa podia virar um jogo de videogame.

O Exterminador do Futuro: Com Artrite Reumatoide e sem Carteira de Hasbilitação
Terminator 2 SNES 1993 cover.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Bites Studios
Publicador Arco-Íris do Inferno
Ano 1993
Gênero Sofrimento de quem jogar
Plataformas Super Nintendo e Mega Drive
Avaliação -1/10
Idade para jogar Livre

DesenvolvimentoEditar

Como o nome LJN está envolvido na produção desse game, então já pode esperar que vem merda. Mantendo sua tradição em fazer jogos merdas de filmes legais, os desenvolvedores fizeram como sempre e nem assistiram o filme, fazendo qualquer coisa mas nada relacionado a Exterminador do Futuro 2. O jogo originalmente se chamaria apenas Dude with Arthritis Shooting Stupid Cops and Ninjas, mas que graças à ausência de leis sobre propriedade intelectual na época conseguiu ter seu nome modificado para Terminator 2, só pra surfar no sucesso do filme.

JogabilidadeEditar

 
A mais temida parte do jogo, quando você precisa digirir com um boneco sofrendo um AVC.

Nesse jogo de plataforma onde controlamos um cara com problemas ósseos, nosso único objetivo é espancar e dar tiro em todo mundo, até as garçonetes. Como caminhar para frente é algo mais lento que um idoso caminhando até a Lotérica, é muito comum ver o jogador pulando igual um demente para minimamente acelerar o boneco na tela. Por estar vestido de preto e com óculos escuros, muitos confundem que o boneco controlado pelo jogador é o famoso T-800, mas obviamente não é o T-800 quando percebemos que um mero motoqueiro aleatório consegue matar essa pessoa de óculos escuros só com socos, algo impossível de fazer a um robô de alta tecnologia do futuro.

Apesar de ser um jogo de "plataforma", ao pular o boneco parece que está com AVC e não sobe nem 10 centímetros do chão. Essa parte é perdoável porque em nenhum momento o T-800 sai pulando nos filmes, ele só anda em linha reta e atira.

O principal inimigo, como esperado, é a amoeba prateada que te persegue durante o jogo inteiro. Como ele é mais burro que uma mula e derrete com dois tiros de escopeta, ele só enche o saco mesmo.

Agora a parte que mais chama atenção nesse jogo é a parte da estrada, que ocorre entre uma fase e outra. Não existe na história dos videogames um carro/moto pior de guiar do que o veículo desse jogo. Nem Alone in the Dark (2008), nem Dick Tracy, nem até mesmo Space Race conseguiram transmitir a sensação exata de estar guiando um veículo no qual o motorista está tendo um AVC no cérebro com um infarto no coração durante uma crise de diarreia. A intenção muito bem acertada foi demonstrar o quão difícil é dirigir um carro dos anos 90 sendo você uma máquina do futuro que nunca foi a uma autoescola.

EnredoEditar

 
T-800 indo cagar num banheiro.

Tal qual o filme o jogo começa num boteco com o T-800 peladão, terminando aí as similaridades e o resto sendo uma longa e maldita fanfic. O estranho objetivo desse androide de altíssima tecnologia enviado do futuro é encontrar "objetos do futuro", além de reunir armas de fogo não letais com as quais vai fuzilar um monte de humanos, fazê-los caírem no chão fedendo até sumirem, ou seja, os mata, para depois tentar se enganar que não foi letal.

Esse robô do futuro está claramente com um problema na coluna e por isso se desloca pelos cenários com sofreguidão, demonstrando ainda enormes dificuldades em dirigir veículos, mas está determinado em seus objetivos e passa a visitar um monte de casas, e um um shopping cheio de policiais dementes, até encontrar um garoto chamado John Connor num Arcade e indignado com o abandono da criança decide levá-lo até a sua mãe.

T-800 então invade um manicômio cheio de polícias e um elevador sem botões que vai para andares aleatórios, para encontrar ali a mãe de John, a Sarah Connor, e libertá-la do hospício para que possa cuidar do filho.

O jogo já é de curtíssima duração, e mesmo assim tem umas enrolações, como ir num ferro-velho enfrentar o T-1000, pegar uma peça velha, e ir embora. Ir para uma casa assassinar um tal de Miles, onde depois surgem uns ninjas. E até mesmo invadir os servidores físicos da Google e destruir tudo no local para evitar o futuro aparecimento da Skynet.

Claro que a última fase acontece numa siderúrgica, onde tal qual o filme, o último chefão é uma amoeba gigante vermelha. Como os desenvolvedores da LJN nunca assistem os filmes dos jogos que eles fazem, o que acontece após t-800 derrotar o T-1000 é que 3 bilhões de humanos são salvos. E fim.

v d e h