Teoria dos vinte e nove anos de populismo direitista eleitoral brasileiro

Jânio Quadros, grande defensor da teoria e progenitor dela.

A teoria dos vinte e nove anos de populismo direitista eleitoral brasileiro é um conceito formulado em 2018 por um pseudo-historiador chamado João Dias e que considera que há um ciclo bizarro de 29 em 29 anos que leva o povo brasileiro a após esse período se decepcionar com a política considerada "tradicional" e se deixa levar por discursos populistas de indivíduos que se identificam com a direita (ou pelo menos dizem ser dela) e acabam caindo no papo furado bonitinho deles de mudanças, de moralidade e de mudanças fortes.

Base teóricaEditar

O historiador de quinta catiguria formulou o conceito estudando a fundo as eleições no Brasil em todo o período republicano, bem como as revoluções e contradições na história eleitoral brasileira. Notou-se um certo padrão que surgiu após a Revolução de 30 que seria justamente a inclinação de parte significativa da população brasileira aos discursos moralistas e de pessoas supostamente letradas, ilibadas e de alta patente, dispostas a limpar o país de toda porqueira que os mesmos costumam atribuir à "ameaça comunista" ou ao "perigo de esquerda" e coisas similares.

O mais bizarro é que o período costuma sempre ser de vinte e nove anos, desde que houve o primeiro caso notório em 1960. Será que o Renato Russo tava prevendo isso em 1993 quando fez a música Vinte e Nove? Talvez jamais saibamos...

Características que caracterizam esses caracteres de mau bom caráterEditar

  • Costumam aparecer após um grande tempo de regime de exceção ou após um período longo governado por uma mesma chapa ou por um grupo de aliados similares;
  • Normalmente antes de conseguirem destaque na sociedade têm uma história política apagada, ou pouco notória, ou literalmente inútil;
  • Sempre usam de ardis de moralidade extrema, como dizer que vão "varrer a corrupção" pra debaixo do tapete, dizer que é o "caçador de marajás" apesar de depois virar o maior deles ou vir com ameaças de "fuzilar a petralhada" e usar o dinheiro público pra comer gente...
  • Costumam dizer que qualquer um que se oponha a eles é comunista, inimigo da pátria e similares;
  • Se dizem defensores da moral, da família e coisa do tipo embora não seja difícil descobrir que andava dando pulada de cerca ou coisa pior.
  • Quando assumem se vê que em geral 90% das medidas são idiotas (tipo proibir corrida de cavalo em dia de semana, usar biquíni e rinha de galo), completamente fodidas (tipo confisco das poupanças do país todo) ou ficam num "chove não molha", ora dizendo que vai fazer uma coisa, ora dizendo que entenderam ele errado, que na verdade isso era "mentira da imprensa", dentre outros.
  • Usam partidos de aluguel pra se elegerem (ex: PTN, PRN, PSL/Aliança pelo Brasil)
  • Renunciam, são defenestrados ou viram piada pública rapidamente.

Casos básicos que aconteceram no paísEditar

  • 1960: Jânio Quadros é eleito se utilizando da ideia de que a população estava cansada da suposta corrupção dos comunistas infiltrados nos governos do Entulho, digo, Getúlio Vargas e Juscelino Kubi, Cubi, Cubista, sei lá. Dizia que ia varrer com a vassourinha toda a corrupção. Depois de eleito, começou a fazer uns trambiques bem bostas, aprovar só lei tosca através de "bilhetinhos" e até mesmo trair o movimento direitista ao ficar amiguinho de Fidel Castro e Che Guevara. Depois de seis meses e ninguém mais aguentando as porras que ele fazia, nem mesmo seus maiores aliados como Carlos Lacerda, Jânio assinou sua renúncia acreditando tolamente que as forças armadas ou a pressão popular iriam reconduzir ele ao poder como ditador, mas ninguém deu um puto pra ele. Depois ele inventou umas tais "forças ocultas" que o forçaram a sair do poder (que na verdade era uma diarréia fodida).
  • 1989: Fernando Collor, vinte e nove anos depois da eleição de Jânio Quadros, ele é eleito (curiosamente também foi a primeira eleição a vera depois da do Quadros, já que durante esses 29 anos só teve eleição indireta forjada). Desde 1988 o cabra, com a ajuda acidental (ou não) da revista Veja, vinha construíndo sua imagem de governador austero em Alagoas, que perseguia os marajás que ganhavam fortunas enormes sem fazer praticamente porra nenhuma, típico funcionário público vagabundo. Em 1989, com uma ajuda também acidental, e dessa vez tô falando sério, da Rede Globo, ele mostrou-se melhor do que o Lula após uma edição marotamente sem nenhuma intenção maligna de foder com a cara do torneiro mecânico barbudo. Logo no primeiro dia como presida, ele cumpriu uma promessa de campanha do adversário (pelo menos segundo ele o adversário ia fazer isso) e arrancou toda a grana do povo, deixando todos os brasileiros com apenas um dólar na poupança (todos todos não foi bem verdade né, cês sabem que os empresários fodinhas e os políticos tudo ficaram deboinha né...). Após quase dois anos de governo turbulento e cagado, acabou sendo defenestrado do poder quando até um dos irmãos dele e seu motorista, já putos com o cheiro de galinha podre que ele levava o tempo todo pra fazer macumba no palácio do Planalto, denunciaram ele pra geral e aí a imagem de santo homem bonito e chique foi pro beleléu.
  • 2018: Jair Bolsonaro é eleito presidente 29 anos depois de Collor, falando em seu discurso que 16 anos de governo do PT trouxeram um país miserável, que é o desejo eterno dos comunistas (segundo ele né), e que se deixassem o Poste Paulista ganhar o risco deles decretarem a ditadura comunista no Brasil era óbvia e deveria-se evitar que essa porra acontecesse. Apesar de ter passado mais de duas décadas como deputado mais inútil do Brasil, tendo na maioria de suas 171 propostas (que número curioso não?) pedidos bem imbecis como proibir o aborto em caso de estupro e que o Estado doe armas pra alguém que teve as armas apreendid... ops, isso na verdade foi pedido do 03, desculpa. Enfim, esse senhor de equilíbrio incontestável incontestavelmente nulo foi eleito e desde então a maioria dos projetos dele são completamente cretinos, além de acreditar em coisas bem imbecis geniais como que a COVID-19 é uma invenção chinesa e uma conspiração do planeta Terra inteiro pra tirar ele do poder.