Yung Pou

A cidade chinesa de Yung Pou, localizada a 673 milhas náuticas a bombordo do leito médio do Rio Amarelo (mais conhecido como Rio Tchin Pang Zeh pelos aborígenes himalaios locais), é notoriamente conhecida pela sua indústria tropical frutífera.

GeografiaEditar

Yung Pou é situada no meio do caminho para o Monte Everest, e se destaca economicamente por causa dos guerreiros de Xi’An, que na verdade eram nascidos em Yung Pou e sua função era saquear cavernas de ursos pandas pigmeus. Após uma fracassada tentativa de furto numa colônia simbiótica de ursos pandas pigmeus e babuínos-de-bumbum-de-fora vermelhos, o imperador Ting Eng Saih, da dinastia Bang, proibiu os guerreiros de pisarem novamente na cidade, prendendo a maioria deles numa caverna de terracota.
 
Moradores de Yung Pou.

Conflitos Étnico-Territoriais / HistóriaEditar

A província onde se localiza Yung Pou passa por inúmeros conflitos territoriais pois Yung Pou luta contra os moradores da cidade de Sho-Ryu Ken pela terra sagrada de Kushay Shang, onde se localiza o Templo de Xalá, um importante sacerdote azteca que acabou expulso de sua tribo. Após ser expulso, achou um barco Viking abandonado próximo à península de Yucatán, e a bordo deste, rumou para seu exílio no Mediterrâneo.
Após adentrar a embarcação Viking, Xalá passou a explorar seu novo lar provisório. Ao chegar ao porão das caldeiras, o sacerdote encontrou um baú que continha um pergaminho escrito numa língua não muito diferente da sua. Depois de um tempo de meditação, Xalá percebeu que se tratava de um dialeto esquimó cubano (Nessa época Cuba fazia parte da porção congelada da Terra na Era do Gelo).
Utilizando o tempo da viagem, o pajé azteca conseguiu traduzir o pergaminho e percebeu que se tratava de uma receita para algum tipo de bebida. Porém, após uma série de intempéries durante a viagem, Xalá foi encontrado na margem direita do leito médio do Rio Tchin Pang Zeh por um desolado guerreiro oriundo de uma campanha mal sucedida nas cavernas simbióticas.
Ao chegar ao vilarejo do bom camponês que o salvou, Xalá se deparou com 2 dos ingredientes presentes na receita, uma plantação de cana-de-açúcar e outra de melões gigantes tropicais. Assim ele pôde preparar o rum aromatizado de melão, e para homenagear sua amada, Bacardi, que continuou em Yucatán, Xalá batizou a bebida de Bacardi Grand Melon. Essa bebida é utilizada nos rituais secretos de adoração ao deus Etagias.

CulturaEditar

Os cidadãos que residem em Yung Pou são ensinados, desde os 4 anos de idade, na milenar arte da caça ao Colibri Dourado, a qual após ser masterizada dá aos homens o direito de aprender as duas artes marciais mais violentas da região: o Soi Fong e o Tai Chi Chuan. Mais recentemente, parte da cultura yungpoulitana foi demonstrada nos cinemas, porém com muita deturpação e maluquices, já que o filme que falou sobre essa grande civilização foi "A Múmia".

ReligiãoEditar

No âmbito religioso, os “yungpoulitanos” são politeístas, tendo em alguns casos mais de um deus para uma mesma finalidade. Por exemplo:

CuriosidadesEditar

A cidade de Yung Pou revelou ao mundo diversas personalidades, em sua maioria estrelas de Hollywood. Jet Li, Bruce Lee, Ang Lee, Rock Lee e Rita Lee são exemplos da fama internacional dessa cidade.
Bruce Lee teve caso com uma vietcong de Madagascar e dessa relação surgiu mais uma estrela: Jackie Chan.