Vilar dos Teles

em vilar dos teles tem cada coisa luxuosa e de grande valor Vilar dos Teles, é um lugar qualquer do Rio de Janeiro. Um lugar esquecido pelo povo, sem infra-estrutura, sem policiamento (apesar de existir um batalhão de polícia lá. Lá os policiais só vivem jogando xadrez), absolutamente um nordeste carioca.

O BairroEditar

 
Típico Buraco nas ruas do Vilar dos Teles

Vilar dos Teles, ou mais conhecido como Faixa de Gaza tupiniquim, é mais um dos bairros desprovidos de tudo da Baixada Fluminense. O povo que mora lá vive abaixo da linha da pobreza, Norma não passa nem perto de lá. Andando pelas redondezas você irá encontrar de tudo um pouco: mendigos, bandidos, crackudos, mulheres da vida (Piriguetes), e todo o resto de gentinha desse naipe.

O bairro nunca sai das obras. Obras essas que não melhoram nada, apenas maquiam o local. Quando você passa por lá com algum veículo de locomoção (acredite, até de bicicleta você tira onda lá, e se for de marcha, pega quem você quiser) a sensação é de estar na montanha russa do Hopi-Hari por ter tantos buracos nas ruas. Lá são tantos os buracos, que parece que lembra um pedaço terráqueo da lua. Crateras e mais crateras por todo lado.

Os Vascainos que por lá gorjeiam, gorjeiam com vontade. Em suas lajes o churrasquinho de gato rola solto. As piriguetes na piscina mil litros fazem a festa com água oxigenada e os boys-favela com suas pipas tentam cortejá-las com um tipo de música diferenciada, o funk carioca.

Para você ter noção, lá em Vilar dos Teles até hoje não chegou energia elétrica e telefone, saneamento básico (até hoje, os bueiros que por lá existem, tudo a céu aberto, com seu delicioso odor). Literalmente, o Vilar dos Teles não é o lugar onde você, eu ou qualquer pessoa gostariam de morar.

HistóriaEditar

Vilar dos Teles (vamos dizer "capital da Baixada Fluminense") é um mundo à parte. Um lugar esquecido pelo povo (e pelo governo). Essas contínuas gerações de mamelucos e cafuzos, resultado de uma miscigenação desenfreada (não existe preconceito nesta afirmação, pois os brancos não podem nem viver perto de índios para não contaminá-los com nossas doenças esquisitas, quanto mais ter relações consangüíneas). Eles têm seus direitos sociais e civis cassados pelas minorias brancas, pelos políticos e até mesmo por seus conterrâneos. O trabalho escravo persiste por todos os cantos. Eles não têm noção de limpeza, de educação, de respeito entre eles mesmos. O povo de uma maneira geral, trata bem o sulista. Entretanto, acham que o futuro da humanidade está nos Bolsas-Esmolas do Lula.

EconomiaEditar

  • Agricultura: Feita exclusivamente por subalternos de políticos, por isso não podemos revelá-la.
  • Indústria: Praticamente voltada ao excessivo consumo interno de drogas, cachaças, etc.
  • Turismo: Ta de sacanagem né? Fazer turismo lá é a mesma coisa de um safari na África, tem que ter carros apropriados.
  • Transportes:Dividido em três parte: Transportes de última tecnologia, como super carros, jatos e trens, que são de exclusividade dos políticos. Transportes rudimentares, como burro de carga, carroça e as próprias pernas, que são de exclusividade dos pessoais que cresceram um pouco na vida.