Vicentinópolis

Cquote1.svg Esse município não tem nada para contar Cquote2.svg

Vicentinópolis é mais um municipiozinho em algum lugar no sul de Goiás que ninguém conhece.

HistóriaEditar

 
Lagoa de Vicentinópolis. Este brejo cheio de mosquitos é uma das atrações da cidade.

Surgiu em 1930 com a doação de terras para alguns fazendeiros. Para conseguir alguma grana, este fazendeiros grilaram alguns hectares e venderam para o MST. O povoado recebeu esse nome "Vicentinópolis" porque o primeiro guerreiro que teve a coragem de ir viver nesse fim de mundo foi o fazendeiro Vicente, que morreu de disenteria decorrente de alguma doença tropical escrota, e em sua memória o povoado recebeu esse nome.

É em 1980 Vicentinópolis se torna um município, pois nessa época qualquer coisa poderia virar município, então acabou sendo aceito mesmo, afinal o certo era ser distrito de alguma cidade maior.

Devido às suas terras férteis, a cidade atravessou grande crescimento ao longo dos anos, e atualmente já tem 6.000 habitantes (apesar de parecer que tem uns 300 no máximo, ao você andar pelas ruas do município).

GeografiaEditar

A geografia de Vicentinópolis é como a das outras mil cidades isoladas do interior de Goiás: Aquele cerrado quente cheio de roça. O destaque fica por conta da famosa Lagoa de Vicentinópolis, um brejo onde você pode ir ver se desenvolverem os mosquitos transmissores da febre amarela, malária e alguns pernilongos também.

Ao redor da cidade, existe um pântano chamado Palitozinho, em tal lugar encontra-se celebridades como Paraguay, Jeremias, Robin Hood e outros.

A cidade de vicentinópolis também é famosa por possuir uma Represa que nunca fica pronta. E sempre que a cidade está com alguma terrível falta de água, que não é fato raro por falta de chuva, muitos cidadãos acabam visitando essa represa mal feita para beber água sem tratamento.

EconomiaEditar

Economia 100% baseada na agronomia devido ao solo fértil da região, estão todos trabalhando lá na roça plantando batata, banana, soja, milho e cana-de-açúcar. Dito isso, muitos nordestinos migram para Vicentinópolis na expectativa de conseguir um sub-emprego nada edificante na usina da cidade.

TurismoEditar

Se um turista quer ser assaltado ou comprar drogas de todos tipos, ele tem que visitar o bairro de Chão do Rau. Para chegar la é fácil, primeiro entra-se naquela rua cheia de terra no final da cidade e depois segue ao norte até encontrar casas populares cheias de terra parecendo o Acre.